Uma im­por­tan­te ala­van­ca pa­ra a economia

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

O mer­ca­do de capitais é um sub­con­jun­to do sis­te­ma fi­nan­cei­ro que tem por ob­jec­ti­vo vi­a­bi­li­zar a trans­fe­rên­cia, di­rec­ta, de re­cur­sos fi­nan­cei­ros de agen­tes eco­nó­mi­cos com ex­ce­den­tes pa­ra agen­tes com ne­ces­si­da­des de fi­nan­ci­a­men­to. É uma re­a­li­da­de in­te­res­san­te por pro­por­ci­o­nar li­qui­dez aos tí­tu­los, des­per­tar o la­do em­pre­en­de­dor dos que ne­le qu­e­rem in­ter­vir e, prin­ci­pal­men­te, per­mi­tir a ob­ten­ção e apli­ca­ção do di­nhei­ro.

Os in­ter­ve­ni­en­tes do mer­ca­do de capitais po­dem as­su­mir a fa­ce­ta de agen­te ex­ce­den­tá­rio (pre­ten­de in­ves­tir) e de­fi­ci­tá­rio (pre­ten­de ob­ter fi­nan­ci­a­men­to). De en­tre os seus in­ter­ve­ni­en­tes, des­ta­ca­mos as En­ti­da­des Ges­to­ras de Mer­ca­dos Re­gu­la­men­ta­dos (Bol­sa), Agen­tes de In­ter­me­di­a­ção (AI), Con­sul­to­res de In­ves­ti­men­tos, Pe­ri­tos Ava­li­a­do­res de Imó­veis (PAI), Au­di­to­res e So­ci­e­da­des Ges­to­ras de Or­ga­nis­mos de In­ves­ti­men­to Co­lec­ti­vo (SGOIC).

Nu­ma economia pu­ra­men­te de mer­ca­do, as fa­mí­li­as trans­fe­rem o seu ca­pi­tal pa­ra as em­pre­sas (se­jam elas pú­bli­cas ou pri­va­das) com o ob­jec­ti­vo de ren­ta­bi­li­zar as su­as pou­pan­ças. As em­pre­sas por sua vez po­si­ci­o­nam-se nas du­as ex­tre­mi­da­des do ta­bu­lei­ro, ou se­ja, po­dem ser tan­to in­ves­ti­do­res quan­to to­ma­do­res de capitais, de­pen­den­do da sua es­tra­té­gia de ac­tu­a­ção.

O Es­ta­do, por ser tam­bém um agen­te eco­nó­mi­co, en­con­tra no mer­ca­do de capitais um meio com­ple­men­tar pa­ra apli­ca­ção das su­as pou­pan­ças e/ou ob­ten­ção de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra as su­as ne­ces­si­da­des de in­ves­ti­men­tos, ou se­ja, po­de ser emi­ten­te ou in­ves­ti­dor.

Co­mo se­ria ga­ran­ti­da a trans­pa­rên­cia, sã con­cor­rên­cia, le­gí­ti­ma con­fi­an­ça, se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e a efi­ci­ên­cia dos ne­gó­ci­os se não hou­ves­se no mer­ca­do de capitais um in­ter­ve­ni­en­te que ac­tu­as­se co­mo ór­gão re­gu­la­dor e su­per­vi­sor? Em pou­cas pa­la­vras, se­ria o ca­os.

É ne­ces­sa­ri­a­men­te pa­ra evi­tar o ca­os nes­te seg­men­to do sis­te­ma fi­nan­cei­ro que exis­te a Co­mis­são do Mer­ca­do de Capitais (CMC). Fa­lar em ca­os, em pri­mei­ra ins­tân­cia, im­pli­ca o ris­co de co­lap­so do sis­te­ma fi­nan­cei­ro.

