An­go­la pre­si­de à Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Ed­na Da­la

Os juí­zes dos tri­bu­nais cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca as­su­mi­ram on­tem, em Lu­an­da, o com­pro­mis­so da cons­tru­ção de uma jus­ti­ça cons­ti­tu­ci­o­nal com vis­ta a ga­ran­tir os di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais dos po­vos.

A ga­ran­tia foi ma­ni­fes­ta­da pe­lo juiz pre­si­den­te do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de An­go­la, Manuel Ara­gão, de­pois de as­su­mir a pre­si­dên­cia da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca (CJCA) pa­ra um man­da­to de dois anos. O ma­gis­tra­do, que fa­la­va na ses­são de en­cer­ra­men­to do V Con­gres­so da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca, de­fen­deu, igual­men­te, a ne­ces­si­da­de da con­tí­nua pro­mo­ção e con­so­li­da­ção das ins­ti­tui­ções e da cul­tu­ra de­mo­crá­ti­ca e in­de­pen­dên­cia dos juí­zes sob o pri­ma­do da lei.

Manuel Ara­gão afir­mou que a co­la­bo­ra­ção com a União Afri­ca­na não co­nhe­ce­rá li­mi­tes, re­for­çan­do, na mes­ma sen­da, que a co­o­pe­ra­ção com a Co­mis­são de Ve­ne­za do Conselho da Eu­ro­pa e or­ga­ni­za­ções si­mi­la­res vai con­ti­nu­ar ca­da vez mais es­trei­ta.

O juiz pre­si­den­te do TC lem­brou aos par­ti­ci­pan­tes da Con­fe­rên­cia que a jus­ti­ça cons­ti­tu­ci­o­nal é ho­je o ga­ran­te da paz so­ci­al e pro­gres­so em An­go­la. “Que­re­mos con­ti­nu­ar a dar im­por­tân­cia às ins­ti­tui­ções que ga­ran­tam o Es­ta­do de Di­rei­to, a de­mo­cra­cia, a li­ber­da­de e os di­rei­tos fun­da­men­tais”, dis­se.

Pa­ra dar cor­po aos ob­jec­ti­vos da CJCA, o ma­gis­tra­do an­go­la­no dis­se ser im­por­tan­te re­for­çar a co­o­pe­ra­ção, cri­an­do si­ner­gi­as ca­da vez mais for­tes pa­ra fi­xar as con­di­ções que vi­sam o pro­gres­so do con­ti­nen­te.

O pre­si­den­te ces­san­te da Con­fe­rên­cia, Mogoeng Mogoeng, que fa­la­va an­tes da en­tre­ga ofi­ci­al da ban­dei­ra da CJCA ao pre­si­den­te do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de An­go­la, su­bli­nhou que nin­guém quer in­ves­tir num país on­de o sis­te­ma ju­di­ci­al se­ja de in­de­pen­dên­cia ques­ti­o­ná­vel ou de de­pen­dên­cia.

Propôs aos mem­bros da CJCA a tra­ze­rem em dis­cus­são te­mas que ain­da não fo­ram abor­da­dos, o que, em seu en­ten­der, não é res­pon­sa­bi­li­da­de ex­clu­si­va dos mem­bros do bu­re­au exe­cu­ti­vo, mas de to­dos co­mo mem­bros da Con­fe­rên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.