Juiz con­tra a in­di­ca­ção de ma­ri­o­ne­tes na Jus­ti­ça

Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no re­ce­beu on­tem, em au­di­ên­cia, uma de­le­ga­ção da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca, che­fi­a­da pe­lo pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção, Mogoeng Mogoeng, à mar­gem do con­gres­so de­cor­ri­do em Lu­an­da

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Fon­se­ca Ben­gui e Ed­na Da­la

Áfri­ca de­ve dei­xar a ten­dên­cia de co­lo­car, no sec­tor ju­di­ciá­rio, ma­ri­o­ne­tes, pa­ra ser­vir in­te­res­ses de pes­so­as ou gru­pos, de­fen­deu on­tem, em Lu­an­da,o pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca, o sul-afri­ca­no Mogoeng Mogoeng. “A jus­ti­ça de­ve tra­ba­lhar pa­ra que, in­de­pen­den­te­men­te de quem se tra­ta, se­ja uma pes­soa po­de­ro­sa ou ri­ca, a jus­ti­ça pre­va­le­ça em igual­da­de de cir­cuns­tân­ci­as pa­ra to­dos”. dis­se o juiz.

Áfri­ca de­ve dei­xar a ten­dên­cia de co­lo­car, no sec­tor ju­di­ciá­rio, ma­ri­o­ne­tes, pa­ra ser­vir in­te­res­ses de ou­tras pes­so­as, de­fen­deu on­tem o pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca, o sul-afri­ca­no Mogoeng Mogoeng.

“A jus­ti­ça de­ve tra­ba­lhar pa­ra que, in­de­pen­den­te­men­te de quem se tra­ta, se­ja uma pes­soa po­de­ro­sa ou ri­ca, a jus­ti­ça e o cons­ti­tu­ci­o­na­lis­mo de­vem pre­va­le­cer, em igual­da­de de cir­cuns­tân­ci­as pa­ra to­dos”, dis­se à im­pren­sa o tam­bém pre­si­den­te do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal da Áfri­ca do Sul, à saí­da da au­di­ên­cia que o Che­fe de Es­ta­do con­ce­deu a uma de­le­ga­ção da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca.

Se­gun­do o ma­gis­tra­do su­la­fri­ca­no, ci­tan­do o Pre­si­den­te da Ni­gé­ria, Muham­ma­du Buha­ri, “o com­ba­te à cor­rup­ção só se­rá pos­sí­vel quan­do o sec­tor ju­di­ciá­rio em Áfri­ca des­fru­tar de uma in­de­pen­dên­cia to­tal”.

Mogoeng Mogoeng rei­te­rou a ideia que de­fen­deu na aber­tu­ra do V Con­gres­so da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca de que o con­ti­nen­te nun­ca vai re­cu­pe­rar a gló­ria per­di­da en­quan­to con­ti­nu­ar a ter um sec­tor ju­di­ciá­rio ma­ni­pu­lá­vel pe­lo po­der e pe­lo di­nhei­ro.

“Áfri­ca pre­ci­sa de um sec­tor ju­di­ciá­rio ca­da vez mais for­te, que re­ce­ba o res­pei­to que lhe é de­vi­do, por­que é o ter­cei­ro ra­mo do po­der do Es­ta­do”, dis­se o ma­gis­tra­do, que vai pas­sar a pre­si­dên­cia da or­ga­ni­za­ção a An­go­la.

A jus­ti­ça não é um po­der me­nor, in­sis­tiu Mogoeng Mogoeng, sa­li­en­tan­do que o Exe­cu­ti­vo e o Le­gis­la­ti­vo de­vem en­ten­der o pa­pel cru­ci­al do sec­tor ju­di­ciá­rio e o seu es­ta­tu­to no âm­bi­to da se­pa­ra­ção de po­de­res.

“O ju­di­ciá­rio não é um ra­mo do Es­ta­do de me­nor im­por­tân­cia, mas sim um ra­mo que de­ve des­fru­tar de to­tal in­de­pen­dên­cia”, re­fe­riu o ma­gis­tra­do sul-afri­ca­no, ape­lan­do pa­ra que as pes­so­as in­di­ca­das pa­ra o ju­di­ciá­rio te­nham as com­pe­tên­ci­as e a in­te­gri­da­de que é exi­gi­da pa­ra o car­go. Se não fi­zer­mos is­so, sa­li­en­tou, nun­ca con­se­gui­re­mos al­can­çar aqui­lo que pre­ten­de­mos, que é a igual­da­de en­tre os três po­de­res do Es­ta­do.

A de­le­ga­ção agra­de­ceu ao Pre­si­den­te João Lourenço pe­las con­di­ções cri­a­das pa­ra o su­ces­so do V Con­gres­so da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca, que de­cor­reu até on­tem em Lu­an­da.

Além do ma­gis­tra­do su­la­fri­ca­no, es­ti­ve­ram na au­di­ên­cia os pre­si­den­tes das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais do Bur­ki­na Fa­so, Kam­bou Kas­soum, Zim­babwe, Lu­ke Ma­la­ba, Mar­ro­cos, Said Ih­rai, Ma­da­gás­car, Je­an Ra­ko­to­a­ri­soa, da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, Da­ni­el­le Dar­lan, e Sey­chel­les, Mathil­da Two­mey.

