Con­tra o tra­ba­lho in­fan­til

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Ce­le­bra-se ho­je em to­do o pla­ne­ta o Dia Mun­di­al Con­tra o Tra­ba­lho In­fan­til, uma da­ta ins­ti­tuí­da pe­la Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho, em 2002, e que lem­bra a ne­ces­si­da­de de to­ma­da de me­di­das e ac­ções con­tra um dos fla­ge­los que afec­ta me­no­res de ida­de. Um pou­co por to­do o mun­do, aten­den­do à na­tu­re­za da vi­da in­fan­til, as cri­an­ças têm si­do as mais pre­ju­di­ca­das, so­bre­tu­do no que ao uso in­de­vi­do da sua for­ça de tra­ba­lho diz res­pei­to.

O tra­ba­lho in­fan­til é con­de­ná­vel na mai­o­ria dos paí­ses do mun­do e An­go­la não po­dia ser ex­cep­ção. Em An­go­la, a cri­an­ça tem di­rei­to à aten­ção es­pe­ci­al da fa­mí­lia, da so­ci­e­da­de, do Es­ta­do e, es­tes em es­trei­ta co­la­bo­ra­ção, de­vem as­se­gu­rar a sua am­pla pro­tec­ção con­tra to­das as for­mas que aten­tam con­tra os seus di­rei­tos.

De acor­do com o número 5 do ar­ti­go 80 da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca “é proi­bi­do, nos ter­mos da lei, o tra­ba­lho de me­no­res em ida­de es­co­lar”, uma re­a­li­da­de que con­ti­nua co­mo um de­sa­fio de to­da a so­ci­e­da­de.

Aten­den­do à vul­ne­ra­bi­li­da­de e ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais no seu tra­ta­men­to, o cui­da­do e a aten­ção pa­ra com as cri­an­ças de­vem co­me­çar a par­tir do lar e das co­mu­ni­da­des. As ins­ti­tui­ções do Es­ta­do não po­dem, so­zi­nhas, de­sem­pe­nhar um pa­pel com­ple­xo, o de ga­ran­tir uma am­pla pro­tec­ção con­tra to­das as for­mas que aten­tam con­tra os di­rei­tos das cri­an­ças sem o em­pe­nho de ou­tros sec­to­res. As fa­mí­li­as são in­subs­ti­tuí­veis no pa­pel que a elas ca­be, por di­rei­to e de­ver, de ze­lar pe­lo bem-es­tar das cri­an­ças e co­la­bo­rar com as ins­ti­tui­ções pa­ra efec­ti­var es­te de­si­de­ra­to.

An­go­la pos­sui uma po­pu­la­ção mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vem e os me­no­res per­fa­zem o gru­po nu­me­ro­so, ra­zão pe­la qu­al é gran­de a ten­ta­ção, por par­te de de­ter­mi­na­dos sec­to­res, de usar mão-de-obra in­fan­til. E, não ra­ras ve­zes, es­te exer­cí­cio de pôr as cri­an­ças a tra­ba­lhar em de­tri­men­to dos adul­tos, que é proi­bi­do por lei e in­jus­ti­fi­cá­vel, co­me­ça la­men­ta­vel­men­te no seio fa­mi­li­ar. Te­mos ain­da mui­to tra­ba­lho a fa­zer pa­ra que as cri­an­ças es­te­jam li­vres de si­tu­a­ções de vul­ne­ra­bi­li­da­de e de ca­rên­cia que pro­pi­ci­am o ali­ci­a­men­to por par­te dos an­ga­ri­a­do­res de mão-de-obra in­fan­til. A so­ci­e­da­de pre­ci­sa de mo­bi­li­zar-se pa­ra que, vol­ta e meia, não con­ti­nu­e­mos a ser con­fron­ta­dos com in­for­ma­ções se­gun­do as qu­ais cri­an­ças con­ti­nu­am a ser uti­li­za­das co­mo mão-de-obra em cam­pos agrí­co­las em de­ter­mi­na­das localidade­s do país.

Se­gun­do de­nún­ci­as pú­bli­cas, ain­da por apu­rar e res­pon­sa­bi­li­zar, me­no­res es­tão a ser apa­ren­te­men­te usa­dos pa­ra a re­co­lha de ma­te­ri­al re­ci­clá­vel, com to­do o ris­co de saú­de que cor­rem, por con­ta de empresas im­plan­ta­das no nos­so país. “O ac­to é ile­gal e imo­ral. Não se faz co­mér­cio com cri­an­ça”, dis­se o di­rec­tor-ge­ral do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (Inac), Paulo Ca­le­si, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, pro­me­ten­do o en­ga­ja­men­to da sua e de de­mais ins­ti­tui­ções no sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­za­ção de tais empresas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.