“Pro­te­ger a cri­an­ça é obri­ga­ção de to­dos”

O di­rec­tor-ge­ral do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC), Paulo kalesi, afir­ma, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, que pro­te­ger a cri­an­ça do tra­ba­lho in­fan­til é obri­ga­ção de to­dos. A co­me­çar pe­las fa­mí­li­as. Por­que pro­te­ger a cri­an­ça é ga­ran­tir o fu­tu­ro. U

Jornal de Angola - - ENTREVISTA - Ya­ra Si­mão

O que le­va as cri­an­ças a se­rem sub­me­ti­das ao tra­ba­lho in­fan­til?

Em An­go­la as cri­an­ças exer­cem ac­ti­vi­da­des for­ça­das e as prin­ci­pais cau­sas são a de­ses­tru­tu­ra­ção fa­mi­li­ar, po­bre­za e a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca de que mui­tas de­las são ví­ti­mas, além do con­su­mo ex­ces­si­vo de ál­co­ol por par­te dos pro­ge­ni­to­res. No país, o tra­ba­lho for­ça­do é exer­ci­do por me­no­res com ida­des que va­ri­am en­tre os 10 e 17 anos.

Quan­tas cri­an­ças es­tão nes­ta si­tu­a­ção?

No ano pas­sa­do, ti­ve­mos um re­gis­to em to­do o país que apon­ta­va pa­ra 395 cri­an­ças nes­ta con­di­ção, en­tre ra­pa­zes e ra­pa­ri­gas. Es­te ano, de Ja­nei­ro a Maio, já es­ta­mos com 173. O que es­pe­rá­va­mos é que os ca­sos fos­sem di­mi­nuir ao in­vés de cres­cer. Pa­ra que se dê um tra­vão no tra­ba­lho in­fan­til pre­ci­sá­mos to­dos de sen­si­bi­li­zar as fa­mí­li­as que sub­me­ter a cri­an­ça a tra­ba­lhos for­ça­dos não só é mau pa­ra o seu fu­tu­ro, co­mo do pró­prio país, que se ve­rá sem os qua­dros ne­ces­sá­ri­os pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to.

A si­tu­a­ção ain­da não é pre­o­cu­pan­te?

Há dois anos ti­ve­mos um número con­si­de­rá­vel de cri­an­ças a tra­ba­lhar em fa­zen­das agrí­co­las, na ex­plo­ra­ção de iner­tes e na pro­du­ção de blo­cos. Ho­je, os nú­me­ros di­mi­nuí­ram. Con­se­gui­mos mu­dar a cons­ci­ên­cia de al­guns adul­tos, mas te­mos de re­co­nhe­cer que ain­da há mui­to por se fa­zer. No ano pas­sa­do foi ela­bo­ra­do o Pla­no Na­ci­o­nal de Com­ba­te ao Tra­ba­lho In­fan­til, que a ní­vel téc­ni­co já foi va­li­da­do e re­me­ti­do aos ór­gãos de di­rei­to pa­ra a sua apro­va­ção. Só com a apro­va­ção do pla­no va­mos po­der com­ba­ter es­se mal.

Em que sec­to­res as cri­an­ças es­tão mais ex­pos­tas a tra­ba­lhos for­ça­dos?

No sec­tor in­for­mal é on­de es­tá o gran­de pro­ble­ma. Os me­no­res são usa­dos por adul­tos, prin­ci­pal­men­te mu­lhe­res, pa­ra car­re­ga­rem com­pras, pa­ra vender bo­li­nhos na zun­ga, acar­re­tar água em pré­di­os e até pa­ra vender pro­du­tos tó­xi­cos e proi­bi­dos, que põem em ris­co a sua saú­de.

O MAPTSS tem fei­to um gran­de tra­ba­lho no sen­ti­do de se dar so­lu­ção à si­tu­a­ção em con­jun­to com ou­tros ór­gãos da so­ci­e­da­de, por­que es­te pro­ble­ma não acon­te­ce só no sec­tor in­for­mal da eco­no­mia.

Há cri­an­ças que fi­cam em por­tas de su­per­mer­ca­dos e de ou­tros es­ta­be­le­ci­men­tos de gran­de con­cen­tra­ção de pes­so­as pa­ra pe­dir di­nhei­ro. Es­ses ac­tos tam­bém po­dem ser con­si­de­ra­dos tra­ba­lho for­ça­do, já que por de­trás dis­so po­dem ter co­mo man­dan­tes os pais?

