Pre­si­den­te é con­tra a gre­ve dos ta­xis­tas

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Ro­que Sil­va

O pre­si­den­te da No­va Ali­an­ça dos Ta­xis­tas de An­go­la (Ana­ta), Ge­ral­do Wanga, de­nun­ci­ou, on­tem, a exis­tên­cia de um gru­po de in­di­ví­du­os iden­ti­fi­ca­dos, que têm usa­do o no­me da as­so­ci­a­ção pa­ra re­a­li­zar e pro­mo­ver ac­ti­vi­da­des clan­des­ti­nas, com o pro­pó­si­to de to­mar à di­rec­ção à re­ve­lia.

O di­ri­gen­te as­so­ci­a­ti­vo, que fa­la­va ao Jor­nal de An­go­la, re­a­gia a uma in­for­ma­ção que cir­cu­la nas re­des so­ci­ais , se­gun­do a qu­al a Ana­ta con­vo­cou os as­so­ci­a­dos pa­ra uma gre­ve com iní­cio no pas­sa­do dia 10.

A in­for­ma­ção, tam­bém pu­bli­ca­da num jor­nal, anun­cia “a pa­ra­li­sa­ção, me­di­an­te gre­ve, dos ta­xis­tas que fa­zem as ro­tas Vi­la de Ca­cu­a­co - Ben­fi­ca e Vi­la de Ca­cu­a­co - Zan­go 4 e vi­ce-ver­sa, de­vi­do aos abu­sos cons­tan­tes de au­to­ri­da­de de su­pos­tos agen­tes do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) e a fal­ta de pa­ra­gens”.

Ge­ral­do Wanga diz que de­mar­ca-se da in­for­ma­ção por tra­tar-se de “um gru­po de pes­so­as de­vi­da­men­te iden­ti­fi­ca­da, com in­ten­ção de fa­zer de­sa­cre­di­tar o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­la di­rec­ção da Ana­ta, vi­san­do cha­mar aten­ção dos mem­bros e for­çar uma ma­ni­fes­ta­ção, pa­ra no fi­nal to­ma­rem de as­sal­to a ges­tão da as­so­ci­a­ção”.

O pre­si­den­te da Ana­ta acu­sa o gru­po de ac­ções ile­gais na sequên­cia de “reu­niões clan­des­ti­nas” num es­cri­tó­rio de ad­vo­ga­dos em Vi­a­na, e “usam o lo­gó­ti­po da as­so­ci­a­ção pa­ra atrair os mem­bros e pro­mo­ve­rem ma­ni­fes­ta­ções”.

Ge­ral­do Wanga afir­mou que o ca­so foi de­nun­ci­a­do em Fe­ve­rei­ro ao Co­man­do Pro­vin­ci­al da Po­lí­cia de Lu­an­da e ao Go­ver­no da Pro­vín­cia de Lu­an­da, “mas até ao mo­men­to não hou­ve res­pos­ta”.

Tá­xis cir­cu­lam

O mo­vi­men­to dos “azuis e bran­cos” nas ro­tas em que o ser­vi­ço de tá­xi su­pos­ta­men­te es­ta­ria pa­ra­li­sa­do, após con­vo­ca­ção de gre­ve tem si­do re­gu­lar. A re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la per­cor­reu pe­los tra­jec­tos Vi­la de Ca­cu­a­co Ben­fi­ca e Vi­la de Ca­cu­a­co Zan­go 4 e con­fir­mou a pre­sen­ça mas­si­va des­tas vi­a­tu­ras a cir­cu­la­rem. As pa­ra­gens na ave­ni­da Fi­del de Cas­tro Ruz e na es­tra­da di­rei­ta do Zan­go não es­ta­vam lo­ta­das, sen­do as pes­so­as que usam es­se im­por­tan­te meio pa­ra se des­lo­ca­rem a es­co­la ou ao ser­vi­ço não ti­ve­ram qual­quer pro­ble­ma pa­ra se lo­co­mo­ve­rem.

Mar­ga­ri­da Pe­dro, mo­ra­do­ra do Zan­go, ex­pli­cou que não te­ve di­fi­cul­da­des em apa­nhar tá­xi. “Não há aglo­me­ra­do de pes­so­as nas pa­ra­gens. Fui e vol­tei do ser­vi­ço sem cons­tran­gi­men­tos ”.

O ta­xis­ta Yu­ri Bel­son, mem­bro da Ana­ta, dis­se que não ade­riu à gre­ve por co­nhe­cer o re­al­pro­ble­ma­que­as­so­la­a­di­rec­ção. Re­fe­riu que ape­sar da con­vo­ca­ção da gre­ve, “o am­bi­en­te de tra­ba­lho es­tá in­di­fe­ren­te”

Car­los Pau­li­no, por sua vez, con­fir­mou que há uma lu­ta pe­lo ca­dei­rão da as­so­ci­a­ção por­que “mui­tos pen­sam que a as­so­ci­a­ção fac­tu­ra mui­to”.

JOÃO GO­MES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Ge­ral­do Wanga re­a­fir­ma que os ta­xis­tas es­tão em ser­vi­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.