Sus­pen­são as­ser­ti­va

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Car­los Ca­lon­go

A sus­pen­são dos di­rei­tos da ca­ma­ra­da Welwit­chia dos San­tos, en­quan­to mem­bro do Co­mi­té Cen­tral dos “ca­ma­ra­das”, mar­cou o úl­ti­mo fim-de-se­ma­na in­for­ma­ti­vo, na res­sa­ca da 5ª reu­nião ex­tra­or­di­ná­ria do ór­gão atrás ci­ta­do, re­a­li­za­da na pas­sa­da sex­ta-fei­ra, 7 do cor­ren­te, co­mo an­te­câ­ma­ra do con­gres­so ex­tra­or­di­ná­rio, mar­ca­do pa­ra es­te sá­ba­do, 15 de Ju­nho.

A sus­pen­são, acom­pa­nha­da do anún­cio da ins­tau­ra­ção de um pro­ces­so dis­ci­pli­nar, é uma “bre­cha” que a mi­li­tan­te po­de ex­plo­rar pa­ra es­gri­mir os seus ar­gu­men­tos de de­fe­sa e ra­zão, ca­so a tam­bém de­pu­ta­da à As­sem­bleia Na­ci­o­nal obe­de­ça a de­ci­são da­que­le ór­gão do partido, por via do qu­al ga­nhou o es­ta­tu­to de re­pre­sen­tan­te do po­vo na “ca­sa das leis”.

Em re­su­mo, sal­vo as ra­zões que não são de con­su­mo pú­bli­co, Tchi­zé é re­fe­ren­ci­a­da co­mo ten­do vi­o­la­do cer­tas nor­mas do código de éti­ca par­ti­dá­ria, en­quan­to ins­tru­men­to que re­gu­la o com­por­ta­men­to dos mi­li­tan­tes, qua­dros e di­ri­gen­tes do partido, do­cu­men­to apro­va­do du­ran­te a 4ª reu­nião or­di­ná­ria do se­cre­ta­ri­a­do do Bo­re­au Po­lí­ti­co, re­a­li­za­da em Lu­an­da, a 15 de Mar­ço de 2019.

Com o de­vi­do es­pa­ço pa­ra as de­mais opi­niões, é na­tu­ral a exis­tên­cia de ten­dên­ci­as de de­fe­sa da po­si­ção de qual­quer uma das par­tes, al­gu­mas de­las com ex­ces­sos que fa­zem bra­dar até o mais pa­ca­to dos an­jos ce­les­ti­ais.

Em nos­so en­ten­di­men­to, ne­nhu­ma das par­tes tem con­for­to pa­ra cha­mar a si al­gu­ma van­ta­gem em re­la­ção a pos­si­bi­li­da­de de cer­ce­ar o es­ta­be­le­ci­do no Ar­ti­go 40.º (Li­ber­da­de de ex­pres­são e de in­for­ma­ção), até por­que elas não pos­ter­gam a exis­tên­cia do Ar­ti­go 55.º (Li­ber­da­de de cons­ti­tui­ção de as­so­ci­a­ções po­lí­ti­cas e par­ti­dos po­lí­ti­cos), plas­ma­do na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de An­go­la, que atri­bui o sen­ti­do de li­ber­da­de, o di­rei­to de qual­quer ci­da­dão par­ti­ci­par em as­so­ci­a­ções po­lí­ti­cas e par­ti­dos po­lí­ti­cos, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção e da lei. E so­bre is­so, a cla­re­za ven­ce.

Afas­ta­do tal ce­ná­rio, a ques­tão de­ve ser en­ca­ra­da co­mo me­ra­men­te de ca­rác­ter in­tra-par­ti­dá­rio e so­bre­tu­do dis­ci­pli­nar, cu­jas nor­mas de di­rei­tos e deveres obri­gam a ob­ser­vân­cia le­al dos mem­bros, e que qual­quer ac­to que se com­pre­en­da co­mo in­cum­pri­men­to po­de ser san­ci­o­na­do à di­men­são do es­ta­be­le­ci­do, quan­do an­te­ci­pa­da­men­te pre­vis­to e, em si­tu­a­ção con­trá­ria, o que for de­ci­di­do em fun­ção das cir­cuns­tân­ci­as.

