Dí­vi­da ele­va­da im­pe­de me­lho­ria do “ra­ting”

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

O di­rec­tor do De­par­ta­men­to Afri­ca­no da agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra Fit­ch, Jan Fri­e­de­ri­ch, dis­se on­tem, à agên­cia Lu­sa, que ape­sar do “pro­gres­so im­pres­si­o­nan­te” de An­go­la nas re­for­mas, a dí­vi­da pú­bli­ca ain­da im­pe­de me­lho­ri­as no “ra­ting” do país.

“An­go­la fez um pro­gres­so im­pres­si­o­nan­te na im­ple­men­ta­ção das re­for­mas e foi mais além do que po­dia ser es­pe­ra­do há um ano, quan­do o no­vo Pre­si­den­te já es­ta­va no po­der”, dis­se Jan Fri­e­de­ri­ch.

O res­pon­sá­vel pe­lo De­par­ta­men­to Afri­ca­no na Fit­ch ex­pli­cou que is­so não é su­fi­ci­en­te pa­ra pen­sar nu­ma me­lho­ria do “ra­ting” atri­buí­do ao país, de­vi­do ao ele­va­do ní­vel de dí­vi­da pú­bli­ca em re­la­ção ao Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB), que se si­tua, se­gun­do da­dos do Go­ver­no, aci­ma dos 80 por cen­to.

“Te­mos An­go­la nu­ma pers­pec­ti­va de evo­lu­ção es­tá­vel e pa­ra já não ve­mos que ha­ja uma pres­são su­fi­ci­en­te­men­te for­te pa­ra mu­dar o “ra­ting”. Há mui­tas pres­sões, no­me­a­da­men­te so­bre a dí­vi­da, que é mui­to al­ta e o cus­to de ser­vir a dí­vi­da é mui­to pe­sa­do, o que co­lo­ca pres­são nas con­tas ex­ter­nas", re­al­çou o ana­lis­ta.

Ao res­pon­der so­bre a ra­zão de, pe­ran­te as re­for­mas lan­ça­das e o re­no­va­do in­te­res­se dos in­ves­ti­do­res em An­go­la, o “ra­ting” não ser me­lho­ra­do, o ana­lis­ta ex­pli­cou que is­to tem de ser vis­to, ten­do em con­ta o pro­gres­so que foi fei­to nas re­for­mas.

Pa­ra Jan Fri­e­de­ri­ch, “An­go­la ‘deu a vol­ta’ ao sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, ra­pi­da­men­te co­lo­ca­ram um no­vo re­gu­la­dor no sec­tor, ti­ran­do es­se pa­pel à So­nan­gol, o que foi um pas­so mui­to im­por­tan­te, da­da a im­por­tân­cia e os pro­ble­mas que en­fren­ta­va em ter­mos de su­bin­ves­ti­men­to” e acres­cen­tou que “vai ser mui­to in­te­res­san­te ver se is­so tem im­pac­to na re­cep­ção de in­ves­ti­men­tos e, par­ti­cu­lar­men­te, na no­va li­ci­ta­ção dos po­ços pe­tro­lí­fe­ros”, anun­ci­a­da na se­ma­na pas­sa­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Igual­men­te im­por­tan­te, acres­cen­tou Jan Fri­e­de­ri­ch, foi a mu­dan­ça drás­ti­ca na ta­xa de câm­bio, que apro­xi­mou o kwan­za do va­lor ac­tu­al, cau­san­do uma de­pre­ci­a­ção na mo­e­da, que faz com que se­ja “cru­ci­al ga­ran­tir que con­se­gue li­dar com os de­se­qui­lí­bri­os ex­ter­nos”.

Ques­ti­o­na­do so­bre se es­tas me­di­das e o pre­vi­sí­vel des­con­ten­ta­men­to po­pu­lar po­dem afec­tar o ím­pe­to re­for­mis­ta do Exe­cu­ti­vo, Jan Fri­e­de­ri­ch man­tém uma pers­pec­ti­va op­ti­mis­ta. “A pres­são so­bre o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro po­de ser um fac­tor pa­ra des­cer o PIB, mas não ve­jo que a pres­são eco­nó­mi­ca, a cur­to pra­zo, pos­sa fa­zer des­car­ri­lar o em­pe­nho do Go­ver­no nas re­for­mas, era pre­ci­so uma coi­sa mui­to gran­de pa­ra mu­dar a di­rec­ção po­lí­ti­ca”, con­si­de­rou o ana­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.