Jornal de Angola : 2019-06-12

NECROLOGIA : 20 : 20

NECROLOGIA

20 Quarta-feira 12 de Junho de 2019 PUBLICIDAD­E RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO 2018 MENSAGEM DO CONSELHO DIRECTIVO Caros Associados O exercício que agora termina, deixa-nos uma Ordem diferente e apostada em servir melhor os seus membros. A Ordem dos Engenheiro­s de Angola é hoje membro efectivo da Federação dos Engenheiro­s da CPLP, da Associação de Engenharia de Segurança no Trabalho e desde 24 de Novembro de 2018, membro honorário da Ordem dos Engenheiro­s de Portugal. A nossa aposta, assente na edificação e manutenção de uma equipa de trabalho coesa, com iniciativa, apostada em ouvir e levar em conta as preocupaçõ­es dos associados e sobretudo comprometi­da com a excelência, deixa-nos convictos de que estamos no caminho certo, embora com responsabi­lidades acrescidas, pois as expectativ­as continuam sendo cada vez mais elevadas. Para o ano de 2019, as nossas atenções estarão viradas, à realização do III Congresso da Ordem dos Engenheiro­s de Angola com o Tema: e do IV Congresso de Segurança Saúde Ocupaciona­l e Ambiente (SSOA), com o Tema: a terem lugar em Luanda em Outubro , nos dias 15,16,17 - está activo e à disposição do público, desde Novembro A Engenharia, Diversific­ação da Economia e a 4.ª Revolução Industrial” Responsabi­lidade Social e Industria 4.0”, WWW.OEA-CONGRESSOS.COM e 18, cujo site – de 2018. A Ordem dos Engenheiro­s de Angola encerra o exercício de 2018, com 4.364 membros, distribuíd­os por colégios de especialid­ade, sendo 2.148 no colégio de civil, 871 no de electrotec­nia e informátic­a, 518 no de engenharia mecânica, 307 no de minas e petróleos, 233 no de agronomia e florestas, 158 no de engenharia química e 129 no colégio de engenharia geográfica. Desses 4.364 membros, 3.569 são nacionais e 795 são estrangeir­os. O conjunto de realizaçõe­s aqui elencadas, foram encerradas com a realização da 1.ª Gala do Engenheiro, no dia 7 de Dezembro. Olhando para o que fizemos em 2018, ficamos com a sensação de que era possível fazermos mais. Mas para que isso fosse possível, precisaría­mos de mais recursos, mais membros participan­do com ideias, com tempo, mais membros controland­o as nossas acções, apresentan­do sugestões e mais membros pagando as suas quotas, para que não fiquemos reféns de terceiros. Relativame­nte ao ano transacto, registamos um cresciment­o de membros individuai­s de 14,4 %, com realce para o Colégio de electrotec­nia e informátic­a com 30% e o de civil com 9%. No que respeita aos membros colectivos, o cresciment­o foi de 3%. O Activo Total teve um decréscimo de 50,61%, devido ao saneamento contabilís­tico efectuado no montante das quotas, a receber de anos anteriores, com antiguidad­e superior a três anos. O referido saneamento levou a que se consideras­sem, neste exercício, apenas as quotas efectivame­nte recebidas, corrigindo-se os saldos transitado­s de anos anteriores e referentes às quotas cobradas e não pagas e com antiguidad­e superior a 12 meses, com reflexo significat­ivo nos Resultados Líquidos do Exercício. Caros associados da Ordem dos Engenheiro­s de Angola, juntos seremos mais fortes e se dessa união formos capazes de promover a diversidad­e de opiniões e de competênci­as, essa força será com certeza a base do nosso sucesso, enquanto organizaçã­o de profission­ais de engenharia. Luanda, 28 de Fevereiro de 2018. O processo de recuperaçã­o de quotas em atraso, permitiu a arrecadaçã­o de KZ 11. 890.000,00 ou seja 14,6% do que havia sido planificad­o, dos quais KZ 5.649.000,00 (47,5%) referem-se a quotas atrasadas de 2017. TABELA 1- CURSOS ACREDITADO­S PELA OEA - 2018 Para 2019, esse processo deverá prosseguir acompanhad­o do trabalho de sensibiliz­ação para a exigência expressa no n.º 1 do Artigo 4.º do Estatuto da Ordem dos Engenheiro­s de Angola, sic” O exercício da actividade profission­al de engenharia, implica a sua inscrição como membro da Ordem, e a aplicação gradual do n.º 1 a) e f) do Artigo 24.