O en­con­tro de Lu­an­da de­cor­reu sob o le­ma “Os Tri­bu­nais/Con­se­lhos Cons­ti­tu­ci­o­nais co­mo ga­ran­tes da Cons­ti­tui­ção e dos Di­rei­tos e Li­ber­da­des Fun­da­men­tais”.

Po­der ab­so­lu­to re­pre­sen­ta ame­a­ça

O juiz pre­si­den­te do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal da Tur­quia, Zuh­tu Ars­lan, fri­sou que o po­der ab­so­lu­to tem si­do uma gran­de ame­a­ça pa­ra a pro­tec­ção de di­rei­tos hu­ma­nos bá­si­cos por­que os tri­bu­nais ou con­se­lhos cons­ti­tu­ci­o­nais de­sem­pe­nham um pa­pel de con­cer­ta­ção na for­ma­ção do po­der po­lí­ti­co. Zuh­tu Ars­lan, que fa­la­va na qua­li­da­de de ob­ser­va­dor da CJCA, su­bli­nhou que é pre­ci­so cum­prir o prin­cí­pio do Es­ta­do de Di­rei­to e pro­te­ger os Di­rei­tos Hu­ma­nos bá­si­cos, nu­ma al­tu­ra em que, dis­se, o ter­ro­ris­mo e a vi­o­lên­cia ocu­pam um es­pa­ço mui­to gran­de nas so­ci­e­da­des.

O ma­gis­tra­do tur­co apon­tou ques­tões de se­gu­ran­ça co­mo um dos gran­des de­sa­fi­os pa­ra os juí­zes, que pas­sa pe­la pre­ser­va­ção e pro­tec­ção dos di­rei­tos bá­si­cos sem pôr em cau­sa ques­tões de se­gu­ran­ça.

Zuh­tu Ars­lan dis­se ain­da ser ne­ces­sá­rio mais co­o­pe­ra­ção e in­ter­câm­bio de ex­pe­ri­ên­ci­as mú­tu­as en­tre os po­vos, com vis­ta a en­con­trar me­lho­res me­ca­nis­mos de con­ci­li­ar as ne­ces­si­da­des de se­gu­ran­ça com a pro­tec­ção de di­rei­tos e li­ber­da­des.

Zuh­tu Ars­lan re­co­nhe­ceu que é di­fí­cil pro­te­ger os di­rei­tos hu­ma­nos num mun­do de guer­ras, in­jus­ti­ça e vi­o­lên­cia e ten­ta­ção de po­der. De­fen­deu que os juí­zes mu­dem de men­ta­li­da­de pa­ra li­dar com os de­sa­fi­os que lhes são apre­sen­ta­dos.

Du­ran­te o en­con­tro que reu­niu 41 tri­bu­nais, con­se­lhos cons­ti­tu­ci­o­nais e tri­bu­nais su­pre­mos afri­ca­nos, fo­ram ho­me­na­ge­a­dos os an­te­ri­o­res pre­si­den­tes da CJCA e, a tí­tu­lo pós­tu­mo, o an­ti­go pre­si­den­te do conselho cons­ti­tu­ci­o­nal da Ar­gé­lia, Mou­rad Me­del­ci.

Os juí­zes apro­va­ram a can­di­da­tu­ra de Mar­ro­cos pa­ra or­ga­ni­zar o pró­xi­mo con­gres­so da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca, que acon­te­ce em 2021.

On­tem, foi apre­ci­a­do e adop­ta­do o re­la­tó­rio mo­ral e fi­nan­cei­ro, no­vas ade­sões, pro­gra­ma de ac­ti­vi­da­des e o or­ça­men­to du­ran­te o man­da­to de An­go­la, que acon­te­ce no pe­río­do 2019-2021. O vi­ce-pre­si­den­te do Conselho Cons­ti­tu­ci­o­nal do Se­ne­gal foi elei­to se­cre­tá­rio-ge­ral da CJCA, bem co­mo um bu­re­au exe­cu­ti­vo com­pos­to por An­go­la, Ar­gé­lia, Mar­ro­cos, Etió­pia, Ma­li, Áfri­ca do Sul, Ca­ma­rões, Sey­chel­les, Egip­to, Qué­nia e Zim­babwe.

Na qua­li­da­de de ob­ser­va­do­res, par­ti­ci­pa­ram ain­da do en­con­tro re­pre­sen­tan­tes dos tri­bu­nais cons­ti­tu­ci­o­nais do Bra­sil, Rús­sia e Tur­quia, re­pre­sen­tan­tes da União Afri­ca­na en­tre ou­tras en­ti­da­des que fi­ze­ram um to­tal de 124 par­ti­ci­pan­tes.

O com­ba­te à cor­rup­ção só se­rá pos­sí­vel quan­do o sec­tor ju­di­ciá­rio em Áfri­ca des­fru­tar de uma in­de­pen­dên­cia to­tal

MO­TA AMBRÓSIO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Pre­si­den­tes das Ju­ris­di­ções ou Con­se­lhos Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca fo­ram re­ce­bi­dos on­tem pe­lo Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.