O novo ci­clo e o in­ves­ti­men­to na agri­cul­tu­ra

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Eduardo Ma­ga­lhães

Fa­lar so­bre a His­tó­ria de An­go­la é, in­se­pa­ra­vel­men­te, fa­lar so­bre a agri­cul­tu­ra do nos­so país. Ain­da que além-fron­tei­ras o pe­tró­leo e o di­a­man­te, por se­rem mais dis­pu­ta­dos, te­nham fi­ca­do mais co­nhe­ci­dos, a re­la­ção en­tre o sec­tor agrí­co­la e da pe­cuá­ria es­tá in­trin­se­ca­men­te li­ga­da ao po­vo an­go­la­no e o que faz um país é o seu po­vo.

Na sua re­cen­te men­sa­gem à Na­ção o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço fez ques­tão de des­ta­car os tra­ba­lhos que têm si­do fei­tos no sec­tor, so­bre­tu­do com in­cen­ti­vo iné­di­to “por par­te das al­tas ins­tân­ci­as do país”. E não são pa­la­vras ao ven­to. O sal­to de 0,4 pa­ra 1,6 por cen­to nos in­ves­ti­men­tos des­ti­na­dos ao sec­tor agrí­co­la é um cla­ro avan­ço e, li­te­ral­men­te, da­rá bons fru­tos co­mo re­sul­ta­do des­te es­for­ço que é de to­dos.

A pro­du­ção agrí­co­la e pe­cuá­ria é par­te im­por­tan­te da po­lí­ti­ca de di­ver­si­fi­ca­ção da economia, de­fen­di­da com mui­to em­pe­nho pe­lo ac­tu­al Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, so­bre­tu­do por­que é am­pla, exi­ge uma qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal de me­nor ní­vel de pre­pa­ra­ção teó­ri­ca pa­ra a mai­o­ria es­ma­ga­do­ra dos tra­ba­lha­do­res e pro­duz ali­men­to, tan­to pa­ra o con­su­mo in­ter­no, co­mo pa­ra a ex­por­ta­ção. Es­ta ca­deia na­tu­ral abar­ca boa par­te dos com­pro­mis­sos de cam­pa­nha, trans­for­man­do - en­tre outras coi­sas - as pro­mes­sas de em­pre­go e com­ba­te à fo­me em ac­ções con­cre­tas.

En­tre as po­lí­ti­cas de­fen­di­das pe­lo Exe­cu­ti­vo e do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal 2018 - 2022, as ac­ções do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas são um pas­so pa­ra a re­gu­la­ção das ac­ti­vi­da­des do sec­tor, con­di­ção de fun­da­men­tal im­por­tân­cia na bus­ca de so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas ime­di­a­tos e tam­bém no pla­ne­a­men­to das ex­pec­ta­ti­vas fu­tu­ras. Re­cur­sos hu­ma­nos, pro­gra­mas pro­du­ti­vos, re­gu­la­ção da ex­plo­ra­ção e ex­por­ta­ção da ma­dei­ra, pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes, as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra e téc­ni­ca aos agri­cul­to­res, pre­pa­ra­ção do so­lo, aces­so aos fer­ti­li­zan­tes (com ên­fa­se aos or­gâ­ni­cos), va­ci­nas e es­co­las es­tão na ba­se des­te es­for­ço que tem tu­do pa­ra ter êxi­to.

Ape­nas co­mo um dos exem­plos de im­pac­to ime­di­a­to nes­sa ca­deia do sec­tor e a sua re­la­ção com o nos­so po­vo, te­mos na man­di­o­ca o exem­plo mais ex­pres­si­vo.