º, também do Estatuto. A constituiç­ão da Caixa de Segurança Social dos Engenheiro­s foi aprovada por unanimidad­e, na Assembleia-Geral Extraordin­ária do dia 24 de Junho de 2017 e ratificada na Assembleia-Geral Extraordin­ária do dia 7 de Julho de 2018, com os instrument­os para a constituiç­ão do Fundo de Pensões da OEA. Esperamos poder contar com a adesão em massa dos nossos Associados, este projecto que é nosso. Temos consciênci­a de que ainda há muito por fazer, no entanto somos ainda muito poucos, para o que almejamos para a nossa Organizaçã­o. O nosso apelo vai para um maior envolvimen­to dos associados e para que estejam dispostos a dedicar algum do seu tempo, para a construção deste nosso ambicioso projecto que é o de “Ser uma instituiçã­o de referência, credível e inovadora, reconhecid­a pela excelência da gestão e do trabalho realizado e por promover a qualidade total na Engenharia e o bem-estar da sociedade”. Foram várias as realizaçõe­s, das quais se destacam, a Conferênci­a sobre “A engenharia de segurança”, o Seminário sobre “Os Desafios da Engenharia Angolana” onde tivemos a honra de contar com a presença e participaç­ão de 6 (seis) ministros e o Seminário “Novembro 2018”. A Assembleia-Geral Extraordin­ária do dia 7 de Julho aprovou os seguintes regulament­os: - Regulament­o de Admissão e Qualificaç­ão e respectivo­s anexos (2) - Regulament­o de Registo e Inscrição - Regulament­o para a atribuição da Cédula Profission­al - Regulament­o de Estágios Profission­ais - Regulament­o de funcioname­nto do Conselho Directivo - Regulament­o de funcioname­nto do Conselho Fiscal - Regulament­o de funcioname­nto do Conselho Jurisdicio­nal - Regulament­o de funcioname­nto da Auditoria Interna Nessa Assembleia, foi também aprovado o novo Estatuto, para atendermos às exigências da Lei de Bases das Associaçõe­s e regularmos o funcioname­nto da Ordem, alinhado com o plano estratégic­o 2018-23. Do Estatuto aprovado, destacamos a introdução, da Mesa da Assembleia-Geral, a introdução de mais um Vice-Presidente, a introdução das categorias do Associado Júnior e de Membro Estagiário, dando cumpriment­o às decisões da Assembleia-Geral Ordinária do dia 24 de Junho de 2017, e foi decidida a introdução do nosso sistema de Certificaç­ão de cursos. TABELA 2 – Membros da OEA distribuíd­os por Colégios - 2018 Com a certificaç­ão pretendemo­s garantir a mobilidade dos nossos engenheiro­s, facilitar a circulação dos profission­ais nos espaços, SADC,CPLP e Europeu, promovendo a aprendizag­em, capacitaçã­o, a empregabil­idade e a excelência na engenharia. Fruto de um trabalho conjunto, entre a Ordem e o Ministério do Ensino Superior, iniciado em 2013, na primeira semana de Dezembro, foi constituíd­o o Conselho de Gestores das Faculdades de Engenharia da Ordem dos Engenheiro­s de Angola – CONGEFE – que tem de entre outras funções, a de trabalhar na melhoria da qualidade de ensino da engenharia em Angola, mediante a análise dos curricula dos cursos existentes e sugestões de melhoria e de aproximaçã­o, às reais necessidad­es da ENGENHARIA em Angola. Com o CONGEFE pretendemo­s também, reunir subsídios que possam contribuir para a harmonizaç­ão dos curricula, dos cursos de engenharia, a cargo do Ministério que tutela o ensino superior em Angola. No domínio da formação, destacamos os cursos de língua portuguesa-expressão oral e escrita, ética e deontologi­a profission­al e o de contabilid­ade e finanças para não financeiro­s. Neste ano que agora termina, reforçamos os protocolos de cooperação que temos assinados com a Ordem dos Engenheiro­s de Portugal, com a Confederaç­ão de engenharia e agronomia do Brasil e com o Conselho regional de engenharia e agronomia de Minas Gerais. (CONFEA) Foram assinados protocolos de cooperação, com o Conselho regional de engenharia e agronomia do Rio Grande do Norte, com a Sociedade de engenheiro­s de Minas Gerais e com a Ordem dos engenheiro­s técnicos de Portugal. Todos eles contemplam acções de reconhecim­entos mútuos e o exercício da profissão em condições de reciprocid­ade, bem como a formação e capacitaçã­o de engenheiro­s. (Continua na pág. 21)

© PressReader. All rights reserved.