Tri­bu­nal ne­ga pe­di­do de li­ber­ta­ção de To­más

Equi­pa de de­fe­sa diz no­tar uma ten­dên­cia de vi­o­la­ção de di­rei­tos, mas o Tri­bu­nal in­de­fe­riu o pe­di­do ale­gan­do que a me­di­da de co­ac­ção já ti­nha si­do re­vis­ta no des­pa­cho de pro­nún­cia

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - João Di­as

O Tri­bu­nal Su­pre­mo ne­gou on­tem o pe­di­do pa­ra o ex-mi­nis­tro dos Transporte­s, Au­gus­to To­más, res­pon­der ao jul­ga­men­to em li­ber­da­de. Au­gus­to To­más, que es­tá em pri­são pre­ven­ti­va des­de Se­tem­bro do ano pas­sa­do, res­pon­de em tri­bu­nal por ale­ga­dos des­vi­os de fun­dos do Conselho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res (CNC).

O Tri­bu­nal Su­pre­mo ne­gou o pe­di­do dos ad­vo­ga­dos do ex-mi­nis­tro dos Transporte­s, Au­gus­to To­más, pa­ra que es­te con­ti­nue o jul­ga­men­to em li­ber­da­de pro­vi­só­ria. O ex-mi­nis­tro es­tá a ser jul­ga­do por ale­ga­dos des­vi­os dos fun­dos do Conselho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res (CNC).

A al­te­ra­ção da me­di­da de co­a­ção foi so­li­ci­ta­da pe­la de­fe­sa do réu que sus­ten­tou es­tar a no­tar uma ten­dên­cia de vi­o­la­ção de di­rei­tos fun­da­men­tais. O pri­mei­ro pe­di­do ti­nha si­do re­que­ri­do a 21 de Mar­ço. De lá pa­ra cá, já pas­sa­ram 60 di­as. Se­gun­do a equi­pa de ad­vo­ga­dos, a pri­são pre­ven­ti­va de Au­gus­to To­más tem si­do jus­ti­fi­ca­da pe­lo tri­bu­nal com o fac­to de ter uma vi­da eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra con­for­tá­vel que lhe per­mi­ti­ria a fu­ga, mas os cau­sí­di­cos ape­lam ao prin­ci­pio da igual­da­de.

On­tem, an­tes da re­a­ber­tu­ra da ses­são de au­di­ên­cia e jul­ga­men­to, os ad­vo­ga­dos pe­di­ram, nu­ma ques­tão pré­via, que se­ja re­a­va­li­a­da a me­di­da de co­ac­ção apli­ca­da pa­ra uma ou­tra me­nos gra­vo­sa, de­sig­na­da­men­te ter­mo de iden­ti­da­de e re­si­dên­cia ou in­ter­di­ção de saí­da do país. A de­fe­sa sus­ten­ta o pe­di­do com o fac­to de to­dos os ar­gui­dos es­ta­rem a res­pon­der em li­ber­da­de, com ex­cep­ção de Au­gus­to To­más.

No des­pa­cho, o juiz in­de­fe­riu o pe­di­do, man­ten­do a pri­são pre­ven­ti­va de Au­gus­to To­más, jus­ti­fi­can­do que a me­di­da de co­ac­ção foi re­vis­ta no des­pa­cho de pro­nún­cia de­fi­ni­ti­vo, pro­fe­ri­do do dia 19 de Maio. “Ain­da não de­cor­re­ram dois me­ses pa­ra al­te­ra­ção da me­di­da de co­ac­ção”, lem­brou o ma­gis­tra­do, pa­ra mais adi­an­te or­de­nar: “Man­te­nha-se o réu em pri­são pre­ven­ti­va”!

Ain­da nas ques­tões pré­vi­as, os ad­vo­ga­dos de Rui Moi­ta e Manuel An­tó­nio Paulo pe­di­ram al­te­ra­ção à me­di­da de co­ac­ção, pri­são do­mi­ci­liá­ria, pa­ra uma me­nos gra­vo­sa, por ra­zões de saú­de. Há di­as, o réu Rui Moi­ta te­rá pas­sa­do mal em ple­no tri­bu­nal e nu­ma se­gun­da vez na pró­pria re­si­dên­cia.

