A for­ma­ção téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A for­ma­ção téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal é um as­sun­to que es­tá na agen­da de mui­tos go­ver­nos do mun­do, que en­ten­dem que aque­le ra­mo de en­si­no po­de con­tri­buir gran­de­men­te pa­ra a re­du­ção da ta­xa de de­sem­pre­go en­tre os jo­vens .

Há go­ver­nos que têm ca­na­li­za­do ver­bas con­si­de­rá­veis pa­ra o en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal, por­que acre­di­tam que os jo­vens que a ele ade­ri­rem po­dem ter mais opor­tu­ni­da­des de con­se­gui­rem o pri­mei­ro em­pre­go. Ho­je é nor­mal o de­ba­te à vol­ta do en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal, que tem atraí­do mui­tos jo­vens, que por vá­ri­as ra­zões, não po­dem ir às uni­ver­si­da­des .

Na ver­da­de, po­dem-se ob­ter com­pe­tên­ci­as no en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal de que as em­pre­sas pre­ci­sam. A abor­da­gem do en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal tem es­ta­do cen­tra­da nas opor­tu­ni­da­des que a for­ma­ção nes­te ra­mo do en­si­no po­de dar aos jo­vens pa­ra con­se­gui­rem o pri­mei­ro em­pre­go. Tra­ta-se de um en­si­no vi­ra­do pa­ra a re­ais ne­ces­si­da­des das em­pre­sas em ter­mos de mão-de-obra. Per­ce­beu-se em vá­ri­os paí­ses que não bas­ta ape­nas for­mar em uni­ver­si­da­des, quan­do há um es­pa­ço, em ter­mos de opor­tu­ni­da­des de em­pre­go, que os jo­vens for­ma­dos no en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal po­dem apro­vei­tar, no in­te­res­se das em­pre­sas pri­va­das, da economia e das fa­mí­li­as.

Em An­go­la há uma ex­pe­ri­ên­cia po­si­ti­va ao ní­vel da for­ma­ção téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal. Mui­tas cen­te­nas de jo­vens já se for­ma­ram em cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal do país, es­tan­do a tra­ba­lhar em em­pre­sas, al­gu­mas de­las de gran­de di­men­são.

É ne­ces­sá­rio que se au­men­te no país o nú­me­ro de cen­tro de for­ma­ção téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal, ten­do em con­ta que nos pró­xi­mos anos vão sur­gir mui­tas pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, a jul­gar pe­los in­cen­ti­vos que se pre­vêm dar a pro­jec­tos pro­du­ti­vos de na­tu­re­za di­ver­sa.

Que os jo­vens não pen­sem que só ten­do um di­plo­ma pas­sa­do por uma uni­ver­si­da­de é que mais fa­cil­men­te se con­se­gue um em­pre­go. For­mar-se no en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal é tam­bém uma boa op­ção . Mui­tas com­pe­tên­ci­as que se ad­qui­rem nas es­co­las téc­ni­co-pro­fis­si­o­nais são re­que­ri­das por mui­tas em­pre­sas no nos­so país.

É ver­da­de que há um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas que fo­ram à fa­lên­cia, na sequên­cia da cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra. Mas as coi­sas não vão con­ti­nu­ar co­mo es­tão. Mui­tas des­sas em­pre­sas que fo­ram à fa­lên­cia vol­ta­rão a fun­ci­o­nar e a cri­ar em­pre­gos. Que os jo­vens não pa­rem de es­tu­dar , nas uni­ver­si­da­des ou nas es­co­las téc­ni­co-pro­fis­si­o­nais. O Es­ta­do já não quer ser o prin­ci­pal em­pre­ga­dor e es­tá a gi­zar po­lí­ti­cas que pos­sam cri­ar um am­bi­en­te que vi­a­bi­li­ze o sur­gi­men­to de mui­tas em­pre­sas pri­va­das em to­do o país. Há mui­tos an­go­la­nos em­pre­en­de­do­res. Que lhes se­jam da­das opor­tu­ni­da­des pa­ra aju­da­rem o país a cres­cer eco­no­mi­ca­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.