Ma­lá­ria no Cu­an­za-Nor­te com ten­dên­cia a au­men­tar

Po­pu­la­ção acon­se­lha­da a evi­tar fo­cos de li­xo e a pro­cu­rar uni­da­des sa­ni­tá­ri­as mais pró­xi­mas lo­go após os pri­mei­ros sin­to­mas da do­en­ça, que es­tá a cau­sar mui­tas mor­tes

Jornal de Angola - - NECROLOGIA - Manuel Fon­tou­ra | Nda­la­tan­do

O número de ca­sos de ma­lá­ria na pro­vín­cia do Cu­an­za-Nor­te ten­de a au­men­tar, ten­do-se re­gis­ta­do du­ran­te os pri­mei­ros qua­tro me­ses do cor­ren­te ano 84.910 ocor­rên­ci­as, com 91 óbi­tos, con­tra 61.920 ca­sos e 75 mor­tes, de Ja­nei­ro a Abril do ano pas­sa­do, de acor­do com o su­per­vi­sor pro­vin­ci­al do pro­gra­ma de com­ba­te à do­en­ça, Gon­ça­lo João Tan­da­la.

A mai­or par­te dos ca­sos de ma­lá­ria, acres­cen­tou, re­gis­tou-se nos mu­ni­cí­pi­os de Ca­zen­go, Cam­bam­be, Lu­ca­la, Go­lun­go-Al­to e Am­ba­ca.

Se­gun­do Gon­ça­lo Tan­da­la, a ma­lá­ria con­ti­nua a ser um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca na pro­vín­cia do Cu­an­zaNor­te, sen­do a prin­ci­pal cau­sa de mor­bi mor­ta­li­da­de no seio das po­pu­la­ções.

Gon­ça­lo Tan­da­la diz se­rem ne­ces­sá­ri­os mais par­cei­ros pa­ra se evi­tar a pro­pa­ga­ção da do­en­ça na re­gião, re­for­çan­do as ac­ções de pre­ven­ção, em par­ce­ria com as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as.

As bri­ga­das, re­fe­riu, de­ve­rão tra­ba­lhar pa­ra a me­lho­ria do sa­ne­a­men­to bá­si­co. Gon­ça­lo Tan­da­la de­fen­de a re­ac­ti­va­ção das ac­ções de pre­ven­ção, no que to­ca ao con­tro­lo in­te­gra­do, aqui­si­ção de mos­qui­tei­ros tra­ta­dos com in­sec­ti­ci­da de lon­ga du­ra­ção, im­ple­men­ta­ção da lu­ta an­ti­lar­val, tra­ta­men­to in­ter­mi­ten­te pre­ven­ti­vo em to­das as uni­da­des sa­ni­tá­ri­as, bem co­mo a im­ple­men­ta­ção das ac­ções de pul­ve­ri­za­ção in­tra e ex­tra do­mi­ci­li­ar em zo­nas con­si­de­ra­das de mai­or ris­co, nos dez mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia do Cu­an­za-Nor­te.

De acor­do com Gon­ça­lo Tan­da­la, o pro­jec­to de com­ba­te e pre­ven­ção da ma­lá­ria, se­gun­do os prin­cí­pi­os do pro­to­co­lo da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de tra­ta­men­to da do­en­ça, trou­xe uma no­va di­nâ­mi­ca e uma me­lhor pers­pec­ti­va de re­du­ção dos ca­sos gra­ves e con­se­quen­te­men­te da mor­ta­li­da­de. Se­gun­do o su­per­vi­sor pro­vin­ci­al do pro­gra­ma de com­ba­te à ma­lá­ria, o prin­ci­pal de­sa­fio é a uti­li­za­ção cor­rec­ta das com­bi­na­ções te­ra­pêu­ti­cas, com ba­se num di­ag­nós­ti­co con­fir­ma­do por mi­cros­có­pio ou tes­tes de di­ag­nós­ti­co rá­pi­do, bem co­mo a me­lho­ria do ma­ne­jo de ca­sos gra­ves a ní­vel ins­ti­tu­ci­o­nal.

“Os ca­sos de­ve­rão bai­xar, com a cons­ti­tui­ção das bri­ga­das mu­ni­ci­pais, vi­san­do com­ba­ter o vec­tor da do­en­ça, pro­mo­ver a saú­de atra­vés de in­for­ma­ção, edu­ca­ção e co­mu­ni­ca­ção, pre­ten­den­do-se com es­ta com­po­nen­te edu­car a po­pu­la­ção pa­ra que tão lo­go sur­jam os pri­mei­ros sin­to­mas da do­en­ça pro­cu­re os ser­vi­ços de saú­de mais pró­xi­mo”, su­bli­nhou Gon­ça­lo Tan­da­la.

As au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as, ain­da de acor­do com Gon­ça­lo Tan­da­la, pre­ten­dem, nos pró­xi­mos tem­pos, re­for­çar as ac­ções de su­per­vi­são, mo­ni­to­ria e ava­li­a­ção das ac­ti­vi­da­des li­ga­das ao pro­gra­ma de com­ba­te à ma­lá­ria, bem co­mo a dis­tri­bui­ção de mos­qui­tei­ros e a fu­mi­ga­ção in­tra e ex­tra do­mi­ci­li­ar, com o apoio das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais.

A ma­lá­ria con­ti­nua a ser um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca na pro­vín­cia do Cu­an­za-Nor­te, sen­do a prin­ci­pal cau­sa de mor­bi mor­ta­li­da­de no seio das po­pu­la­ções

NILO MA­TEUS | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as re­for­çam as ac­ções de sen­si­bi­li­za­ção e de dis­tri­bui­ção de mos­qui­tei­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.