Nes­ses ca­sos es­ta­mos a fa­lar de cri­an­ças en­vol­vi­das na men­di­ci­da­de. Nós te­mos acom­pa­nha­do a in­ten­ção dos adul­tos que es­tão na gé­ne­se dis­so. Te­mos acom­pa­nha­do as se­nho­ras que pe­dem es­mo­las no Lar­go Pri­mei­ro de Maio e des­co­bri­mos que nem to­das

são vul­ne­rá­veis. Elas vi­vem em Vi­a­na e che­gam ce­do às ime­di­a­ções do Ins­ti­tu­to Mé­dio de Lu­an­da (IMEL), tro­cam de rou­pa, co­lo­cam as cri­an­ças às cos­tas e ou­tras até ves­tem rou­pas su­jas aos fi­lhos e co­me­çam a te­a­tra­li­zar o dra­ma de­las.

O que têm fei­to pa­ra im­pe­di-las?

Quan­do as in­ter­pe­la­mos de for­ma iden­ti­fi­ca­da, nos com­pro­me­ten­do em aju­dar, elas fo­gem. É só pa­ra per­ce­be­rem que exis­te um apro­vei­ta­men­to da ima­gem da cri­an­ça so­fri­da pa­ra po­de­rem ob­ter ga­nhos. To­das as fa­mí­li­as que pro­ce­dem des­ta for­ma es­tão a in­cor­rer em er­ro e a cri­ar da­nos à cri­an­ça. Se de fac­to pre­ci­sam de apoio, de­vem re­cor­rer à re­par­ti­ção mu­ni­ci­pal da Ac­ção So­ci­al, on­de vão ser ca­das­tra­das e apoi­a­das.

Mas es­sa si­tu­a­ção não ex­põe as cri­an­ças a ris­cos?

Es­sas cri­an­ças uti­li­za­das nas ru­as es­tão vul­ne­rá­veis a pra­gas, a se­rem abu­sa­das fí­si­ca e se­xu­al­men­te, es­tão ex­pos­tas até mes­mo ao rap­to. Tem ha­vi­do to­tal ir­res­pon­sa­bi­li­da­de da par­te dos pais, que quan­do os seus pla­nos dão er­ra­do vão à Po­lí­cia cho­rar, por­que os fi­lhos de­sa­pa­re­ce­ram.

Qu­al tem si­do a ac­tu­a­ção do INAC pa­ra re­ver­ter a si­tu­a­ção a fa­vor da cri­an­ça?

A prin­ci­pal ar­ma con­tra o tra­ba­lho in­fan­til é a in­ten­sa sen­si­bi­li­za­ção ci­vil con­tra a ex­plo­ra­ção das cri­an­ças e ado­les­cen­tes, que cons­ti­tui uma gra­ve vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos fun­da­men­tais.

Pre­ci­sa­mos as­su­mir o com­pro­mis­so de não co­lo­car a cri­an­ça em si­tu­a­ção de ris­co, nem num con­tex­to de ex­tre­ma vul­ne­ra­bi­li­da­de e po­bre­za. Pre­ci­sa­mos de es­tar con­ven­ci­dos que a res­pon­sa­bi­li­da­de da pro­tec­ção da cri­an­ça é de to­dos nós. Não po­de­mos pro­te­ger os nos­sos fi­lhos e os dos ou­tros ex­plo­rá­los em fa­zen­das agrí­co­las, em obras de cons­tru­ção ou em ne­gó­ci­os ilícitos. Is­to cons­ti­tui cri­me con­tra os me­no­res, que de­vi­do aos maus tra­tos a que são sub­me­ti­dos no tra­ba­lho for­ça­do os tor­na agres­si­vos e pe­ri­go­sos.

Os ex­plo­ra­do­res são cri­mi­na­li­za­dos?

Es­ta­mos a tra­ba­lhar nes­te sen­ti­do. Ur­ge a ne­ces­si­da­de de ha­ver me­di­das de res­pon­sa­bi­li­za­ção cri­mi­nal dos pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção que en­vol­vem os fi­lhos em tra­ba­lho in­fan­til ex­plo­ra­tó­rio e, por ou­tro la­do, é ne­ces­sá­rio que se fa­ça um tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção jun­to das fa­mí­li­as pa­ra a mu­dan­ça de ati­tu­des.

