An­go­la é ho­je des­ta­que

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Cân­di­do Bes­sa | Lis­boa

An­go­la é des­ta­que na ses­são da tar­de de ho­je do Fó­rum de Ener­gia de Áfri­ca, com in­ter­ven­ções do se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia, An­tó­nio Bel­sa da Cos­ta, e de res­pon­sá­veis de em­pre­sas na­ci­o­nais li­ga­das ao sec­tor.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia tem, as­sim, mais uma opor­tu­ni­da­de de con­ven­cer os po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res e de­ci­so­res do sec­tor a in­ves­ti­rem em An­go­la, de­pois de já o ter fei­to na ma­nhã de ter­ça-fei­ra, pa­ra uma pla­teia com cer­ca de du­as mil pes­so­as.

Além de Bel­sa da Cos­ta, de­vem in­ter­vir o PCA da Re­de Na­ci­o­nal de Trans­por­tes de Elec­tri­ci­da­de (RNT-EP), Rui Gour­gel, o res­pon­sá­vel má­xi­mo do Ins­ti­tu­to Re­gu­la­dor dos Ser­vi­ços de Elec­tri­ci­da­de e de Água (IRSEA).

À mar­gem do fó­rum, de­cor­reu ter­ça-fei­ra um “cock­tail” em que in­ves­ti­do­res e de­ci­so­res apro­vei­ta­ram pa­ra con­tac­tos di­rec­tos. O po­lí­ti­co e an­ti­go vi­ce-pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês, Pau­lo Por­tas, foi um dos ora­do­res e des­ta­cou as po­ten­ci­a­li­da­des e opor­tu­ni­da­des que se abrem pa­ra o in­ves­ti­men­to ener­gé­ti­co em Áfri­ca. Pau­lo Por­tas des­ta­cou que, em fun­ção da ne­ces­si­da­de de ur­ba­ni­za­ção e da de­mo­gra­fia, há um gran­de po­ten­ci­al pa­ra in­ves­ti­men­to em ener­gia no con­ti­nen­te. per­de 2,3 mi­lhões de­les anu­al­men­te, de­vi­do a cons­tran­gi­men­tos em­pre­sa­ri­ais, que po­de­ri­am re­du­zir-se em um mi­lhão. “As qua­tro mai­o­res di­fi­cul­da­des sen­ti­das pe­las em­pre­sas es­tão re­la­ci­o­na­das com os go­ver­nos, co­mo aqui­si­ção de li­cen­ças, mau fun­ci­o­na­men­to dos tri­bu­nais, Co­mo exem­plo, o po­lí­ti­co e in­ves­ti­ga­dor dis­se que, até 2025, a Áfri­ca vai ter 15 ci­da­des com 15 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, o que vai pre­ci­sar de elec­tri­ci­da­de de qua­li­da­de pa­ra aten­der as in­dús­tri­as, pes­so­as e, igual­men­te, fa­ci­li­tar a mo­bi­li­da­de ur­ba­na.

So­bre An­go­la, o po­lí­ti­co des­ta­cou o pa­pel e os pas­sos que es­tão a ser da­dos no país. “An­go­la é uma po­tên­cia em Áfri­ca e es­tá a fa­zer o seu ca­mi­nho. Uma tran­si­ção nun­ca é sim­ples, nun­ca acon­te­ce de um dia pa­ra o ou­tro, mas es­tá a fa­zer uma tran­si­ção pa­ra uma eco­no­mia com mais con­cor­rên­cia e mais di­ver­si­fi­ca­da. Is­to é que é es­sen­ci­al”, dis­se o po­lí­ti­co, su­bli­nhan­do que o país tem mui­tas qua­li­da­des pa­ra atrair in­ves­ti­men­tos e que de­ve, por is­so, apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des.

“Até pa­ra apro­vei­tar o acor­do de li­vre co­mér­cio, quem ti­ver uma eco­no­mia mais di­ver­si­fi­ca­da, com me­lhor lo­gís­ti­ca, vai fa­zer che­gar os pro­du­tos mais de­pres­sa, mas ba­ra­to e com cus­tos mais re­du­zi­dos do que se pa­gar tarifas aé­re­as”, dis­se.

Ain­da ho­je, re­pre­sen­tan­tes da Ni­gé­ria, Etió­pia, Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e Zim­babwe vão, igual­men­te, apre­sen­tar os seus pro­jec­tos e bus­car con­ven­cer os in­ves­ti­do­res pre­sen­tes. ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e cor­rup­ção”, afir­mou.

Re­sol­ven­do ape­nas es­tes qua­tro prin­ci­pais pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com os go­ver­nos, o con­ti­nen­te re­du­zi­ria a per­da de pos­tos de tra­ba­lho em mais de um mi­lhão por ano, pa­ra me­nos de 1,3 mi­lhões, su­bli­nhou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.