Fa­se pre­li­mi­nar foi po­si­ti­va

Jornal de Angola - - DESPORTO - Te­re­sa Luís | Braz­za­vil­le

An­go­la e a con­gé­ne­re da Ar­gé­lia dis­cu­tem ho­je, a par­tir das 19h00, o aces­so às mei­as-fi­nais da 23ª edi­ção do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções (CAN) de an­de­bol sé­ni­or feminino, par­ti­da a de­cor­rer no Pa­vi­lhão Ni­co­le Oba, nu­ma re­e­di­ção dos quar­tos-de-fi­nal de 2016, em Luanda.

Des­te­mi­das, as Pé­ro­las às or­dens de Mor­ten Sou­bak am­bi­ci­o­nam re­pe­tir a pro­e­za da edi­ção an­te­ri­or, on­de der­ro­ta­ram (42-19) as ma­gre­bi­nas. Do­ta­do in­di­vi­du­al e co­lec­ti­va­men­te de fun­da­men­tos pa­ra con­tra­por as ad­ver­sá­ri­as, o “se­te” na­ci­o­nal é te­o­ri­ca­men­te fa­vo­ri­to ao triun­fo.

Pas­sar com dis­tin­ção pe­las ar­ge­li­nas é a me­ta da se­lec­ção. Pa­ra tal, apos­ta na con­sis­tên­cia de­fen­si­va, ex­plo­ra­ção dos er­ros das opo­nen­tes, con­tra ata­que e ata­que or­ga­ni­za­do, a fim de ca­rim­ba­rem o pas­se pa­ra as mei­as-fi­nais do CAN.

Isa­bel Gui­a­lo (cen­tral), Mag­da Ca­zan­ga (la­te­ral es­quer­da) Az­nai­de Car­los (la­te­ral di­rei­ta) Al­ber­ti­na Kas­so­ma (pivô), Jo­a­na Cos­ta (pon­ta di­rei­ta) , Eli­za­beth Cai­lo (pon­ta es­quer­da) e Te­re­sa Al­mei­da “Bá” (guar­da-redes) são as jo­ga­do­ras que po­dem en­trar no “se­te” ini­ci­al.

On­tem, na se­gun­da pau­sa ge­ral, o gru­po vi­su­a­li­zou os ví­de­os das ad­ver­sá­ri­as, e no fim da tar­de re­a­li­zou tra­ba­lho de cam­po. Do lado das ar­ge­li­nas, equi­li­brar o jo­go é a pa­la­vra de ordem. Na fa­se

lu­gar do Gru­po B era o ob­jec­ti­vo ini­ci­al­men­te tra­ça­do pe­la Se­lec­ção na­ci­o­nal de an­de­bol feminino, re­ve­lou on­tem o se­lec­ci­o­na­dor Mor­ten Sou­bak, ao ba­lan­ce­ar a pri­mei­ra fa­se da Ta­ça de África das Na­ções (CAN), que de­cor­re em Braz­za­vil­le (Con­go).

Em qua­tro par­ti­das dis­pu­ta­das, as “se­nho­ras de ou­ro” so­ma­ram igual nú­me­ro de vi­tó­ri­as, to­ta­li­zan­do oi­to pon­tos. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, o téc­ni­co afir­mou que a fa­se pre­li­mi­nar foi bem dis­pu­ta­da e as­sis­tiu-se a evo­lu­ção de al­gu­mas atle­tas.

“Al­can­çá­mos o pri­mei­ro ob­jec­ti­vo e con­sen­ti­mos pou­cos go­los. As se­lec­ções de ca­da sé­rie fi­ze­ram o me­lhor, no sen­ti­do de jo­ga­rem os quar­tos. Por cau­sa dos eventuais cru­za­men­tos tam­bém pres­ta­mos aten­ção aos jo­gos do Gru­po A”, es­cla­re­ceu o trei­na­dor di­na­marquês ao ser­vi­ço da Se­lec­ção Na­ci­o­nal.

Em re­la­ção ao de­sem­pe­nho do com­bi­na­do na­ci­o­nal do Se­ne­gal, apon­ta­do pe­la crí­ti­ca co­mo prin­ci­pal ad­ver­sá­rio do com­bi­na­do an­go­la­no na dis­pu­ta do tí­tu­lo, sem eva­si­vas Sou­bak dis­se: “tam­bém ven­ce­ram to­dos os jo­gos da pri­mei­ra fa­se. Estamos aten­tos à evo­lu­ção do Se­ne­gal, Ca­ma­rões e Tu­ní­sia. Di­fe­ren­te das ou­tras, as se­ne­ga­le­sas for­mam um con­jun­to mui­to for­te, rá­pi­do e bem do­ta­do fi­si­ca­men­te”.

Qu­an­to aos quar­tos-de­fi­nais, Mor­ten afir­mou que no mo­men­to se im­põe uma aná­li­se de­ta­lha­da dos ví­de­os da Ar­gé­lia. “Va­mos manter a nos­sa pre­pa­ra­ção e ten­tar evo­luir em to­dos os jo­gos. Com as ma­gre­bi­nas não se­rá di­fe­ren­te”, fri­sou o se­lec­ci­o­na­dor, que apon­tou os de­ta­lhes de­fen­si­vos e as va­ri­a­ções no ata­que co­mo as­pec­tos por me­lho­rar.

As­se­gu­rar o pri­mei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.