A on­da de vi­o­lên­cia nas co­mu­ni­da­des é ca­da vez mai­or. To­dos

os di­as são re­por­ta­das si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia que en­vol­vem cri­an­ças. Qu­al é a re­fle­xão que faz so­bre o fe­nó­me­no?

Os ca­sos de vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça não são alar­man­tes, mas pre­o­cu­pan­tes, uma vez que te­mos vin­do a re­gis­tar um número con­si­de­rá­vel de de­nún­ci­as. No ano de 2018 re­gis­ta­mos mais de 4 mil ca­sos. Es­te ano, só no pri­mei­ro tri­mes­tre, ti­ve­mos mais de mil ca­sos e nes­te se­gun­do se­mes­tre mais de dois mil ca­sos. Os nú­me­ros as­sus­tam. Mas são os que o INAC re­gis­tou. Te­mos cons­ci­ên­cia de que exis­tem vá­ri­os ca­sos que não che­ga­ram ao co­nhe­ci­men­to dos nos­sos ser­vi­ços, a ní­vel de ca­da uma das 18 pro­vín­ci­as do país.

Es­ses nú­me­ros não lhe di­zem na­da?

A di­vul­ga­ção de mui­tos ca­sos de vi­o­lên­cia não sig­ni­fi­ca que os ca­sos te­nham au­men­ta­do. O que acon­te­ce é que o tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção, pa­les­tras nas es­co­las e ou­tras ins­ti­tui­ções tem con­tri­buí­do pa­ra que as pes­so­as ga­nhem cons­ci­ên­cia e de­nun­ci­em mais. Ho­je re­ce­be­mos de­nún­ci­as até mes­mo das

pró­pri­as cri­an­ças, dos vi­zi­nhos e dos pró­pri­os mem­bros da fa­mí­lia.

Que res­pos­tas o Ins­ti­tu­to tem da­do às de­nún­ci­as que lhe che­gam?

A so­ci­e­da­de tem no­ta­do a res­pos­ta das ins­ti­tui­ções de di­rei­to. Ho­je as pes­so­as es­tão sa­tis­fei­tas ao acom­pa­nhar o re­sul­ta­do das su­as de­nún­ci­as. Acha­mos que a men­sa­gem que te­mos vin­do a pas­sar dos ca­sos tem sur­ti­do efei­to. Se não o fi­zer­mos, cor­re­mos o ris­co de per­mi­tir que os agres­so­res con­ti­nu­em a fa­zer das su­as, as cri­an­ças abu­sa­das não te­rão di­rei­to ao acom­pa­nha­men­to mé­di­co e psi­co­ló­gi­co e po­dem vir a tor­nar-se fu­tu­ros agres­so­res.

O número de cri­an­ças abu­sa­das se­xu­al­men­te ten­de a cres­cer?

Até Abril, a mé­dia pa­ra to­do o país es­ta­va em mais de 60 ca­sos. O ano pas­sa­do ti­ve­mos 600 ca­sos de abu­so se­xu­al a cri­an­ças, e Lu­an­da li­de­ra­va a lis­ta com 200. Es­te ano, nes­te se­mes­tre, es­ta­mos com 45 re­gis­tos. O número ten­de a bai­xar e, se con­ti­nu­ar­mos as­sim, até fi­nal do ano não te­re­mos nem a me­ta­de do número do ano an­te­ri­or.

Qu­al é a fun­ção do Ins­ti­tu­to em re­la­ção a cri­an­ças em con­fli­to com a Lei?

O INAC tem as su­as atri­bui­ções e ac­ções di­rec­ci­o­na­das pa­ra tra­ba­lhar na pre­ven­ção e acom­pa­nha­men­to das cri­an­ças nes­ta si­tu­a­ção. Mas o fo­co es­tá no Tri­bu­nal de Me­no­res, que não con­se­gue re­a­li­zar as su­as atri­bui­ções

no seu to­do por­que fal­tam al­guns ser­vi­ços. A Lei pre­vê que cri­an­ças com com­por­ta­men­tos des­vi­an­tes, em con­fli­to com a lei, além das vá­ri­as me­di­das que os juí­zes pos­sam apli­car, o úl­ti­mo re­cur­so é o in­ter­na­men­to do me­nor no cen­tro de re­e­du­ca­ção, mas o país não tem es­se cen­tro. Lo­go, os juí­zes são for­ça­dos a de­vol­ver a cri­an­ça à fa­mí­lia.

A fal­ta de cen­tros de re­e­du­ca­ção pe­na­li­za os me­no­res?

