Gre­ve pa­ra­li­sa a cir­cu­la­ção de com­boi­os

Tra­ba­lha­do­res exi­gem au­men­tos sa­la­ri­ais na or­dem dos 80 por cen­to e a me­lho­ria das con­di­ções so­ci­ais e la­bo­rais

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - An­dré dos An­jos

Os 900 tra­ba­lha­do­res dos Ca­mi­nhos-de-Fer­ro de Luanda (CFL) ini­ci­a­ram ho­je uma gre­ve, por tem­po in­de­ter­mi­na­do, pa­ra rei­vin­di­car me­lho­res con­di­ções la­bo­rais, igual­da­de de sub­sí­di­os e au­men­to sa­la­ri­al na or­dem dos 80 por cen­to. A me­lho­ria dos sub­sí­di­os de ali­men­ta­ção, im­ple­men­ta­ção do se­gu­ro con­tra do­en­ças pro­fis­si­o­nais e aci­den­tes de tra­ba­lho e acer­to de ca­te­go­ri­as são al­guns dos pon­tos plas­ma­dos no ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo, que enu­me­ra pre­o­cu­pa­ções de há cin­co anos. Dois com­boi­os de­ve­rão ga­ran­tir os ser­vi­ços mí­ni­mos.

Tra­ba­lha­do­res

dos Ca­mi­nhos-de-Fer­ro de Luanda (CFL) ini­ci­a­ram, nas pri­mei­ras ho­ras de ho­je, uma gre­ve por tem­po in­de­ter­mi­na­do, por fal­ta de acor­do à vol­ta de um ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo apre­sen­ta­do, des­de De­zem­bro, pe­lo Sin­di­ca­to In­de­pen­den­te dos Fer­ro­viá­ri­os de An­go­la.

O anún­cio da gre­ve foi con­fir­ma­do on­tem pe­lo se­cre­tá­rio pa­ra os As­sun­tos Ju­rí­di­cos do re­fe­ri­do sin­di­ca­to, Dias Kin­ke­la, em de­cla­ra­ções à Rá­dio Ec­cle­sia. As úl­ti­mas ten­ta­ti­vas pa­ra evi­tar a gre­ve, de acor­do com o res­pon­sá­vel, fo­ram fei­tas na quin­ta e sex­ta-fei­ra, mas sem su­ces­so. “Quan­do a di­rec­ção se re­cu­sou a ne­go­ci­ar o pon­to re­fe­ren­te ao au­men­to sa­la­ri­al exi­gi­do pe­los tra­ba­lha­do­res, na or­dem de 80 por cen­to, to­do o mun­do co­me­çou a abandonar a sa­la”, dis­se Dias Kin­ke­la.

“O en­con­tro co­me­çou às 14 ho­ras­de­quin­ta-fei­ra­e­ter­mi­nou às 13 ho­ras do dia se­guin­te, sem que o pon­to re­fe­ren­te ao au­men­to sa­la­ri­al fos­se to­ca­do, o que des­mo­ti­vou os tra­ba­lha­do­res”, dis­se o sin­di­ca­lis­ta.

Na quin­ta-fei­ra, ape­sar de afir­mar que de­cor­ri­am ne­go­ci­a­ções com a co­mis­são ne­go­ci­a­do­ra, a ad­mi­nis­tra­ção dos Ca­mi­nhos-de-Fer­ro de Luanda as­su­miu “in­su­fi­ci­ên­ci­as fi­nan­cei­ras” pa­ra cor­res­pon­der às rei­vin­di­ca­ções dos fun­ci­o­ná­ri­os.

“É de­vi­do a di­fi­cul­da­des que a pró­pria ad­mi­nis­tra­ção en­fren­ta, pe­las in­su­fi­ci­ên­ci­as de re­cur­sos fi­nan­cei­ros que, até ho­je, não criá­mos me­lho­res con­di­ções, ain­da, tan­to de tra­ba­lho co­mo sa­la­ri­ais pa­ra os tra­ba­lha­do­res”, dis­se Au­gus­to Osó­rio, di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal dos CFL, ci­ta­do pe­la agên­cia Lu­sa.