Num mer­ca­do em fa­se em­bri­o­ná­ria, co­mo é o an­go­la­no, a ac­tu­a­ção da CMC vi­sa a pre­ven­ção do ris­co sis­té­mi­co, pro­tec­ção do in­ves­ti­dor (com des­ta­que pa­ra os pe­que­nos in­ves­ti­do­res, pois são mais vul­ne­rá­veis às as­si­me­tri­as exis­ten­tes en­tre os di­ver­sos in­ter­ve­ni­en­tes do mer­ca­do) e pro­mo­ção e re­gu­la­ção do mer­ca­do, de mo­do a do­tá-lo de con­di­ções ne­ces­sá­ri­as e su­fi­ci­en­tes pa­ra au­men­tar a sua atrac­ti­vi­da­de.

Em li­nhas ge­rais, o qua­dro le­gal e re­gu­la­tó­rio exis­ten­te no mer­ca­do de capitais an­go­la­no es­tá ali­nha­do com as me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais.

Os re­sul­ta­dos das tran­sac­ções re­a­li­za­das na Bol­sa de Dívida e Va­lo­res de An­go­la (BODIVA) tra­du­zem de for­ma cla­ra a con­tí­nua e po­si­ti­va evo­lu­ção do mer­ca­do de capitais an­go­la­no, não obs­tan­te re­flec­ti­rem so­men­te o seg­men­to de dívida pú­bli­ca. Des­de o iní­cio do pro­ces­so de aber­tu­ra de con­tas in­di­vi­du­a­li­za­das na Cen­tral de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CEVAMA), em Ou­tu­bro de 2016, fo­ram aber­tas mais 5.300 con­tas e o ní­vel do vo­lu­me de tran­sac­ções, de Janeiro a Ou­tu­bro de 2018, as­cen­deu os AOA 646 mil mi­lhões.

Con­si­de­ran­do a emis­são de ac­ções co­mo um pro­ces­so que de­pen­de da apro­va­ção dos ac­ci­o­nis­tas (de acor­do com a es­tra­té­gia da em­pre­sa), com des­ta­que pa­ra as ofer­tas pú­bli­cas de ven­da de ac­ções de uma em­pre­sa ao pú­bli­co em ge­ral nu­ma bol­sa de va­lo­res pe­la pri­mei­ra vez (ofer­tas pú­bli­cas ini­ci­ais - IPO), e que a emis­são de dívida cor­po­ra­ti­va de­pen­de tam­bém de fac­to­res exó­ge­nos à von­ta­de até dos pró­pri­os ac­ci­o­nis­tas, co­mo o ní­vel das ta­xas de ju­ro de re­fe­rên­cia e a li­qui­dez do mer­ca­do (re­si­den­tes cam­bi­ais e não re­si­den­tes cam­bi­ais), fá­cil se­rá per­ce­ber que ha­ve­rá um ca­mi­nho a se­guir de mo­do a vi­a­bi­li­zar tan­to a aber­tu­ra de ca­pi­tal em bol­sa quan­to a emis­são de dívida cor­po­ra­ti­va por par­te de em­pre­sas pri­va­das.

As IPO vi­a­bi­li­zam a ma­te­ri­a­li­za­ção da aber­tu­ra do ca­pi­tal das em­pre­sas por via da Bol­sa, pois, de en­tre outras van­ta­gens, pro­por­ci­o­nam às em­pre­sas um ele­va­do grau de fi­nan­ci­a­men­to que mo­da­li­da­des co­mo o cré­di­to ban­cá­rio não per­mi­tem, ofe­re­cem opor­tu­ni­da­de de saí­da da em­pre­sa pa­ra os ac­tu­ais ac­ci­o­nis­tas, im­põem cus­tos de fi­nan­ci­a­men­to te­o­ri­ca­men­te mais re­du­zi­dos que o das ta­xas de ju­ro exi­gi­das nos em­prés­ti­mos ban­cá­ri­os, for­ta­le­ci­men­to da ima­gem ins­ti­tu­ci­o­nal da em­pre­sa e o fac­to de as ac­ções de em­pre­sas co­ta­das po­de­rem ser­vir co­mo meio de pa­ga­men­to ou até se­rem uti­li­za­das co­mo co­la­te­ral em em­prés­ti­mos ban­cá­ri­os.

