Jo­vens des­co­nhe­cem que cur­sos são grá­tis

Mui­tos jo­vens per­dem a opor­tu­ni­da­de de fa­ze­rem um cur­so de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal por não te­rem co­nhe­ci­men­to que os ci­clos for­ma­ti­vos são gratuitos

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Edi­val­do Cris­tó­vão

Gran­de par­te dos jo­vens des­co­nhe­ce os cri­té­ri­os de aces­so aos cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, cons­ta­tou o Jor­nal

de An­go­la nu­ma ron­da efec­tu­a­da por vá­ri­as re­giões do país. Mui­tos jo­vens dis­se­ram que nem se­quer se da­vam ao tra­ba­lho de sa­ber o que es­sas ins­ti­tui­ções têm dis­po­ní­veis na gre­lha for­ma­ti­va, por­que acham ca­ro ou “im­pos­sí­vel” o in­gres­so.

An­tó­nio Mar­ce­lo, 33 anos, re­si­den­te em Vi­a­na, é um des­ses mui­tos jo­vens. Con­tac­ta­do pe­la nos­sa re­por­ta­gem, dis­se que es­tá de­sem­pre­ga­do e sem­pre ocor­reu-lhe que os cur­sos fei­tos nos cen­tros de for­ma­ção eram pa­gos e ca­ros.

Mar­ce­lo re­si­de a pou­cos me­tros do Cen­tro de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal de Cons­tru­ção Ci­vil (CENFOC), uma ins­ti­tui­ção afec­ta ao Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (Ine­fop), lo­ca­li­za­do nas ime­di­a­ções da vi­la sa­té­li­te de Vi­a­na.

Se­gun­do as po­lí­ti­cas de em­pre­go, o cen­tro foi con­ce­bi­do co­mo um es­ta­be­le­ci­men­to pú­bli­co de re­fe­rên­cia, cu­jo ob­jec­to so­ci­al é a for­ma­ção, ca­pa­ci­ta­ção, apri­mo­ra­men­to de com­pe­tên­ci­as e pres­ta­ção de ser­vi­ços na área de cons­tru­ção ci­vil.

An­tó­nio Mar­ce­lo re­fe­riu que a fal­ta de in­for­ma­ção os cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal faz com que mui­tos jo­vens con­ti­nu­em no de­sem­pre­go, co­mo é o seu ca­so.

“Per­di o em­pre­go há cer­ca de dois anos nu­ma em­pre­sa pe­tro­lí­fe­ra, se an­tes sou­bes­se que com es­tes cur­sos se­ria pos­sí­vel en­trar no mer­ca­do de tra­ba­lho de for­ma mais di­rec­ta, já te­ria pro­cu­ra­do, ain­da com a van­ta­gem de não pa­gar na­da”, dis­se.

Por ora Mar­ce­lo não se­rá pos­sí­vel a ins­cri­ção pa­ra for­ma­ção no cen­tro de Vi­a­na, por­que o ci­clo for­ma­ti­vo es­tá em cur­so. Te­rá de es­pe­rar por ou­tras opor­tu­ni­da­des. A equi­pa de re­por­ta­gem do

Jor­nal de An­go­la vi­si­tou o cen­tro e apu­rou que foi inau­gu­ra­do em 2008 e des­de es­sa da­ta já for­mou cer­ca de se­te mil pro­fis­si­o­nais. Pa­ra es­te ano, es­tão ins­cri­tos 816 for­man­dos.

Pa­ra o in­gres­so no Cenfoc é exi­gi­do co­mo ha­bi­li­ta­ções li­te­rá­ri­as mí­ni­mas a 9ª clas­se ou ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal nos cur­sos de ar­tes e ofí­ci­os e ida­de mí­ni­ma de 16 anos, mas an­tes os can­di­da­tos têm de pas­sar por um tes­te de se­lec­ção.

