Fa­mí­li­as re­jei­tam pro­pos­ta de re­a­lo­ja­men­to

O por­ta-voz da Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va da Ci­da­de de Luanda ex­pli­cou que as con­di­ções de re­a­lo­ja­men­to fo­ram cri­a­das no âm­bi­to de um pla­no de emer­gên­cia

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Kils­sia Fer­rei­ra

Oi­to dias de­pois de te­rem re­ce­bi­do or­dem de de­sa­lo­ja­men­to do edi­fí­cio seis­cen­tis­ta,no Baleizão,em Luanda, que se en­con­tra em co­lap­so, os ex-mo­ra­do­res con­ti­nu­am ao re­len­to, de­fron­te ao Lar­go do mes­mo no­me, ale­ga­da­men­te por­que as con­di­ções cri­a­das no bair­ro da Paz, no Dis­tri­to Ur­ba­no do Ngo­la Ki­lu­an­je, no mu­ni­cí­pio do Sam­bi­zan­ga, “são de­su­ma­nas e põem em pe­ri­go” as su­as vi­das.

As de­cla­ra­ções fo­ram pres­ta­das on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, por Ma­nu­el Vi­ei­ra, 50 anos, que vi­veu 37 na­que­le edi­fí­cio do cen­tro da ci­da­de de Luanda. Pai de três cri­an­ças, dis­se que o es­pa­ço pro­vi­só­rio, no Ngo­la Ki­lu­an­je, in­di­ca­do pe­la Ad­mi­nis­tra­ção do Dis­tri­to Ur­ba­no da In­gom­bo­ta, “não tem con­di­ções bá­si­cas, prin­ci­pal­men­te de se­gu­ran­ça”, ten­do sa­li­en­ta­do: “que­re­mos um lu­gar dig­no pa­ra as nos­sas fa­mí­li­as”.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, Fran­cis­co Alexandre, di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção e Ima­gem da Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va da Ci­da­de de Luanda, es­cla­re­ceu que 16 fa­mí­li­as re­si­di­am na­que­le edi­fí­cio, ao con­trá­rio das “24 ou 30 no­ti­ci­a­das pe­la im­pren­sa”.

Alexandre Fran­cis­co dis­se que nes­te mo­men­to es­tá em cur­so um pro­ces­so de ne­go­ci­a­ção com os ex-mo­ra­do­res, mas sa­li­en­tou que é ne­ces­sá­rio que as fa­mí­li­as en­ten­dam que o edi­fí­cio em cau­sa é pri­va­do e o pa­pel do Es­ta­do é de sal­va­guar­dar as vi­das hu­ma­nas que se en­con­tram em ris­co.

O di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção e Ima­gem da Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va da Ci­da­de de Luanda ex­pli­cou que as con­di­ções fo­ram cri­a­das no âm­bi­to de um pla­no de emer­gên­cia, “que é re­ti­rar as fa­mí­li­as e co­lo­cá-las num lu­gar pro­vi­só­rio e se­gu­ro, vis­to que aque­le edi­fí­cio seis­cen­tis­ta po­de de­sa­bar a qual­quer mo­men­to”.

Alexandre Fran­cis­co ape­lou às fa­mí­li­as no sen­ti­do de acei­ta­rem a pro­pos­ta da Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va da Ci­da­de de Luanda, acen­tu­an­do que é a úni­ca so­lu­ção pa­ra alo­já-las de emer­gên­cia, na medida em que não vai ser pos­sí­vel man­ter a Po­lí­cia Na­ci­o­nal e a uni­da­de de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros em pron­ti­dão, du­ran­te mui­to tem­po, de­vi­do aos cus­tos.

Quan­to às re­cla­ma­ções do gru­po de mo­ra­do­res que se des­lo­cou até ao lo­cal pro­vi­só­rio, Alexandre Fran­cis­co es­cla­re­ceu que as con­di­ções já fo­ram me­lho­ra­das, su­bli­nhan­do que “nes­te mo­men­to a pri­o­ri­da­de é cri­ar uma co­zi­nha co­mu­ni­tá­ria”.

O di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção e Ima­gem da Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va da Ci­da­de de Luanda ga­ran­tiu que se es­tá a tra­ba­lhar no sen­ti­do de en­con­trar um ou­tro ter­re­no pa­ra a au­to­cons­tru­ção di­ri­gi­da, mas fri­sou que “é um pro­ces­so que re­quer al­gum tem­po”.

O que se pre­ten­de é ce­der ter­re­nos em Luanda pa­ra que as fa­mí­li­as, até en­tão re­si­den­tes no edi­fí­cio seis­cen­tis­ta do Baleizão, pos­sam cons­truir as su­as pró­pri­as re­si­dên­ci­as”, dis­se o res­pon­sá­vel, pa­ra quem o “Es­ta­do não tem obri­ga­ção de dar ca­sa, por­que não tem, mas tem uma res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al a cum­prir jun­to da po­pu­la­ção ne­ces­si­ta­da”.

O edi­fí­cio seis­cen­tis­ta, con­si­de­ra­do “Pa­tri­mó­nio His­tó­ri­co do In­fan­te Cul­tu­ral por de­cre­to nú­me­ro 86, Bo­le­tim Ofi­ci­al nú­me­ro 222 de 23 de Se­tem­bro de 1947”, não tem ener­gia eléc­tri­ca há dez anos.

~MOTA AMBRÓSIO | EDIÇÕES NO­VE MBRO

Ex-mo­ra­do­res do pré­dio do “Baleizão” con­ti­nu­am con­cen­tra­dos na rua, oi­to dias de­pois de te­rem si­do desalojados

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.