Sim. Es­te fac­to tem con­tri­buí­do pa­ra o ín­di­ce de vi­o­lên­cia in­fan­til que se re­gis­ta em to­do o país, por cau­sa da rein­ci­dên­cia que já exis­te na pró­pria cri­an­ça. Mas va­mos tra­ba­lhar pa­ra ga­ran­tir o di­rei­to de re­e­du­ca­ção à cri­an­ça em con­fli­to com a Lei. Há ór­gãos com­pe­ten­tes, co­mo os mi­nis­té­ri­os do In­te­ri­or, da Ac­ção So­ci­al e os Tri­bu­nais, pa­ra que ur­gen­te­men­te se cri­em cen­tros de re­e­du­ca­ção. Só as­sim con­se­gui­re­mos re­cu­pe­rar um número con­si­de­rá­vel de cri­an­ças en­vol­vi­das com o mun­do do cri­me. Ou­tro se­não é a cri­a­ção de tri­bu­nais de Jul­ga­do de Me­no­res nas pro­vín­ci­as. Tu­do pa­ra o bem da cri­an­ça.

As cri­an­ças em con­fli­to com a Lei, na sua mai­o­ria, es­tão evol­vi­das com dro­gas?

Exis­te es­sa ten­dên­cia. Por­que elas pa­ra co­me­te­rem cri­mes es­tão sob o efei­to de al­gu­ma subs­tân­cia. E nós te­mos re­ce­bi­do mui­tas de­nún­ci­as de pais que re­cor­rem ao Ins­ti­tu­to em bus­ca de so­cor­ro pa­ra ti­rar os fi­lhos do mun­do das dro­gas. Apro­vei­to pa­ra di­zer que sem­pre que os pais es­ti­ve­rem a pas­sar por uma si­tu­a­ção des­sas, de­vem de­nun­ci­ar, pa­ra que a cri­an­ça te­nha o de­vi­do acom­pa­nha­men­to.

Co­mo ca­rac­te­ri­za a pro­ble­má­ti­ca do trá­fi­co de cri­an­ças no país?

O pro­ble­ma de rap­to de cri­an­ças não é só de An­go­la, é um fe­nó­me­no glo­bal. Nas con­fe­rên­ci­as e pro­to­co­los em que va­mos par­ti­ci­pan­do e as­si­nan­do, apon­tam-nos que o rap­to as­so­ci­a­do ao trá­fi­co de cri­an­ças é o ter­cei­ro ne­gó­cio ile­gal do mun­do. Em An­go­la, o fe­nó­me­no é ali­men­ta­do pe­la fra­gi­li­da­de e vul­ne­ra­bi­li­da­de de um gran­de número de me­no­res ór­fãos que cir­cu­lam ou atra­ves­sam as fron­tei­ras so­zi­nhas, sem do­cu­men­tos de iden­ti­da­de ou au­to­ri­za­ção es­cri­ta dos pro­ge­ni­to­res ou tu­to­res.

O que mo­ti­va o rap­to em An­go­la?

Ape­sar da ine­xis­tên­cia de da­dos es­pe­cí­fi­cos, acre­di­to que os ca­sos re­ve­la­dos in­di­cam que a ser­vi­dão do­més­ti­ca, tra­ba­lho for­ça­do, ex­plo­ra­ção se­xu­al e o re­cru­ta­men­to pa­ra ac­ti­vi­da­des ilí­ci­tas são as prin­ci­pais mo­ti­va­ções pa­ra o trá­fi­co de me­no­res.

A si­tu­a­ção es­tá con­tro­la­da?

Te­mos vin­do a gi­zar es­tra­té­gi­as pa­ra pre­ve­nir es­tes acon­te­ci­men­tos, que pas­sam pe­la for­ma­ção das ins­ti­tui­ções e das pró­pri­as fa­mí­li­as, por­que o trá­fi­co de pes­so­as é uma bru­tal vi­o­la­ção dos seus di­rei­tos, por­que as cri­an­ças po­dem so­frer abu­sos psi­co­ló­gi­cos e se­xu­ais.

“No ano pas­sa­do foi ela­bo­ra­do o Pla­no Na­ci­o­nal de Com­ba­te ao Tra­ba­lho In­fan­til e ao ní­vel téc­ni­co já foi va­li­da­do. Nes­te mo­men­to já foi re­me­ti­do aos ór­gãos de di­rei­to pa­ra a sua apro­va­ção”.

ALBERTO PE­DRO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.