Pe­tra Bo­a­vi­da Brás, 24 anos, tam­bém vi­ve pró­xi­mo do Cenfoc, em Vi­a­na. Dis­se que fi­cou a sa­ber da exis­tên­cia do cen­tro por cu­ri­o­si­da­de, mas ho­je fre­quen­ta o cur­so de Cons­tru­ção Ci­vil, por­que pre­ten­de apri­mo­rar a prá­ti­ca da­qui­lo que tem apren­di­do na uni­ver­si­da­de.

Es­tu­dan­te do se­gun­do ano do cur­so de En­ge­nha­ria Ci­vil, no Ins­ti­tuo Su­pe­ri­or In­ter­na­ci­o­nal Po­li­téc­ni­co de An­go­la (ISIA), a jo­vem es­tá op­ti­mis­ta quan­to ao fu­tu­ro. “Ten­do em con­ta que es­te cur­so en­glo­ba vá­ri­as áre­as téc­ni­cas, co­mo elec­tri­ci­da­de e hi­dráu­li­ca, é pre­ci­so ter no­ção da­qui­lo que pas­sa­rei a fa­zer no fu­tu­ro. A for­ma­ção tem a du­ra­ção de um ano e seis me­ses e pa­ra sair de ca­sa pa­ra o cen­tro, ape­nas fa­ço dez mi­nu­tos de car­ro”, dis­se.

Pe­tra Brás ape­la aos jo­vens que es­tão fo­ra do sis­te­ma de en­si­no a apro­vei­ta­rem as opor­tu­ni­da­des e po­de­rem fa­zer cur­sos que os po­de co­lo­car no mer­ca­do de tra­ba­lho ou mes­mo de­sen­vol­ver o pró­prio ne­gó­cio, por­que o país é gran­de e ain­da tem mui­tos de­sa­fi­os pe­la fren­te.

As­se­gu­rou que nun­ca pa­gou na­da no cen­tro, con­si­de­ran­do is­so co­mo uma mais va­lia pa­ra aque­les que não têm con­di­ções de pa­gar cur­sos em es­co­las téc­ni­cas pri­va­das. “Te­nho in­cen­ti­va­do os meus co­le­gas pa­ra tam­bém en­tra­rem no Cenfoc”, dis­se a jo­vem com um sor­ri­so nos lá­bi­os.

Con­tou que a sua pai­xão pe­lo cur­so de Cons­tru­ção Ci­vil sur­giu há mui­tos anos, por­que sem­pre que vi­a­ja­va e olha­va pa­ra as gran­des obras de en­ge­nha­ria fi­ca­va en­can­ta­da e ima­gi­na­va fa­zer par­te des­ses pro­jec­tos.

“De­pois de ter­mi­nar o cur­so, a me­ta é abrir a mi­nha pró­pria em­pre­sa, em­bo­ra pen­se que por ser mu­lher as por­tas nem sem­pre es­ta­rão aber­tas, mas, ain­da as­sim, te­nho de co­me­çar já a pen­sar em co­mo da­rei con­ti­nui­da­de à mi­nha car­rei­ra”, pers­pec­ti­vou.

Mar­ta de Al­mei­da é ou­tra jo­vem que ter­mi­nou o en­si­no mé­dio em 2014 e só es­te ano con­se­guiu en­trar pa­ra o cen­tro. Ain­da não es­tá na uni­ver­si­da­de por ques­tões fi­nan­cei­ras. En­trou pa­ra o Cenfoc atra­vés de uma ami­ga e op­tou tam­bém por fa­zer Cons­tru­ção Ci­vil, por­que ga­nhou pai­xão pe­la pro­fis­são de tan­to ver gran­des e mo­der­nas obras de en­ge­nha­ria.

Mar­ta de Al­mei­da dis­se que de­pois de con­cluir o cur­so pre­ten­de ter um em­pre­go o mais rá­pi­do pos­sí­vel, pa­ra po­der dar con­ti­nui­da­de aos es­tu­dos na uni­ver­si­da­de. “Ape­sar de ser um cur­so dis­cri­mi­na­do pa­ra as mu­lhe­res, ho­je te­nho uma ideia di­fe­ren­te, por­que to­dos so­mos ca­pa­zes quan­do qu­e­re­mos atin­gir um ob­jec­ti­vo”, sa­li­en­tou.

DR DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.