Dis­tri­bui­ção de com­bus­tí­vel che­ga a to­dos os mu­ni­cí­pi­os

Da­dos dis­po­ní­veis in­di­cam que o país tem em fun­ci­o­na­men­to 1.105 pos­tos de abas­te­ci­men­to, número que de­ve evo­luir pa­ra 1.133 da­qui a três anos

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Na­ta­cha Ro­ber­to e Isa­que Lourenço

O Ins­ti­tu­to Re­gu­la­dor dos De­ri­va­dos de Pe­tró­leo (IRDP) anun­ci­ou a ex­ten­são da re­de dis­tri­bui­ção de com­bus­tí­vel pa­ra to­das as se­des mu­ni­ci­pais do país até 2022.

De lá pa­ra cá, se­gun­do IRDP, Al­bi­no Ferreira, vão ser cri­a­dos 28 no­vos pos­tos de abas­te­ci­men­tos de com­bus­tí­vel em igual número de mu­ni­cí­pi­os do país on­de ain­da não exis­tem pa­ra que, den­tro de três anos, to­das as 164 se­des mu­ni­ci­pais dis­po­nham des­ses ser­vi­ços.

Al­bi­no Ferreira ga­ran­tiu ao Jor­nal de An­go­la que o seu pe­lou­ro já pro­ce­deu ao le­van­ta­men­to das ne­ces­si­da­des e tem os con­tac­tos avan­ça­dos com os par­cei­ros pri­va­dos pa­ra ra­pi­da­men­te fa­ze­rem che­gar as bom­bas de com­bus­tí­veis à to­ta­li­da­de das 164 se­des de mu­ni­cí­pi­os.

“Não é ad­mis­sí­vel que exis­tam, nes­te mo­men­to, se­des de mu­ni­cí­pi­os sem um pos­to de abas­te­ci­men­to. Tra­ba­lhá­mos com os go­ver­nos pro­vin­ci­ais e as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais no le­van­ta­men­to das re­ais ne­ces­si­da­des, pa­ra po­der­mos pro­ver tais ser­vi­ços nas cir­cuns­cri­ções on­de não exis­tem”, dis­se.

Da­dos dis­po­ní­veis in­di­cam que o país tem em fun­ci­o­na­men­to 1.105 pos­tos de abas­te­ci­men­tos, número que de­ve evo­luir pa­ra 1.133 da­qui a três anos. Um dos pas­sos fun­da­men­tais pa­ra a ma­te­ri­a­li­za­ção do pro­gra­ma, de acor­do com o di­rec­tor Al­bi­no Ferreira, pas­sa pe­la aber­tu­ra do mer­ca­do lo­gís­ti­co, ain­da de­ti­do ex­clu­si­va­men­te pe­la So­nan­gol, dis­se o res­pon­sá­vel, no­tan­do, no en­tan­to, que já es­tá à vis­ta a en­tra­da de ou­tros agen­tes nes­se seg­men­to.

Lem­brou que o au­men­to da ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­na­men­to em ter­ra é fun­da­men­tal pa­ra que o com­bus­tí­vel, par­ti­cu­lar­men­te a ga­so­li­na e o ga­só­leo che­guem ao in­te­ri­or com ra­pi­dez e efi­ci­ên­cia.

Nes­te sen­ti­do, pros­se­guiu, es­tá pre­vis­ta a cons­tru­ção de zo­nas de ar­ma­ze­na­men­to em ter­ra com ca­pa­ci­da­de pa­ra até 234 mil me­tros cú­bi­cos, jun­tan­do-se as ac­tu­al com ca­pa­ci­da­des pa­ra cer­ca de 700 mil (me­ta­de des­ta ar­ma­ze­na­da em mar) que já não sa­tis­faz à de­man­da.

Pa­ra aca­bar com a im­por­ta­ção de com­bus­tí­veis, exer­cí­cio que co­bre cer­ca de 80 por cen­to das ne­ces­si­da­des in­ter­nas, com gas­tos anu­ais na or­dem dos 250 mi­lhões de dó­la­res, lem­brou, o país de­ci­diu cons­truir no­vas re­fi­na­ri­as e am­pli­ar e mo­der­ni­zar a de Lu­an­da.

As re­fi­na­ri­as de Ca­bin­da e de Lu­an­da, aque­la em fa­se de cons­tru­ção, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 60 mil bar­ris/dia e es­ta em pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção, que vai per­mi­tir am­pli­ar a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de 300.000 pa­ra 1.2 mi­lhão de bar­ris/dia fi­cam con­cluí­das em 2022. A do Lo­bi­to, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 200 mil bar­ris, fi­ca pron­ta em 2025.

Pes­qui­sas in­di­cam que a re­de na­ci­o­nal de dis­tri­bui­ção de com­bus­tí­veis tem a ope­rar pou­co mais de 475 agen­tes com a “ban­dei­ra bran­ca”, das qu­ais 221 ins­ta­la­das em con­ten­to­res ao lon­go das prin­ci­pais vi­as. A es­tes jun­tam-se aos 78 da Pu­man­gol, 49 da So­nan­galp, sem con­tar os 500 pos­tos da So­nan­gol, que vai par­ti­lhar, até 2022, 45 pos­tos com a To­tal.

Ajus­te de pre­ços é ne­ces­sá­rio

“Faz-se ne­ces­sá­rio a ac­tu­a­li­za­ção dos pre­ços dos com­bus­tí­veis, mas tam­bém é pre­ci­so pro­te­ger os con­su­mi­do­res, que já têm o po­der de com­pra re­du­zi­do”

So­bre o ajus­te dos pre­ços de com­bus­tí­veis no país, ques­tão fre­quen­te­men­te le­van­ta­das nas re­des so­ci­ais, Al­bi­no Ferreira, sem fu­gir ao te­ma, mas tam­bém sem en­trar em detalhes, as­se­gu­ra que o Ins­ti­tu­to de Re­gu­la­ção de De­ri­va­dos de Pe­tró­leo (IRDP) tu­do es­tá a fa­zer jun­to do Go­ver­no e ope­ra­do­res pa­ra que o pre­ço a adop­tar se­ja com­pa­tí­vel ao mo­men­to eco­nó­mi­co que o país vi­ve.

“Faz-se ne­ces­sá­rio a ac­tu­a­li­za­ção, mas tam­bém é pre­ci­so pro­te­ger-se os con­su­mi­do­res, pois têm já um re­du­zi­do po­der de com­pra”.

A dú­vi­da que per­sis­te é qu­an­to aos pre­ços que cir­cu­lam nas re­des so­ci­ais se são ver­da­dei­ros ou me­ra­men­te es­pe­cu­la­ti­vos. Em re­la­ção a is­so, Al­bi­no Ferreira ga­ran­tiu ape­nas es­tar em fa­se de apre­ci­a­ção pe­lo Go­ver­no a ta­be­la a apli­car e o me­lhor mo­men­to pa­ra a sua apli­ca­ção.

DOMBELE BER­NAR­DO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Dos 164 mu­ni­cí­pi­os do país ape­nas 28 não têm ne­nhum pos­to de abas­te­ci­men­to na se­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.