An­go­la ne­ces­si­ta de par­cei­ros pa­ra in­ter­li­ga­ção de sis­te­mas

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Cris­tó­vão Ne­to | Lis­boa

An­go­la es­tá a cap­tar fun­dos pa­ra a in­ter­li­ga­ção dos seus cin­co sis­te­mas de ener­gia, de­pois da pro­du­ção ter pas­sa­do de uma po­tên­cia de 1,34 gi­gawatts, em 2010, pa­ra 4,8 gi­gawatts, em Maio des­te ano, de­cla­rou, on­tem, em Lis­boa, o Se­cre­tá­rio de Es­ta­do de Ener­gia.

An­tó­nio Bel­sa fa­la­va num pai­nel do Fórum Afri­ca­no da Ener­gia (AEF, si­gla in­gle­sa) de­sig­na­do “Pre­pa­ran­do o su­ces­so - os pró­xi­mos 20 anos”, on­de a mo­de­ra­do­ra do de­ba­te, a se­cre­tá­ria da Ener­gia do Zim­babwe, Gló­ria Ma-gom­bo, qua­li­fi­cou a evo­lu­ção do sec­tor em An­go­la ao lon­go dos úl­ti­mos anos co­mo “um ca­so ob­ser­vá­vel”.

A ta­xa de elec­tri­fi­ca­ção é de 42 por cen­to, o que equi­va­le a 1,6 mi­lhões de cli­en­tes, mas o se­cre­tá­rio de Es­ta­do des­cre­veu aos par­ti­ci­pan­tes um pla­no es­tra­té­gi­co de­fi­ni­do pa­ra o pe­río­do 2018-2022, com o qu­al a ta­xa é ele­va­da pa­ra 50 por cen­to, com a adi­ção à re­de de ener­gia de 200 mil cli­en­tes por ano, ao lon­go quinqué­nio.

A ele­va­ção dos ní­veis de ener­gia dis­po­ní­vel de­cor­re da con­cre­ti­za­ção do Pla­no Es­tra­té­gi­co, que tem co­mo tri­bu­tá­ri­os as cen­trais hi­dro­e­léc­tri­cas de Cam­bam­be e Laú­ca, nas qu­ais se pro­du­zem 960 e 1.336 me­gawatts (mw), dos 2.069 pre­vis­tos, o Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo, que ge­ram os 375 de 750 mw pre­co­ni­za­dos, bem co­mo cin­co cen­trais hí­bri­das, tam­bém im­por­tan­tes no côm­pu­to das so­lu­ções que o Es­ta­do an­go­la­no tra­çou pa­ra o au­men­to da ta­xa de elec­tri­fi­ca­ção.

O Go­ver­no tam­bém con­ta com o con­tri­bu­to da Bar­ra­gem de Ca­cu­loCa­ba­ça, on­de se pro­jec­ta uma pro­du­ção de 2.177 mw, e da Bar­ra­gem Bi­na­ci­o­nal de Bay­nes, de on­de é es­pe­ra­da uma po­tên­cia de 600 mw. Es­te úl­ti­mo foi con­ce­bi­do pa­ra al­ter­nar os flu­xos de ener­gia nos dois sen­ti­dos, con­so­an­te se al­te­ra­rem as con­di­ções de pro­du­ção de ener­gia num e nou­tro ex­tre­mo.

Os nú­me­ros da pro­du­ção de elec­tri­ci­da­de são de uma or­dem de gran­de­za tal, que os pro­jec­tos ins­ti­tu­ci­o­nais apon­tam pa­ra que, em 2040, An­go­la con­si­ga pro­du­zir 11 gi­gawatts, fi­can­do com ex­ce­den­tes pa­ra ex­por­tar. De­cor­rem já ex­pe­ri­ên­ci­as, co­mo a da Bar­ra­gem Bi­na­ci­o­nal de Bay­nes.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do ex­pli­cou, de­pois, ao Jor­nal de An­go­la, que a adi­ção de po­tên­cia à re­de ocor­re nos di­as de ho­je a uma ve­lo­ci­da­de no­tó­ria e que a pro­du­ção dis­po­ní­vel pas­sou de 4,8 mw, em Abril, pa­ra 4,9 em Maio.

A ca­pa­ci­da­de de ge­ra­ção de elec­tri­ci­da­de pre­vis­ta pa­ra o país, em 2022, é de 7,5 mw, o que dá lu­gar a ex­pec­ta­ti­vas de que An­go­la pos­sa ter, já nes­sa al­tu­ra, um ex­ce­den­te que con­du­za a um po­ten­ci­al ex­por­ta­dor an­go­la­no, o que po­de es­tar a acon­te­cer ago­ra nas re­giões Nor­te e Cen­tro, on­de os sis­te­mas fo­ram in­ter­li­ga­dos e, des­de 23 de Maio, não se ve­ri­fi­cam que­bras de for­ne­ci­men­to.

Mas a ques­tão do ex­ce­den­te ain­da é in­cer­ta, na me­di­da em que o con­su­mo vai de­pen­der da po­tên­cia das uni­da­des in­dus­tri­ais que se fo­rem im­plan­tar no país, mes­mo à luz do im­pul­so que é da­do pe­lo aces­so à elec­tri­ci­da­de. De acor­do com as de­cla­ra­ções de An­tó­nio Bel­sa à nos­sa re­por­ta­gem, a di­rec­ção que o pro­ces­so se­gue le­va à dis­po­ni­bi­li­za­ção a to­dos os pó­los in­dus­tri­ais im­plan­ta­dos no país.

Os be­ne­fí­ci­os da ex­pan­são do aces­so à elec­tri­ci­da­de es­tão a re­sul­tar em im­por­tan­tes ga­nhos em do­mí­ni­os co­mo o in­ves­ti­men­to in­dus­tri­al e na pou­pan­ça de mais de 400 mi­lhões de dó­la­res por dia, com a re­du­ção do uso de ga­só­leo pa­ra a pro­du­ção de ener­gia al­ter­na­ti­va, pe­las pró­pri­as empresas in­dus­tri­ais.

“An­go­la é uma his­tó­ria de su­ces­so na pro­vi­são de ca­pa­ci­da­de adi­ci­o­nal à re­de”, de­cla­rou Gló­ria Ma­gom­bo, a mo­de­ra­do­ra zim­babwe­a­na, num com­pa­ra­ção com as apre­sen­ta­ções do pai­nel em que par­ti­ci­pa­ram re­pre­sen­tan­tes de Ca­bo Ver­de, Bur­ki­na Fa­so, Li­bé­ria e Gui­né-Bis­sau.

DR

Pai­nel do qu­al to­mou par­te o go­ver­nan­te an­go­la­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.