EUA in­di­cam um en­vi­a­do pa­ra me­di­a­ção no Sudão

As au­to­ri­da­des mi­li­ta­res do Sudão li­ber­ta­ram já os três mem­bros da opo­si­ção ci­vil que ha­vi­am si­do de­ti­dos na sequên­cia dos in­ci­den­tes do úl­ti­mo fim-de-se­ma­na, nu­ma al­tu­ra em que os Es­ta­dos Uni­dos de­ci­di­ram in­di­car um en­vi­a­do es­pe­ci­al pa­ra tra­ba­lhar com o

Jornal de Angola - - ÁFRICA -

Os Es­ta­dos Uni­dos de­sig­na­ram Ti­bor Nagy, as­sis­ten­te do De­par­ta­men­to de Es­ta­do pa­ra Áfri­ca co­mo seu en­vi­a­do es­pe­ci­al pa­ra o Sudão, nu­ma ten­ta­ti­va de con­tri­buir pa­ra o fim da cri­se que as­so­la es­te país afri­ca­no.

Nu­ma pri­mei­ra de­cla­ra­ção pú­bli­ca em Washing­ton, es­te di­plo­ma­ta, ci­ta­do pe­la BBC, ape­lou pa­ra o fim dos ata­ques con­tra ci­vis, nu­ma al­tu­ra em que pros­se­guem no país as ma­ni­fes­ta­ções con­tra os mi­li­ta­res. Se­gun­do uma no­ta do De­par­ta­men­to de Es­ta­do, Ti­bor Nagy es­tá en­car­re­ga­do de cri­ar um “am­bi­en­te de diá­lo­go” en­tre as par­tes en­vol­vi­das no con­fli­to, sur­gin­do co­mo mais um ele­men­to pa­ra tra­ba­lhar em con­jun­to com o Pri­mei­roMi­nis­tro etío­pe, Abiy Ah­med, que já se as­su­miu co­mo me­di­a­dor do pro­ble­ma.

Nes­se sen­ti­do, Abiy Ah­med, de­pois de ter es­ta­do em Car­tum, se­guiu vi­a­gem pa­ra Mo­çam­bi­que e Áfri­ca do Sul no sen­ti­do de en­con­trar apoi­os pa­ra os seus es­for­ços de me­di­a­ção. En­quan­to is­so, um se­gun­do dia de de­so­be­di­ên­cia ci­vil foi cum­pri­do no Sudão, em res­pos­ta ao ape­lo do mo­vi­men­to­de­pro­tes­to­pe­la­cres­cen­te re­pres­são­dos­ge­ne­rais­no­po­der, que já cau­sou mais de 100 mor­tes na úl­ti­ma se­ma­na.

Opo­si­to­res li­ber­ta­dos

A agên­cia Fran­ce Press re­fe­re que, ape­sar do cli­ma ten­so, três opo­si­to­res su­da­ne­ses que ti­nham si­do pre­sos na sequên­cia da on­da de re­pres­são mi­li­tar, fo­ram li­ber­ta­dos on­tem, se­gun­do no­ti­ci­ou a te­le­vi­são es­ta­tal.

Uma se­ma­na de­pois da san­gren­ta re­pres­são do pro­tes­to, re­a­li­za­do de­fron­te do qu­ar­tel-ge­ne­ral do Exér­ci­to, al­gu­mas lo­jas re­a­bri­ram em Car­tum, em­bo­ra a mai­or par­te da ca­pi­tal per­ma­ne­ça de­ser­ta. Cor­tes de ener­gia e da In­ter­net tam­bém di­fi­cul­ta­ram as co­mu­ni­ca­ções.

Al­guns au­to­car­ros es­tão já a cir­cu­lar na ci­da­de, on­de mais car­ros e tran­seun­tes tam­bém eram vi­sí­veis em com­pa­ra­ção com o que su­ce­deu an­tes. O Conselho Mi­li­tar de Tran­si­ção, que go­ver­na o Sudão des­de a des­ti­tui­ção do Pre­si­den­te Omar al-Bashir em 11 de Abril, anun­ci­ou no do­min­go à noi­te o en­vio de re­for­ços mi­li­ta­res pa­ra a ca­pi­tal pa­ra pro­mo­ver “um re­tor­no à vi­da nor­mal.”

As for­ças de se­gu­ran­ça têm-se em­pe­nha­do nos úl­ti­mos di­as pa­ra des­man­te­lar as bar­ri­ca­das mon­ta­das pe­los ma­ni­fes­tan­tes, que con­ti­nu­am a exi­gir a trans­fe­rên­cia de po­der pa­ra os ci­vis.

