Es­tu­do apon­ta as van­ta­gens das re­for­mas em Áfri­ca

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

Pro­jec­ções do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) apon­tam pa­ra um au­men­to de en­tre 1,1 e 5,1 por cen­to do bem-es­tar nos paí­ses afri­ca­nos que fa­lam por­tu­guês, com a aber­tu­ra, em Maio des­te ano, da Zo­na de Li­vre Co­mér­cio Con­ti­nen­tal Afri­ca­na(ZLECA).

O es­tu­do, ain­da em pro­gres­são, es­ti­ma o im­pac­to da ZLECA Áfri­ca nos ní­veis de bem-es­tar em 45 dos 53 paí­ses que as­si­na­ram o acor­do pa­ra o li­vre co­mér­cio no con­ti­nen­te, in­cluin­do os lu­só­fo­nos, An­go­la, Ca­bo Ver­de, Mo­çam­bi­que e São To­mé e Prín­ci­pe.

A Gui­né-Bis­sau e a Gui­né Equa­to­ri­al, que tam­bém as­si­na­ram o acor­do, fi­ca­ram de fo­ra des­ta pro­jec­ção.

O Acor­do de Li­vre Co­mér­cio Con­ti­nen­tal Afri­ca­no en­trou em vi­gor a 30 de Maio, de­pois de ter si­do ra­ti­fi­ca­do por um mí­ni­mo de 22 paí­ses, on­de não se in­clui ne­nhum dos es­ta­dos afri­ca­nos de lín­gua por­tu­gue­sa.

As pro­jec­ções do es­tu­do, ba­se­a­das num mo­de­lo que ava­lia os efei­tos da ZLECA, ten­do por ba­se tan­to sis­te­mas de li­vre con­cor­rên­cia co­mo de mo­no­pó­lio co­mer­ci­al, es­ti­ma que Mo­çam­bi­que re­gis­te mai­or cres­ci­men­to nos seus ní­veis de ren­di­men­to e bem-es­tar en­tre os lu­só­fo­nos, atin­gin­do os 5,1 por cen­to.

Em São To­mé e Prín­ci­pe, o au­men­to pro­jec­ta­do é de 2,3 por cen­to, em An­go­la 2,0 e em Ca­bo Ver­de de 1,1 por cen­to.

Glo­bal­men­te, en­tre os 45 paí­ses in­cluí­dos na pro­jec­ção, o rei­no de Es­su­a­tí­ni (exSu­a­zi­lân­dia), com 11,0 por cen­to, a Na­mí­bia (9,5 por cen­to) e o Botswa­na (8,8) re­gis­ta­ri­am os im­pac­tos mais po­si­ti­vos nos seus ní­veis de bem-es­tar e ren­di­men­tos.

O es­tu­do con­clui que os ga­nhos pro­ve­ni­en­tes da adop­ção do acor­do de co­mér­cio li­vre são sig­ni­fi­ca­ti­vos em to­dos os ce­ná­ri­os de re­du­ção de bar­rei­ras ao co­mér­cio, mas apon­ta que a mai­or par­te des­ses ga­nhos é pro­ve­ni­en­te da re­du­ção de bar­rei­ras não ta­ri­fá­ri­as, no­me­a­da­men­te o pre­ço dos transporte­s, mais do que da eli­mi­na­ção ex­clu­si­va das ta­ri­fas.

A di­men­são dos ga­nhos po­ten­ci­ais que ca­da país po­de con­se­guir com a ZLECA, re­fe­rem as pro­jec­ções, de­pen­de "cri­ti­ca­men­te da aber­tu­ra, o ní­vel ini­ci­al das bar­rei­ras ao co­mér­cio e da ro­bus­tez das re­la­ções co­mer­ci­ais" in­tra-afri­ca­nas.

"Co­mo os paí­ses pe­que­nos ten­dem a ser mui­to aber­tos e be­ne­fi­ci­am das tro­cas co­mer­ci­ais, um im­por­tan­te número des­tes te­rá ga­nhos de bem-es­tar sig­ni­fi­ca­ti­vos", adi­an­ta o do­cu­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.