INAC ame­a­ça san­ci­o­nar ins­ti­tui­ções

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

O di­rec­tor-ge­ral do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC), Paulo Kalesi, ad­mi­tiu des­co­nhe­cer a exis­tên­cia do pro­ble­ma no país, par­ti­cu­lar­men­te em Lu­an­da, mas pro­me­teu san­ci­o­nar as ins­ti­tui­ções que tra­ba­lham com ma­te­ri­al re­co­lhi­do por cri­an­ças, por ser uma prá­ti­ca ile­gal, que as em­pur­ra à men­di­ci­da­de e que dá lu­gar ao tra­ba­lho in­fan­til.

Paulo Kalesi dis­se ser es­sa uma das si­tu­a­ções que faz com que mui­tas cri­an­ças aban­do­nem a es­co­la. “O ac­to é ile­gal e imo­ral. Não se faz co­mér­cio com cri­an­ça”, acla­rou, pa­ra acres­cen­tar que, em ter­mos le­gais, a cri­an­ça não dis­põe de ca­pa­ci­da­de ju­rí­di­ca pa­ra re­a­li­zar es­se ac­to. O di­rec­tor-ge­ral do INAC dis­se que vai en­vol­ver, nas ac­ções a de­sen­ca­de­ar pa­ra lo­ca­li­zar es­sas empresas, ór­gãos de jus­ti­ça, pa­ra res­pon­sa­bi­li­zá-las.

Paulo Kalesi deu a co­nhe­cer que as ins­ti­tui­ções que in­sis­ti­rem em com­prar ma­te­ri­al re­co­lhi­do por cri­an­ças in­cor­re­rão em san­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas, pa­ga­men­to de mul­ta, bem co­mo de ou­tras me­di­das pu­ni­ti­vas. Se as cri­an­ças apa­re­ce­rem com ma­te­ri­al, con­ti­nu­ou, as empresas não o de­vem com­prar.

“Se­rá uma ma­nei­ra de de­sin­cen­ti­var a prá­ti­ca e fa­zer com que elas de­sis­tam e, com is­so, re­gres­sem à es­co­la”, su­ge­riu. O tra­ba­lho in­fan­til é uma prá­ti­ca que se re­fe­re ao em­pre­go de cri­an­ças em qual­quer tra­ba­lho que a pri­va da sua in­fân­cia, in­ter­fe­re na ca­pa­ci­da­de de fre­quen­tar a es­co­la re­gu­lar­men­te, que a pre­ju­di­ca men­tal, fí­si­ca, so­ci­al e mo­ral­men­te.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.