O Es­ta­do de Di­rei­to em Áfri­ca

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O V con­gres­so da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca, um even­to que reú­ne juí­zes de vá­ri­as de­ze­nas de paí­ses afri­ca­nos, que ter­mi­na ho­je em Lu­an­da, cons­ti­tui um pas­so im­por­tan­te no que ao pro­ces­so de tro­ca de experiênci­as e in­for­ma­ções diz res­pei­to, bem co­mo nos es­for­ços que to­do o con­ti­nen­te faz pa­ra even­tu­al­men­te apro­xi­mar prá­ti­cas e es­tra­té­gi­as.

Afi­nal, uma das me­tas da União Afri­ca­na, a ní­vel da Jus­ti­ça, pas­sa pe­la cri­a­ção de um Tri­bu­nal de Jus­ti­ça no con­ti­nen­te, co­mo de res­to cons­ta da Car­ta Cons­ti­tu­ti­va da or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal, uma re­a­li­da­de que se­ria de su­ma im­por­tân­cia pa­ra for­ta­le­cer direitos, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais dos ci­da­dãos em to­do o con­ti­nen­te.

A pre­sen­ça de re­pre­sen­tan­tes da Co­mis­são da União Afri­ca­na, nes­te e nos an­te­ri­o­res con­gres­sos, cons­ti­tui tam­bém o re­a­fir­mar do com­pro­mis­so da or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal em ver os de­sa­fi­os de Áfri­ca a ní­vel da ad­mi­nis­tra­ção da Jus­ti­ça, da ga­ran­tia da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de das leis, das li­ber­da­des e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais, tra­ta­das e as­se­gu­ra­das.

Na ver­da­de e co­mo re­co­nhe­ceu o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, du­ran­te o dis­cur­so de aber­tu­ra, gran­de par­te das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais afri­ca­nas pos­su­em já ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos e experiênci­as que têm per­mi­ti­do uma evo­lu­ção po­si­ti­va. Ou­tras re­a­li­da­des ca­mi­nham igual­men­te na di­rec­ção cer­ta, com a re­a­li­za­ção de im­por­tan­tes re­for­mas, que es­tão a per­mi­tir a con­for­ma­ção e ade­qua­ção das leis, có­di­gos e pro­ce­di­men­tos aos di­ta­mes da Cons­ti­tui­ção. E, mais im­por­tan­te, ten­de a cres­cer sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o pa­pel e de­sem­pe­nho dos Tri­bu­nais Cons­ti­tu­ci­o­nais em Áfri­ca, a jul­gar pe­lo re­cur­so igual­men­te cres­cen­te das ins­ti­tui­ções, fa­mí­li­as e pes­so­as sin­gu­la­res aos ór­gãos de Jus­ti­ça, en­tre eles os tri­bu­nais. E nu­ma al­tu­ra em que se acen­tua os co­nhe­ci­men­tos e in­for­ma­ções so­bre os direitos e li­ber­da­des, tal co­mo con­sa­gra­dos em mui­tas Cons­ti­tui­ções, au­men­ta o in­ter­ven­ci­o­nis­mo do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal. E pa­ra me­lhor de­sem­pe­nho des­te, a par­ti­lha e tro­ca de experiênci­as com ou­tras re­a­li­da­des cons­ti­tui um trun­fo ine­gá­vel, ra­zão pe­la qu­al as en­ti­da­des li­ga­das aos tri­bu­nais de­vem ti­rar sem­pre bom pro­vei­to dos con­gres­sos.

“Ho­je, o pa­pel dos Tri­bu­nais Cons­ti­tu­ci­o­nais já não se res­trin­ge à in­ter­pre­ta­ção do Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal na­ci­o­nal, iso­la­da­men­te. Os Tri­bu­nais Cons­ti­tu­ci­o­nais co­o­pe­ram en­tre si nu­ma ba­se bi­la­te­ral e a um ní­vel mul­ti­la­te­ral e, ca­da vez mais, de­fi­nem a sua vi­são so­bre a ju­ris­pru­dên­cia de ou­tros Tri­bu­nais Cons­ti­tu­ci­o­nais, a fim de en­con­trar so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas do­més­ti­cos que já fo­ram re­sol­vi­dos em ou­tras pa­ra­gens”, dis­se o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço.

Es­pe­ra­mos que do V con­gres­so da Con­fe­rên­cia das Ju­ris­di­ções Cons­ti­tu­ci­o­nais de Áfri­ca sai­am im­por­tan­tes de­ci­sões e re­co­men­da­ções que aju­dem a me­lho­rar as con­quis­tas al­can­ça­das, a cor­rec­ção dos er­ros e o for­ta­le­ci­men­to das con­di­ções pa­ra que o Es­ta­do de Di­rei­to vin­gue em Áfri­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.