Par­ti­do de Jo­seph Ka­bi­la ob­tém mai­o­ria ab­so­lu­ta no Par­la­men­to

Vai fi­car re­du­zi­do o es­pa­ço de ma­no­bra de Fé­lix Tshi­se­ke­di, lí­der da opo­si­ção anun­ci­a­do na quin­ta-fei­ra co­mo fu­tu­ro Pre­si­den­te. Fa­la-se de gol­pe pa­la­ci­a­no pa­ra ga­ran­tir a con­ti­nu­a­ção da in­fluên­cia do Che­fe de Es­ta­do ces­san­te, que 18 anos de­pois as­su­me que

Jornal de Angola - - ÁFRICA -

A Fren­te Co­mum pe­lo Con­go (FCC), a co­li­ga­ção ac­tu­al­men­te no po­der na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), al­can­çou a mai­o­ria no Par­la­men­to nas elei­ções de 30 de De­zem­bro, se­gun­do anun­ci­ou on­tem a Co­mis­são Elei­to­ral Na­ci­o­nal In­de­pen­den­te (CE­NI).

Na quin­ta-fei­ra, o mes­mo or­ga­nis­mo tor­nou pú­bli­ca a sur­pre­en­den­te elei­ção de Fé­lix Tshi­se­ke­di, lí­der do mai­or par­ti­do de opo­si­ção, a UDPS (União pa­ra a De­mo­cra­cia e Pro­gres­so So­ci­al) e não da­que­le a quem to­das as son­da­gens de ten­dên­cia de vo­to da­vam van­ta­gem, Mar­tin Fayu­lu, lí­der do ECD e gran­de con­ten­dor do Pre­si­den­te dos úl­ti­mos 18 anos, Jo­seph Ka­bi­la. Tu­do pa­re­ce con­tri­buir pa­ra com­por um ce­ná­rio po­lí­ti­co ten­so na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, que de­po­si­tou es­pe­ran­ças na que se­rá a pri­mei­ra tran­si­ção de­mo­crá­ti­ca ou, pe­lo me­nos, não vi­o­len­ta, dos úl­ti­mos 59 anos, des­de a in­de­pen­dên­cia.

O que se co­men­ta nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al con­go­le­ses é uma sus­pei­ta que ga­nha den­si­da­de: que es­ta vi­tó­ria pre­si­den­ci­al te­nha de­cor­ri­do de uma com­bi- na­ção de bas­ti­do­res que tem por ob­jec­ti­vo man­ter a in­fluên­cia de Ka­bi­la so­bre as pas­tas mais im­por­tan­tes do pró­xi­mo Go­ver­no e so­bre as for­ças de se­gu­ran­ça.

Man­ter in­fluên­cia a to­do o cus­to

Mes­mo que tal não ve­nha a acon­te­cer, os po­de­res do Pre­si­den­te ago­ra elei­to vi­rão a ser bas­tan­te li­mi­ta­dos pe­lo Par­la­men­to com aque­la con­fi­gu­ra­ção par­ti­dá­ria, im­pe­din­do-o mui­to pro­va­vel­men­te de con­cre­ti­zar a pro­mes­sa elei­to­ral de cor­tar com du­as dé­ca­das de li­de­ran­ça do PR ces­san­te.

Jo­seph Ka­bi­la, o Pre­si­den­te ain­da no ac­ti­vo, já dei­xou cla­ro que não se re­ti­ra da po­lí­ti­ca e que po­de­rá can­di­da­tar-se à pre­si­dên­cia em 2023, li­vran­do­se des­te mo­do da li­mi­ta­ção de nú­me­ro de man­da­tos pre­vis­ta na Cons­ti­tui­ção.

É es­ta tam­bém que pre­vê am­plos po­de­res pa­ra a mai­o­ria parlamentar. O Pre­si­den­te apon­ta o Pri­mei­roMi­nis­tro das su­as fi­lei­ras, mas es­te de­ve con­tra­por as or­dens pre­si­den­ci­ais no que to­ca a no­me­ar ou de­mi­tir as che­fi­as mi­li­ta­res, ju­di­ci­ais e dos ges­to­res das em­pre­sas es­ta­tais.

Adam Chalwe, se­cre­tá­rio na­ci­o­nal do par­ti­do PPRD, li­de­ra­do por Jo­seph Ka­bi­la, o mai­or da co­li­ga­ção FCC no po­der, de­cla­rou on­tem à agên­cia Reu­ters que o es­cru­tí­nio in­di­vi­du­al dos can­di­da­tos da FCC re­sul­tou na elei­ção de 300 dos 500 lu­ga­res do Par­la­men­to.

DR

Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la vai con­ti­nu­ar a exer­cer uma gran­de in­fluên­cia na go­ver­na­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.