CAR­TAS DOS LEI­TO­RES

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Re­des so­ci­ais

Es­cre­vo ho­je pa­ra fa­lar so­bre o pa­pel de me­di­dor da pul­sa­ção so­ci­al que es­tá a ser de­sem­pe­nha­do pe­las re­des so­ci­ais, ho­je cla­ra­men­te um ba­ró­me­tro de tu­do um pou­co que ocor­re nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção. Acom­pa­nho as re­des so­ci­ais com al­gum in­te­res­se e no­to que a so­ci­e­da­de an­go­la­na, ca­da vez mais, pa­re­ce in­cli­nar-se fa­vo­ra­vel­men­te pe­la ex­pan­são das li­ber­da­des. No fun­do, as re­des so­ci­ais es­tão a ser­vir de es­ca­pe pa­ra o "de­sa­ba­fo" de mui­ta gen­te, o que re­pre­sen­ta um pro­gres­so mui­to gran­de pa­ra An­go­la. Con­tra­ri­a­men­te ao que mui­tos de­fen­dem, ale­gan­do que há to­da a ne­ces­si­da­de de se aper­tar o cer­co da­que­les que usam as re­des so­ci­ais e nem sem­pre com as me­lho­res mo­ti­va­ções, sou pe­la li­ber­da­de. As li­ber­da­des, os di­rei­tos e as ga­ran­ti­as fun­da­men­tais dos ci­da­dãos de­vem co­nhe­cer um apro­fun­da­men­to e con­tí­nua pro­mo­ção da par­te das pes­so­as e en­ti­da­des com po­der de de­ci­são. É es­cu­sa­do di­zer que das pes­so­as que usam as re­des so­ci­ais es­per-se o res­pei­to e cum­pri­men­to das leis por­que nin­guém, no seu per­fei­to juí­zo, de­fen­de­ria o uso ir­res­pon­sá­vel das re­des so­ci­ais. Nin­guém po­de dar-se ao luxo de usar as re­des so­ci­ais com to­tal des­co­nhe­ci­men­to das im­pli­ca­ções en­vol­vi­das no uso e par­ti­lha de sons, ima­gens e ví­de­os de ter­cei­ros sem a de­vi­da au­to­ri­za­ção. A cul­tu­ra da le­ga­li­da­de de­ve es­tar per­ma­nen­te­men­te pre­sen­te quan­do ace­de­mos a um com­pu­ta­dor pa­ra pos­tar, en­vi­ar, re­en­vi­ar e fa­zer de­mais par­ti­lhas. Co­mo es­pe­lham bem as leis, o des­co­nhe­ci­men­to não isen­ta nin­guém das res­pon­sa­bi­li­da­des em que in­cor­re com a par­ti­lha in­de­vi­da de da­dos, quer se­jam ima­gens, sons ou ví­de­os, vi­o­lan­do di­rei­tos de ter­cei­ros. ARTUR FERNANDES Boavista

Ter­ro­ris­mo no Sa­el

Há di­as, li uma ex­ten­sa re­por­ta­gem no Cour­ri­er In­ter­na­ti­o­nal so­bre o ter­ro­ris­mo que gras­sa no Bur­qui­na Fa­so e fi­quei com­ple­ta­men­te pre­o­cu­pa­do com o seu con­teú­do. Pa­re­ce exis­tir um com­ple­to des­ca­so so­bre o que se es­tá a pas­sar na­que­la zo­na, en­vol­ven­do ter­ri­tó­ri­os do Ma­li, Bur­qui­na Fa­so, Ní­ger, on­de vá­ri­os gru­pos ter­ro­ris­tas e che­fes lo­cais pa­re­cem dis­pu­tar to­dos os mes­mos "es­pa­ços vi­tais". Tra­tan­do­se de ter­ri­tó­ri­os ex­ten­sos, sem pre­sen­ça ad­mi­nis­tra­ti­va do Es­ta­do, fron­tei­ras ex­tre­ma­men­te po­ro­sas, não há dú­vi­das de que em de­ter­mi­na­da par­te do Sa­el co­me­çam a ser cri­a­das con­di­ções pa­ra a im­plan­ta­ção de um no­vo Afe­ga­nis­tão em Áfri­ca. Se­gun­do a re­por­ta­gem da pres­ti­gi­a­da re­vis­ta edi­ta­da em Fran­ça, no Bur­qui­na Fa­so, os ter­ro­ris­tas es­tão a tes­tar, even­tu­al­men­te a ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta das au­to­ri­da­des, com su­ces­si­vos ata­ques, e pa­re­cem con­ven­ce­rem-se de que po­dem con­ti­nu­ar a im­por a sua agen­da. Em de­ter­mi­na­das re­giões do les­te do país, em que as for­ças ar­ma­das e a po­lí­cia não en­tram, são os vá­ri­os gru­pos ter­ro­ris­tas, al­guns fi­li­a­dos da Al-Qa­e­da, Es­ta­do Is­lâ­mi­co e che­fes tri­bais lo­cais, que de­ter­mi­nam o cur­so dos acon­te­ci­men­tos. Es­sas en­ti­da­des in­fra-es­ta­tais, que se es­tão a com­por­tar co­mo ver­da­dei­ros Es­ta­dos den­tro do Es­ta­do. As po­pu­la­ções co­me­çam a adap­tar-se aos di­ta­mes im­pos­tos por es­sas en­ti­da­des. Acho que a CEDEAO e de­mais ins­ti­tui­ções re­gi­o­nais e con­ti­nen­tais de­vi­am jun­tar es­for­ços pa­ra in­vi­a­bi­li­zar a agen­da dos gru­pos que se pre­ten­dem ins­ta­lar nos ter­ri­tó­ri­os que com­pre­en­dem aque­les paí­ses. PAULO COR­REIA Sam­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.