Do aci­ma re­fe­ri­do, sem que en­trem pa­ra as con­tas ou­tras ques­tões pe­ri­fé­ri­cas, o nos­so en­ten­di­men­to é que a me­di­da de sus­pen­são da ca­ma­ra­da Welwit­chia do San­tos, pa­ra além de ex­pec­tan­te, foi as­ser­ti­va, e po­de­rá pro­mo­ver ou­tros de­sen­vol­vi­men­tos que ve­nham a re­sul­tar nu­ma so­lu­ção re­con­ci­li­a­da ou, em úl­ti­ma ins­tân­cia, na rup­tu­ra to­tal da­que­la com o partido em que ain­da mi­li­ta.

Nes­ta pers­pec­ti­va, à Tchi­zé dos San­tos foi aber­to um cam­po de ac­tu­a­ção fa­vo­rá­vel pa­ra po­der es­cla­re­cer e pro­var, em se­de do inqué­ri­to, que os seus pro­nun­ci­a­men­tos têm ra­zões su­fi­ci­en­tes, e que a via e a for­ma es­co­lhi­das pa­ra des­ti­lar o fel têm si­do, ape­nas, uma ra­zão de de­se­qui­lí­brio psi­co­e­mo­ci­o­nal, por um la­do.

Por ou­tro la­do, e na even­tu­a­li­da­de da di­ri­gen­te de­ci­dir en­fren­tar o inqué­ri­to de “pei­to aber­to”, in­tra­mu­ros, fi­ca­rá dis­si­pa­da (?), igual­men­te, a evo­ca­da “ca­ça às bru­xas”, apre­sen­ta­da co­mo uma das ra­zões pa­ra que a tam­bém de­pu­ta­da es­te­ja a re­si­dir no ex­te­ri­or do país.

En­tre­tan­to, na hi­pó­te­se da mi­li­tan­te em cau­sa man­dar tu­do e to­dos às ur­ti­gas, e op­tar pe­la con­ti­nui­da­de da di­gla­di­a­ção no for­ma­to até aqui adop­ta­do, pa­ra lá de obri­gar a di­rec­ção do seu partido a to­mar uma de­ci­são ex­tre­ma, dei­xa­rá, nas es­tre­li­nhas, a ideia de que as su­as la­mú­ri­as não pas­sam de res­sen­ti­men­to por sen­tir que os ho­lo­fo­tes que per­mi­ti­am a vi­si­bi­li­da­de das su­as ac­tu­a­ções em vá­ri­os cam­pos da vi­da so­ci­al an­go­la­na, es­tão ago­ra ali­nha­dos pa­ra ou­tras di­rec­ções.

Por ou­tro la­do, fi­ca­rá por es­cla­re­cer, e tam­bém is­so, a ver­da­de que ca­da uma das par­tes tem co­mo ar­gu­men­tos de ra­zão das su­as po­si­ções, que in­fe­liz­men­te não dei­xam mui­ta mar­gem pa­ra gri­tos de vi­tó­ri­as, a con­si­de­rar o que as par­tes já vi­ven­ci­a­ram po­si­ti­va­men­te num pas­sa­do re­cen­te da his­tó­ria co­mum.

De igual mo­do, pas­sa­rá em bran­co uma pos­si­bi­li­da­de dos “ca­ma­ra­das” re­for­ça­rem a ques­tão da de­mo­cra­cia in­ter­na, que al­guns agen­tes po­lí­ti­cos evo­cam co­mo apên­di­ce de­fi­ci­tá­rio “krem­li­a­no”.

Que ve­nha daí, en­tão, a ele­gân­cia que a po­lí­ti­ca e os seus ac­to­res (in) di­rec­tos tam­bém se obri­gam, so­bre­tu­do pa­ra se acau­te­lar fu­tu­ros er­ros que pro­vo­quem es­tra­gos à di­men­são da­que­les que man­cham a his­tó­ria po­lí­ti­ca do MPLA e por ar­ras­to da Re­pú­bli­ca de An­go­la, que é de to­dos nós.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.