An­go­la de­fen­de no­me­a­ção do no­vo che­fe do Go­ver­no

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

An­go­la ape­lou on­tem, às au­to­ri­da­des da Gui­né-Bis­sau, em es­pe­ci­al ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Má­rio Vaz, no sen­ti­do de tra­ba­lha­rem de for­ma cons­tru­ti­va, res­pei­tan­do os re­sul­ta­dos das elei­ções par­la­men­ta­res e em con­cor­dân­cia com a Cons­ti­tui­ção do país.

Nu­ma men­sa­gem di­vul­ga­da pe­lo Conselho de Paz e Se­gu­ran­ça, em Ad­dis Abe­ba, o Go­ver­no an­go­la­no re­fe­re que nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção da Gui­né-Bis­sau, é prer­ro­ga­ti­va do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no­me­ar o Pri­mei­ro-Mi­nis­tro, de acor­do com os re­sul­ta­dos elei­to­rais, pe­lo que a ques­tão da elei­ção da Me­sa da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar não po­de cons­ti­tuir uma jus­ti­fi­ca­ção po­li­ti­ca­men­te acei­tá­vel, pa­ra o seu adi­a­men­to.

De acor­do com o do­cu­men­to, a 10 de Mar­ço do cor­ren­te ano, o po­vo da Gui­né-Bis­sau re­a­li­zou elei­ções par­la­men­ta­res, con­si­de­ra­das li­vres e jus­tas e ven­ci­das pe­lo Partido Afri­ca­no pa­ra a In­de­pen­dên­cia da Gui­né-Bis­sau e Ca­bo Ver­de (PAIGC).

De­cor­ri­dos três me­ses, acres­cen­ta, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ain­da não pro­ce­deu à no­me­a­ção do Pri­mei­ro-Mi­nis­tro, mes­mo de­pois da ins­ta­la­ção da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar, a 18 de Abril.

“An­go­la no­ta com pre­o­cu­pa­ção, pe­la pri­mei­ra vez, re­pe­ti­dos ca­sos de in­su­bor­di­na­ção de cer­tos mem­bros do Go­ver­no às or­dens do Pri­mei­ro-Mi­nis­tro, em exer­cí­cio, além da cres­cen­te on­da de con­tes­ta­ção pú­bli­ca com mar­chas po­pu­la­res e vi­gí­li­as pú­bli­cas pe­la não no­me­a­ção do PM, na gran­de mai­o­ria ain­da or­dei­ra, mas já com al­guns re­gis­tos de in­ci­den­tes e con­fron­tos en­tre po­pu­la­res e as for­ças de se­gu­ran­ça”, lê­se na men­sa­gem.

No do­cu­men­to, lê-se ain­da, que es­tão tam­bém a sur­gir for­tes in­dí­ci­os de ac­ções li­ga­das ao nar­co­trá­fi­co e ao cri­me or­ga­ni­za­do, com pro­ba­bi­li­da­des gra­ves e pe­ri­go­sas de li­ga­ção ao ter­ro­ris­mo re­gi­o­nal. Na óp­ti­ca de An­go­la, a pro­ble­má­ti­ca da elei­ção do Pri­mei­ro-Mi­nis­tro e a ne­ces­si­da­de da mar­ca­ção das elei­ções pre­si­den­ci­ais, nos pra­zos es­ta­be­le­ci­dos, co­lo­cam a Gui­né-Bis­sau nu­ma ver­da­dei­ra en­cru­zi­lha­da po­lí­ti­ca, de cu­ja ges­tão po­de de­pen­der o seu fu­tu­ro ime­di­a­to.

“Nes­te con­tex­to de­li­ca­do e de gran­des de­sa­fi­os, a Gui­néBis­sau vai pre­ci­sar, mais do que nun­ca, do en­ga­ja­men­to re­do­bra­do da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pa­ra se evi­tar que a si­tu­a­ção evo­lua pa­ra ní­veis pre­o­cu­pan­tes de ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e cons­ti­tu­ci­o­nal, com con­sequên­ci­as im­pre­vi­sí­veis”, con­si­de­ra o Go­ver­no an­go­la­no.

DR

Si­mões Pe­rei­ra, lí­der do PAIGC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.