Por nor­ma, quem pre­pa­ra as em­pre­sas pa­ra o mer­ca­do de capitais, não é o re­gu­la­dor do mer­ca­do, mas sim um con­sul­tor/in­ter­me­diá­rio fi­nan­cei­ro, uma es­pé­cie de “per­so­nal trai­ner”.

A de­ci­são de ob­ter fi­nan­ci­a­men­to via Bol­sa é in­tei­ra­men­te res­pon­sa­bi­li­da­de do emi­ten­te e não do Re­gu­la­dor. Ou se­ja, os ges­to­res e pro­pri­e­tá­ri­os das em­pre­sas são os res­pon­sá­veis pe­la pre­pa­ra­ção das mes­mas e sua en­tra­da na Bol­sa de Va­lo­res. Pois de con­trá­rio, es­ta­ría­mos num ce­ná­rio em que o ár­bi­tro dá a uma das equi­pas opi­niões so­bre a es­tra­té­gia a uti­li­zar no jo­go ao in­vés de ex­pli­car as re­gras do mes­mo.

Vi­san­do re­du­zir o pe­so e a in­ter­ven­ção do Es­ta­do na economia, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no pre­dispôs-se a ela­bo­rar e exe­cu­tar um pro­gra­ma de pri­va­ti­za­ção de em­pre­sas pú­bli­cas de re­fe­rên­cia e de for­ma opor­tu­na de­fi­niu que pa­ra as su­as em­pre­sas que ain­da não es­tão em con­di­ções de emi­tir ac­ções no mer­ca­do de capitais, o pro­ces­so de ali­e­na­ção do seu ca­pi­tal se­rá im­ple­men­ta­do via Block Tra­de.

O Block Tra­de sur­ge co­mo um me­ca­nis­mo que, por um la­do, per­mi­te à em­pre­sa ob­ter ca­pi­tal e, por ou­tro, apor­tar know how à sua ges­tão, por via da en­tra­da de um par­cei­ro es­pe­ci­a­li­za­do na es­tru­tu­ra ac­ci­o­nis­ta. Es­te me­ca­nis­mo per­mi­ti­rá às em­pre­sas fa­zer o exer­cí­cio que lhes pos­si­bi­li­ta cum­prir com os re­qui­si­tos pa­ra dis­per­são do ca­pi­tal em Bol­sa.

Por fim, im­por­ta dar no­ta que, a ac­tu­al es­tra­té­gia da CMC (2017- 2022), re­sul­ta da in­te­rac­ção com di­fe­ren­tes or­ga­nis­mos e, en­tre ou­tros as­pec­tos, vi­sa fun­da­men­tal­men­te, pro­mo­ver o au­men­to da ba­se de in­ves­ti­do­res, es­ti­mu­lar a ad­mis­são à ne­go­ci­a­ção de ins­tru­men­tos emi­ti­dos por em­pre­sas na­ci­o­nais, pro­mo­ver a par­ti­ci­pa­ção de in­ves­ti­do­res não re­si­den­tes cam­bi­ais, cri­ar me­lho­res prá­ti­cas re­gu­la­tó­ri­as, apli­car efec­ti­va­men­te as nor­mas exis­ten­tes e me­lho­rar os ní­veis de li­te­ra­cia fi­nan­cei­ra da po­pu­la­ção, vi­a­bi­li­zan­do, des­te mo­do, a di­na­mi­za­ção de um mer­ca­do de capitais que sir­va de ala­van­ca pa­ra a nos­sa economia.

* Tex­to da res­pon­sa­bi­li­da­de da Co­mis­são de Mer­ca­do de Capitais da Re­pú­bli­ca de An­go­la

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.