PR quer mais efi­ci­ên­cia no com­ba­te à cor­rup­ção

Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo con­fe­riu on­tem pos­se aos no­vos ins­pec­to­res-ge­rais To­más Ga­bri­el Ne­to Jo­a­quim e Edu­ar­do Se­men­te Au­gus­to, a quem pe­diu o con­tri­bu­to pa­ra tor­nar a ins­ti­tui­ção mais efi­ci­en­te pa­ra a pros­se­cu­ção dos ob­jec­ti­vos

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - João Di­as

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, quer uma Ins­pec­ção Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do (IGAE) mais efi­ci­en­te e com­pro­me­ti­da com a lu­ta con­tra a cor­rup­ção, o ne­po­tis­mo e ou­tras prá­ti­cas no­ci­vas à so­ci­e­da­de. O Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, que fa­la­va on­tem na ce­ri­mó­nia de pos­se de dois ins­pec­to­res-ge­rais ad­jun­tos da IGAE, su­bli­nhou que, com o tra­ba­lho da ins­pec­ção, os ges­to­res pú­bli­cos são de­sen­co­ra­ja­dos a prá­ti­cas me­nos bo­as, ser­vin­do me­lhor a Na­ção. No ac­to, em que to­ma­ram pos­se os ins­pec­to­res-ge­rais ad­jun­tos Edu­ar­do Se­men­te Au­gus­to e To­más Ga­bri­el Ne­to Jo­a­quim, o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço elo­gi­ou o tra­ba­lho ac­ti­vo de­sen­vol­vi­do pe­la IGAE na lu­ta con­tra as prá­ti­cas le­si­vas aos in­te­res­ses do Es­ta­do.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, dis­se on­tem es­tar a con­tar com o tra­ba­lho da Ins­pec­ção Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do (IGAE) na lu­ta con­tra a cor­rup­ção, o ne­po­tis­mo e ou­tras prá­ti­cas le­si­vas ao in­te­res­se pú­bli­co.

Em bre­ves de­cla­ra­ções após con­fe­rir pos­se, no Sa­lão No­bre do Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al, a To­más Ga­bri­el Ne­to Jo­a­quim e a Edu­ar­do Se­men­te Au­gus­to nos car­gos de ins­pec­to­res­ge­rais ad­jun­tos da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral do Es­ta­do, o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo con­si­de­rou que a IGAE é “bas­tan­te ac­ti­va” e os re­sul­ta­dos do seu tra­ba­lho es­tão à vis­ta.

Nu­ma al­tu­ra em que o pa­ra­dig­ma de go­ver­na­ção apon­ta pa­ra a ne­ces­si­da­de de mo­ra­li­za­ção do ser­vi­ço pú­bli­co e da so­ci­e­da­de, João Lou­ren­ço dis­se ser nor­mal con­tar com o tra­ba­lho da IGAE.

“Num mo­men­to em que o país mui­to fa­la da ne­ces­si­da­de da lu­ta con­tra a cor­rup­ção, ne­po­tis­mo e de ou­tras prá­ti­cas le­si­vas ao in­te­res­se pú­bli­co, é nor­mal que con­te­mos com o tra­ba­lho de ins­ti­tui­ções co­mo a Ins­pec­ção Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, o Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal e a Po­lí­cia, de uma for­ma ge­ral”, su­bli­nhou o Che­fe de Es­ta­do, pe­ran­te o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Bor­ni­to de Sou­sa, mem­bros do Exe­cu­ti­vo e al­tos fun­ci­o­ná­ri­os do seu ga­bi­ne­te.

Nes­ta em­prei­ta­da de com­ba­te à cor­rup­ção, João Lou­ren­ço men­ci­o­nou tam­bém o pa­pel dos tri­bu­nais e o con­tri­bu­to da so­ci­e­da­de ci­vil, que con­si­de­rou te­rem tam­bém “um im­por­tan­te pa­pel nes­ta lu­ta que é de to­dos.”

No ca­so par­ti­cu­lar da IGAE, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca con­si­de­rou que, com o tra­ba­lho des­ta ins­ti­tui­ção, os ges­to­res pú­bli­cos são de­sen­co­ra­ja­dos a te­rem prá­ti­cas me­nos bo­as e le­va­dos a en­ve­re­dar pa­ra aqui­lo que o país pre­ten­de, que pas­sa por me­lhor ser­vir a Na­ção.

“Com a vos­sa no­me­a­ção, es­pe­ra­mos que con­tri­bu­am com o vos­so tra­ba­lho em tor­nar a ins­ti­tui­ção mais efi­ci­en­te e des­ta for­ma al­can­çar os ob­jec­ti­vos que pro­cu­ra­mos”, dis­se o Pre­si­den­te ao di­ri­gir­se aos re­cém-em­pos­sa­dos.