A te­le­vi­são es­ta­tal su­da­ne­sa no­ti­ci­ou que Yas­ser Am­ran, um lí­der re­bel­de pre­so na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra, foi li­ber­ta­do, as­sim co­mo du­as ou­tras fi­gu­ras do mo­vi­men­to, Mu­ba­rak Ar­dul e Is­mail Ja­lab.

Ar­dul e Ja­lab fo­ram pre­sos no dia se­guin­te à reu­nião com o Pri­mei­ro-Mi­nis­tro etío­pe, Abiy Ah­med, que che­gou a Car­tum co­mo me­di­a­dor na sex­ta-fei­ra.

O anún­cio de li­ber­ta­ção ocor­reu no se­gun­do dia do mo­vi­men­to de de­so­be­di­ên­cia ci­vil lan­ça­do pe­lo pro­tes­to con­tra o re­cru­des­ci­men­to da re­pres­são, que em ape­nas uma se­ma­na já ma­tou 118 pes­so­as e cau­sou mais de 500 fe­ri­dos, a mai­o­ria du­ran­te a in­ter­ven­ção pa­ra dis­per­sar a ma­ni­fes­ta­ção efec­tu­a­da em 3 de Ju­nho, se­gun­do a es­ti­ma­ti­va de uma jun­ta de mé­di­cos que acom­pa­nhou o in­ci­den­te.

O Go­ver­no, por seu la­do, es­ti­mou que 61 pes­so­as mor­re­ram, 49 de­las ví­ti­mas de ti­ros dis­pa­ra­dos em Car­tum.

No do­min­go, pri­mei­ro dia do mo­vi­men­to de de­so­be­di­ên­cia, a jun­ta mé­di­ca in­for­mou que qua­tro pes­so­as mor­re­ram, du­as em Car­tum e ou­tras du­as em Om­dur­man, ci­da­de pró­xi­mo da ca­pi­tal. Os mi­li­ta­res têm res­pon­sa­bi­li­za­do os ma­ni­fes­tan­tes pe­la de­te­ri­o­ra­ção da si­tu­a­ção de se­gu­ran­ça em Car­tum e no país.

“A Ali­an­ça pe­la Li­ber­da­de e Mu­dan­ça (ALC) é to­tal­men­te res­pon­sá­vel pe­los in­ci­den­tes re­cen­tes, in­cluin­do a obs­tru­ção de es­tra­das”, dis­se o ge­ne­ral Ja­mal Din Omar, mem­bro do Conselho Mi­li­tar, num dis­cur­so trans­mi­ti­do na te­le­vi­são na noi­te de do­min­go.

“O Conselho Mi­li­tar de­ci­diu re­for­çar a pre­sen­ça das for­ças ar­ma­das (RSF) e de ou­tras for­ças re­gu­la­res pa­ra um re­tor­no à vi­da nor­mal”, acres­cen­tou. A RSF é acu­sa­da pe­los ma­ni­fes­tan­tes de es­tar na ori­gem da in­ter­ven­ção vi­o­len­ta ocor­ri­da du­ran­te o pro­tes­to di­an­te da se­de do Exér­ci­to.

As for­ças de se­gu­ran­ça vão ga­ran­tir “se­gu­ran­ça pa­ra ci­vis iso­la­dos, re­a­brir es­tra­das e fa­ci­li­tar a mo­bi­li­da­de de pes­so­as, trans­por­te pú­bli­co e pri­va­do, e pro­te­ger mer­ca­dos es­tra­té­gi­cos e ins­ta­la­ções es­ta­tais”, as­se­gu­rou o ge­ne­ral Ja­mal el-Din Omar.

No do­min­go, a tro­pa de cho­que in­ter­veio no bair­ro Bah­ri, no nor­te da ca­pi­tal, dis­pa­ran­do água e gás la­cri­mo­gé­neo pa­ra dis­per­sar ma­ni­fes­tan­tes que, pe­la ma­nhã, cons­truí­ram bar­ri­ca­das com pneus, ti­jo­los ou tron­cos de ár­vo­res.

O pro­tes­to, lan­ça­do em De­zem­bro num con­tex­to de uma gra­ve cri­se eco­nó­mi­ca, vi­sa con­ti­nu­ar até que o po­der ci­vil se­ja es­ta­be­le­ci­do. No fi­nal de Maio, uma gre­ve ge­ral de dois di­as pa­ra­li­sou par­ci­al­men­te o país.

As con­ver­sa­ções en­tre os mi­li­ta­res e os lí­de­res do pro­tes­to fo­ram sus­pen­sas em 20 de Maio, com ca­da uma das par­tes a que­rer li­de­rar a tran­si­ção pós-Bashir.

DR

As­sis­ten­te do De­par­ta­men­to de Es­ta­do pa­ra Áfri­ca vai di­a­lo­gar com os di­ri­gen­tes su­da­ne­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.