O res­pon­sá­vel adi­an­tou que a di­rec­ção da em­pre­sa pú­bli­ca “es­tá a par” das pre­o­cu­pa­ções ex­pres­sas no ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo dos fun­ci­o­ná­ri­os, da­ta­do de 4 de De­zem­bro, e que já te­ve uma res­pos­ta for­mal da ad­mi­nis­tra­ção. Au­gus­to Osó­rio su­bli­nhou igual­men­te que con­ti­nu­am a “en­ce­tar ne­go­ci­a­ções” no sen­ti­do de “se im­pe­dir que a gre­ve se­ja re­a­li­za­da” e pa­ra re­sol­ve­rem “to­dos os pro­ble­mas cons­tan­tes no ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo, de acor­do com a si­tu­a­ção ac­tu­al da em­pre­sa”.

“As res­pos­tas da di­rec­ção ao sin­di­ca­to não sa­tis­fi­ze­ram os tra­ba­lha­do­res, mas es­ta­mos aber­tos ao diá­lo­go, no sen­ti­do de en­con­trar­mos apro­xi­ma­ções das po­si­ções de­fen­di­das por am­bos os la­dos”, sa­li­en­tou.

Os cer­ca de 900 tra­ba­lha­do­res dos CFL anun­ci­a­ram, na quar­ta-fei­ra, uma gre­ve por tem­po in­de­ter­mi­na­do, a par­tir da pró­xi­ma se­gun­da­fei­ra, pro­tes­tan­do por me­lho­res con­di­ções la­bo­rais, igual­da­de de sub­sí­di­os, e au­men­to sa­la­ri­al na or­dem dos 80 por cen­to. O se­cre­tá­rio pa­ra os As­sun­tos Ju­rí­di­cos do Sin­di­ca­to In­de­pen­den­te dos Fer­ro­viá­ri­os de An­go­la (SINFA), Dias Kin­ke­la, in­for­mou que a pa­ra­li­sa­ção de­ve afec­tar o fun­ci­o­na­men­to re­gu­lar dos 17 com­boi­os, es­tan­do pre­vis­ta ape­nas a cir­cu­la­ção diá­ria de dois.

A Me­lho­ria dos sub­sí­di­os de ali­men­ta­ção, im­ple­men­ta­ção do se­gu­ro con­tra do­en­ças pro­fis­si­o­nais e aci­den­tes de tra­ba­lho e acer­to de ca­te­go­ri­as são al­guns dos 19 pon­tos plas­ma­dos no ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo que enu­me­ra pre­o­cu­pa­ções de há cin­co anos. Au­gus­to Osó­rio as­se­gu­rou que mui­tas das si­tu­a­ções enu­me­ra­das no ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo são de ín­do­le le­gal e a ní­vel da em­pre­sa têm si­do já exe­cu­ta­das, re­fe­rin­do que con­ti­nu­am a pro­cu­rar so­lu­ções pa­ra outras rei­vin­di­ca­ções dos fun­ci­o­ná­ri­os.

“São ne­ces­si­da­des, com­pre­en­de­mos o cus­to ac­tu­al de vi­da do país, com os sa­lá­ri­os a per­de­rem o po­der de com­pra, mas não é por fal­ta de von­ta­de da ad­mi­nis­tra­ção que nós ain­da não te­mos fei­to na­da”, sus­ten­tou.

A de­ci­são da in­ter­rup­ção dos tra­ba­lhos foi to­ma­da em as­sem­bleia de tra­ba­lha­do­res, na ter­ça-fei­ra pas­sa­da, mas com o ca­nal de diá­lo­go aber­to en­tre a co­mis­são ne­go­ci­a­do­ra e a en­ti­da­de em­pre­ga­do­ra. Se­gun­do apu­rou o Jor­nal

de An­go­la, o ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo apre­sen­ta­do pe­los tra­ba­lha­do­res con­tém 21 pon­tos, que se re­su­mem, no es­sen­ci­al, na me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho, re­vi­são da ta­be­la sa­la­ri­al e ac­tu­a­li­za­ção das ca­te­go­ri­as la­bo­rais.

PAU­LO MULAZA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

A par­tir de ho­je, nú­me­ro de com­po­si­ções dos Ca­mi­nhos-de-Fer­ro de Luanda so­fre uma re­du­ção de 17 pa­ra dois com­boi­os/dia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.