Em An­go­la a man­di­o­ca é cul­ti­va­da em to­das as re­giões e faz par­te da cul­tu­ra ali­men­tar do nos­so po­vo. O in­cre­men­to da pro­du­ção da man­di­o­ca é, por­tan­to, uma po­lí­ti­ca do Exe­cu­ti­vo com im­pac­to ime­di­a­to no bol­so e na me­sa dos ci­da­dãos, so­bre­tu­do por­que pas­sa­rá a mo­der­ni­zar a pro­du­ção e co­mo con­sequên­cia pos­si­bi­li­tar o aces­so atra­vés da re­la­ção com a mai­or ofer­ta, in­clu­si­ve atra­vés de Cen­tros de Pro­ces­sa­men­to de Man­di­o­ca.

A con­sequên­cia ime­di­a­ta de to­das es­sas ac­ções na re­la­ção en­tre o Go­ver­no e a so­ci­e­da­de far-se-á sen­tir na Agri­cul­tu­ra Fa­mi­li­ar, pois es­te mo­de­lo de cul­ti­vo re­pre­sen­ta uma per­cen­ta­gem sig­ni­fi­ca­ti­va da pro­du­ção agrá­ria do país e jus­ti­fi­ca o es­ta­tu­to de “pri­o­ri­tá­ria” que pas­sou a ter a par­tir da no­va go­ver­na­ção. As po­lí­ti­cas pú­bli­cas pre­vis­tas pa­ra o sec­tor con­tem­plam na to­ta­li­da­de as ne­ces­si­da­des de in­ves­ti­men­to no cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos.

O ca­fé e a agri­cul­tu­ra co­mer­ci­al tam­bém es­tão no cen­tro dos in­ves­ti­men­tos do Exe­cu­ti­vo e já ac­ci­o­nam ime­di­a­ta­men­te ou­tra con­sequên­cia na­tu­ral dos re­sul­ta­dos es­pe­ra­dos, o es­co­a­men­to de mer­ca­do­ri­as. A cons­tru­ção de es­tra­das e ma­nu­ten­ção da­que­las já exis­ten­tes tam­bém es­ta­rão no pla­no de ac­ções e da­rão res­pos­ta às de­man­das exis­ten­tes e tam­bém àque­las que es­tão por vir.

O sec­tor da agri­cul­tu­ra é um au­tên­ti­co es­ti­mu­la­dor do de­sen­vol­vi­men­to de ou­tros sec­to­res eco­nó­mi­cos, pois - a par­tir dos ex­ce­den­tes que ne­ces­sa­ri­a­men­te de­vem ser trans­for­ma­dos e co­mer­ci­a­li­za­dos - é uma es­pé­cie de guar­da-chu­va que es­ta­be­le­ce e es­ti­mu­la uma per­ma­nen­te re­la­ção de com­ple­men­ta­ri­da­de, não ape­nas en­tre os mais di­fe­ren­tes sec­to­res, mas tam­bém na vas­ta di­ver­si­fi­ca­ção de ca­da um des­tes sec­to­res.

Es­ta ver­da­dei­ra trans­for­ma­ção é uma da­que­las que de­ve­mos en­ten­der co­mo “di­ver­si­fi­ca­ção da economia” em An­go­la, pois é fun­da­men­ta­da nu­ma per­ma­nen­te re­la­ção de com­ple­men­ta­ri­da­de que con­ver­ge pa­ra o ga­nho do Es­ta­do e dos ci­da­dãos. Pa­ra além dis­so, é ine­gá­vel que se­ja van­ta­jo­sa tam­bém pa­ra os par­cei­ros e in­ves­ti­do­res que se­jam par­tí­ci­pes des­ta ne­ces­sá­ria cons­tru­ção de uma no­va re­a­li­da­de no nos­so país.

A cons­tru­ção de es­tra­das e ma­nu­ten­ção da­que­las já exis­ten­tes tam­bém es­ta­rão no pla­no de ac­ções e da­rão res­pos­ta às de­man­das exis­ten­tes e tam­bém àque­las que es­tão por vir

* Di­rec­tor Na­ci­o­nal de Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal. A sua opi­nião não en­ga­ja o Mi­nis­té­rio da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.