O Tri­bu­nal de­fe­riu os pe­di­dos. Re­la­ti­va­men­te a Manuel An­tó­nio Paulo, ten­do em con­ta os do­cu­men­tos apre­sen­ta­dos, o Tri­bu­nal con­fir­mou que o réu, de 69 anos, ca­re­ce de as­sis­tên­cia mé­di­ca de­vi­da. Por is­so, con­cluiu, tem de ter li­ber­da­de de ir e vir do hos­pi­tal, sem­pre que se ve­ri­fi­quem si­tu­a­ções de emer­gên­cia. O Tri­bu­nal jus­ti­fi­cou igual­men­te a li­ber­da­de pro­vi­só­ria do réu com a ne­ces­si­da­de de con­so­li­dar a di­e­ta e de fa­zer ca­mi­nha­das.

Com efei­to, a Manuel An­tó­nio Paulo pas­sa a ser apli­ca­da a me­di­da de ter­mo de iden­ti­da­de e re­si­dên­cia e de­ve fa­zer-se pre­sen­te no car­tó­rio do Tri­bu­nal Su­pre­mo quin­ze­nal­men­te, além da in­ter­di­ção de saí­da do país sem au­to­ri­za­ção do tri­bu­nal.

Con­tas de Au­gus­to To­más blo­que­a­das

A ses­são de on­tem foi mar­ca­da por re­ve­la­ções dra­má­ti­cas do réu Au­gus­to da Sil­va To­más, se­gun­do as qu­ais tem to­das as con­tas blo­que­a­das e que, en­quan­to pro­ve­dor de sus­ten­to de to­da a fa­mí­lia, de­sig­na­da­men­te dos 14 fi­lhos, pais oc­to­ge­ná­ri­os, so­bri­nhos ór­fãos, não tem co­mo fa­zer, pois não be­ne­fi­cia de sa­lá­rio quer da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, quer do Mi­nis­té­rio dos Transporte­s.

Ape­sar de ter re­que­ri­do o “des­blo­queio dos seus bens” à DNIAP e ao Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da e de ter apre­sen­ta­do jun­to da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca a sua de­cla­ra­ção de bens, a si­tu­a­ção con­ti­nua es­ta­ci­o­ná­ria.

Ins­ta­do pe­la de­fe­sa so­bre as par­ti­ci­pa­ções do Conselho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res no BNI e na So­ci­e­da­de HFA, Au­gus­to To­más su­bli­nhou des­co­nhe­cer a ques­tão, pois na al­tu­ra em que re­ce­beu as pas­tas do seu an­te­ces­sor não cons­tou um dos­si­er so­bre o as­sun­to.

Re­la­ti­va­men­te à au­to­ri­za­ção da par­ti­ci­pa­ção do CMC e Uni­car­gas na so­ci­e­da­de SIGMA e ASGM so­bre a ins­ta­la­ção de uma mon­ta­do­ra de au­to­mó­veis li­gei­ros e au­to­car­ros no país, o réu res­pon­deu afir­ma­ti­va­men­te, lem­bran­do que ti­nha si­do so­li­ci­ta­do por Is­ma­el Di­o­go, um dos ac­ci­o­nis­tas da SunIn­ves­te pa­ra o efei­to, num mo­men­to em que o país pre­ten­dia re­du­zir as im­por­ta­ções e pro­mo­ver as ex­por­ta­ções.

Po­rém, Au­gus­to To­más lem­brou que a so­ci­e­da­de te­rá im­por­ta­do 100 au­to­car­ros. Des­tes, con­fir­ma ter man­da­do en­tre­gar 53 à TCUL, quan­do a SIGMA que ti­nha im­por­ta­do, pre­ten­dia ape­nas be­ne­fi­ci­ar a SGO e a Trans­gol, mes­mo quan­do o CNC era ac­ci­o­nis­ta.

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co acu­sa Au­gus­to To­más de apro­pri­a­ção ilí­ci­ta de mais de 1,4 mil mi­lhões de kwan­zas, de 40 mi­lhões de dó­la­res e de 13 mi­lhões de eu­ros do CNC.

“Ain­da não de­cor­re­ram dois me­ses pa­ra a al­te­ra­ção da me­di­da de co­ac­ção”, lem­brou o ma­gis­tra­do, pa­ra mais adi­an­te or­de­nar: “man­te­nha-se o réu em pri­são”

PAULO MULAZA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Jul­ga­men­to de­cor­re na Câ­ma­ra Cri­mi­nal do Su­pre­mo, que fun­ci­o­na no Pa­lá­cio de Jus­ti­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.