Li­te­ra­tu­ra an­go­la­na em de­ba­te

Jornal de Angola - - CULTURA -

O es­ta­do ac­tu­al da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na e o pa­pel dos es­cri­to­res na mu­dan­ça so­ci­al são de­ba­ti­dos ho­je, a par­tir das 17h30, na Bi­bli­o­te­ca de Co­ru­chéus, em Lis­boa, Por­tu­gal, nu­ma ter­tú­lia cri­a­da com o in­tui­to de mos­trar a evo­lu­ção e a in­fluên­cia da pro­du­ção li­te­rá­ria ao lon­go dos anos.

O en­con­tro, que pre­ten­de apre­sen­tar uma re­tros­pec­ti­va so­bre a li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, des­de a épo­ca co­lo­ni­al até aos di­as de ho­je, tem co­mo prin­ci­pais in­ter­ve­ni­en­tes vá­ri­os es­cri­to­res e pes­qui­sa­do­res, cu­jos tra­ba­lhos acom­pa­nham o de­sen­vol­vi­men­to da pro­du­ção li­te­rá­ria na­ci­o­nal, co­mo Lo­pi­to Fei­jóo, João N’Go­la Trin­da­de, San­dra Poul­son, To­más Li­ma Co­e­lho, Ar­min­do Lau­re­a­no e Eugénio Cos­ta Al­mei­da.

O ob­jec­ti­vo da edi­to­ra Per­fil Cri­a­ti­vo - Edições, or­ga­ni­za­do­ra da ini­ci­a­ti­va é cri­ar um de­ba­te aber­to em que os con­vi­da­dos pos­sam ter uma ideia do ac­tu­al es­ta­do da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na e in­te­ra­gir com os es­cri­to­res. As en­tra­das são li­vres. A ter­tú­lia é re­a­li­za­da so­bre o le­ma “An­go­la: o pa­pel do es­cri­tor”.

Du­ran­te o en­con­tro, a or­ga­ni­za­ção pre­ten­de ain­da re­a­li­zar uma ses­são de ven­da de li­vros dos es­cri­to­res con­vi­da­dos pa­ra o de­ba­te, co­mo for­ma de apro­xi­mar mais os lei­to­res por­tu­gue­ses dos tra­ba­lhos li­te­rá­ri­os an­go­la­nos.

A edi­to­ra Per­fil Cri­a­ti­vo Edições, men­to­ra da ter­tú­lia, des­ta­ca-se, nos úl­ti­mos qua­tro anos, no mer­ca­do editorial por­tu­guês, por ser uma das pou­cas a tra­ba­lha­rem, ex­clu­si­va­men­te, com os es­cri­to­res an­go­la­nos.

O seu fun­da­dor, Ri­car­do Ro­dri­gues, nas­ceu no Lo­bi­to e co­me­çou a pu­bli­car, em 2015, li­vros de au­to­res an­go­la­nos, de­pois de anos de ex­pe­ri­ên­cia, a mai­o­ria ob­ti­da em An­go­la. O seu ob­jec­ti­vo, co­mo con­ta, são os no­vos au­to­res de qual­quer gé­ne­ro li­te­rá­rio. Po­rém, não fe­cha as por­tas a es­cri­to­res de re­no­me, uma vez que a sua ga­ran­tia de mar­ca, co­mo afir­mou, é a qua­li­da­de.

DR Ma­za­ri­no da Cu­nha

San­dra Poul­son é uma das par­ti­ci­pan­tes da ter­tú­lia Me­lho­rar a pro­du­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca na­ci­o­nal é uma das apos­tas da Mul­tiChoi­se Áfri­ca, que abriu um cur­so de for­ma­ção em Cinema, com fo­co na nar­ra­ção de his­tó­ri­as, pro­du­ção, som, re­a­li­za­ção e te­le­vi­são, cu­jas ins­cri­ções es­tão aber­tas até o pró­xi­mo dia 14. Aber­to aos pro­du­to­res e re­a­li­za­do­res de cinema, ama­do­res ou pro­fis­si­o­nais, o cur­so tem a du­ra­ção de um ano e foi cri­a­do com o ob­jec­ti­vo de es­pe­ci­a­li­zar e im­pul­si­o­nar os jo­vens pa­ra a in­dús­tria cri­a­ti­va afri­ca­na, por meio da re­a­li­za­ção de fil­mes e de pro­du­ções de te­le­vi­são. O as­ses­sor de im­pren­sa da em­pre­sa, Adri­a­no Si­mão, dis­se, ao Jor­nal de An­go­la, que um dos pres­su­pos­tos pa­ra par­ti­ci­par no cur­so é fa­lar flu­en­te­men­te in­glês. A or­ga­ni­za­ção, adi­an­tou, pre­ten­de se­lec­ci­o­nar 60 jo­vens, de 13 paí­ses, on­de a Mul­tiChoi­se ope­ra. Nes­ta se­gun­da edi­ção do cur­so, de­no­mi­na­do “Mul­tiChoi­ce Ta­lent Fac­tory”, os can­di­da­tos se­lec­ci­o­na­dos, na re­gião da Áfri­ca Aus­tral, vão fa­zer a for­ma­ção nu­ma aca­de­mia em Lu­sa­ka, Zâm­bia, sob a ori­en­ta­ção de di­ver­sos es­pe­ci­a­lis­tas, in­cluin­do al­guns afri­ca­nos. Pa­ra me­lhor ac­tu­a­li­zar os in­te­res­sa­dos no cur­so, a ope­ra­do­ra de te­le­vi­são vai re­a­li­zar cam­pa­nhas de di­vul­ga­ção do pro­jec­to. “É uma opor­tu­ni­da­de pa­ra os jo­vens me­lho­ra­rem as su­as com­pe­tên­ci­as em Cinema”, es­cla­re­ceu Adri­a­no Si­mão. As ins­cri­ções po­dem ser fei­tas pe­lo si­te www.mul­ti­choi­ce­ta­lent­fac­tory.com, ou nas ins­ta­la­ções da Mul­tiChoi­ce Áfri­ca, em An­go­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.