Con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar

Ape­sar do elo­gio fei­to à IGAE, o ins­pec­tor-ge­ral ad­jun­to Edu­ar­do Se­men­te Au­gus­to pro­me­teu tra­ba­lhar com o ins­pec­tor-ge­ral pa­ra me­lho­rar ain­da mais o de­sem­pe­nho da ins­ti­tui­ção.

“O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fez re­fe­rên­cia ao tra­ba­lho vi­sí­vel de­sen­vol­vi­do pe­la IGAE. En­tre­tan­to, nós, os em­pos­sa­dos, va­mos au­xi­li­ar o ins­pec­tor-ge­ral, que tem fei­to um tra­ba­lho no­tá­vel, par­ti­cu­lar­men­te na cons­tru­ção des­te com­ple­xo e di­fí­cil edi­fí­cio do con­tro­lo in­ter­no”, dis­se, à im­pren­sa, Edu­ar­do Se­men­te Au­gus­to.

O re­cém-em­pos­sa­do con­si­de­rou acer­ta­da a apos­ta na IGAE, pois per­mi­te a me­lho­ria e re­for­ço dos pro­gra­mas de com­pli­an­ce na go­ver­na­ção pú­bli­ca e cor­po­ra­ti­va. Lem­brou que a IGAE, co­mo ór­gão au­xi­li­ar do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, pro­cu­ra me­lho­rar, ca­da vez mais, por não ter um tra­ba­lho aca­ba­do.

O no­vo ins­pec­tor-ge­ral ad­jun­to re­al­çou que, em fun­ção dos de­sa­fi­os que se co­lo­cam ac­tu­al­men­te, a IGAE vai pro­cu­rar ven­cê-los pa­ra al­can­çar o in­te­res­se e o ob­jec­ti­vo su­pre­mo do Es­ta­do que pas­sa pe­lo com­ba­te aos ma­les que afec­tam o pro­ces­so de mo­ra­li­za­ção pú­bli­ca.

Os no­vos ins­pec­to­res­ge­rais ad­jun­tos, no­me­a­dos no dia 5 des­te mês, subs­ti­tuí­ram Ma­ria Isa­bel Fer­nan­des Tor­men­ta dos San­tos e Oc­tá­vio Tom­bé Quim­bi­la Ca­pi­ta. A Ins­pec­ção Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do (IGAE) é o ór­gão au­xi­li­ar do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo pa­ra ins­pec­ção, au­di­to­ria, con­tro­lo e fis­ca­li­za­ção da ac­ti­vi­da­de dos ór­gãos, or­ga­nis­mos e ser­vi­ços da ad­mi­nis­tra­ção di­rec­ta e in­di­rec­ta do Es­ta­do.

A ins­ti­tui­ção con­tri­bui pa­ra o aper­fei­ço­a­men­to cons­tan­te da or­ga­ni­za­ção, de­sem­pe­nho e dis­ci­pli­na dos ser­vi­ços pú­bli­cos. A IGAE exer­ce, igual­men­te, um pa­pel im­pres­cin­dí­vel na dis­ci­pli­na e cons­ci­en­ci­a­li­za­ção dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos e agen­tes ad­mi­nis­tra­ti­vos do Es­ta­do, atra­vés da ac­ção pre­ven­ti­va e pe­da­gó­gi­ca, que de­sen­vol­ve e trans­mi­te co­nhe­ci­men­tos, ori­en­ta­ções e bo­as prá­ti­cas de ges­tão ou ad­mi­nis­tra­ção da coi­sa pú­bli­ca.

Com o tra­ba­lho da IGAE, os ges­to­res pú­bli­cos são de­sen­co­ra­ja­dos a te­rem prá­ti­cas me­nos bo­as e le­va­dos a me­lhor ser­vir a Na­ção

As ins­pec­ções da IGAE vi­sam a or­ga­ni­za­ção, fun­ci­o­na­men­to e ges­tão fi­nan­cei­ra e pa­tri­mo­ni­al de ór­gãos do Es­ta­do. A ins­pec­ção e o con­tro­lo da IGAE têm por fim ave­ri­guar o cum­pri­men­to da lei, das ins­tru­ções de ser­vi­ço de ca­rác­ter nor­ma­ti­vo e de­ter­mi­nar se são re­a­li­za­dos os ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos e sal­va­guar­da­dos os in­te­res­ses do Es­ta­do a de­fen­der pe­lo ór­gão ou or­ga­nis­mo ins­pec­ci­o­na­do. A IGAE re­me­te pro­ces­sos à PGR ou ao Tri­bu­nal de Con­tas, no qua­dro das su­as atri­bui­ções de co­o­pe­rar com as du­as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas.

MOTA AMBRÓSIO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

MOTA AMBRÓSIO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

To­más Ga­bri­el Ne­to Jo­a­quim quan­do as­si­na­va o ter­mo de pos­se que o con­fir­ma no car­go de ins­pec­tor-ge­ral ad­jun­to da IGAE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.