Oes­te-afri­ca­nos do­mi­nam pe­que­no co­mér­cio a re­ta­lho

Emi­gran­tes da Áfri­ca Oci­den­tal e Ori­en­tal do­mi­nam o mer­ca­do das lo­jas de pro­xi­mi­da­de. Mui­tos de­les es­tão, con­tu­do, su­jei­tos a con­tin­gên­ci­as li­ga­das à pri­mei­ra di­fi­cul­da­de que en­con­tram em An­go­la: a le­ga­li­za­ção

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ana Pau­lo

No­ven­ta e cin­co em ca­da cem afri­ca­nos re­si­den­tes em Lu­an­da de­di­cam-se ao co­mér­cio a re­ta­lho em armazéns, cantinas e pa­da­ri­as, ape­sar das vi­cis­si­tu­des por que pas­sam pa­ra a ma­nu­ten­ção dos ne­gó­ci­os, co­mo con­sequên­cia da bai­xa ta­xa de le­ga­li­za­ção mi­gra­tó­ria, ti­tu­la­ri­da­de pre­cá­ria das em­pre­sas, as­sal­tos, en­tre ou­tras si­tu­a­ções.

A in­for­ma­ção foi avan­ça­da ao Jor­nal de An­go­la pe­lo pre­si­den­te da Ac­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to dos Jo­vens An­go­la­nos e Es­tran­gei­ros (ADJAE), Toun­ka­ra Sai­dou. A or­ga­ni­za­ção con­gre­ga re­pre­sen­tan­tes das co­mu­ni­da­des afri­ca­nas im­plan­ta­das no país e ten­ta ac­tu­ar co­mo in­ter­lo­cu­to­ra jun­to das au­to­ri­da­des an­go­la­nas,

As co­mu­ni­da­des mais re­pre­sen­ta­ti­vas no país, de acor­do com Toun­ka­ra Sai­dou, pro­vêm da Gui­né-Co­na­cri, Cos­ta do Mar­fim, Ma­li, Eri­treia e Etió­pia, com co­mer­ci­an­tes em mai­or nú­me­ro de­di­ca­dos ao ne­gó­cio re­ta­lhis­ta, en­quan­to uma par­te me­nos sig­ni­fi­ca­ti­va es­tá li­ga­da aos armazéns e pa­da­ri­as.

A ADJAE, fun­da­da em 11 de Abril de 2007 e le­ga­li­za­da em 2010, ten­do ac­tu­al­men­te re­pre­sen­ta­ções na Huí­la, Lun­da-Sul, Ben­go e Hu­am­bo, pro­cu­ra tor­nar-se par­cei­ra de or­ga­nis­mos ins­ti­tu­ci­o­nais an­go­la­nos, co­mo o Ser­vi­ço de Mi­gra­ção e Es­tran­gei­ros (SME), Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Lu­an­da (GPL) e De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, aos quais os co­mer­ci­an­tes afri­ca­nos ofe­re­cem o que cha­mam de “co­o­pe­ra­ção”.

Toun­ka­ra Sai­dou afir­mou que a as­so­ci­a­ção pro­põe-se so­lu­ci­o­nar, com as au­to­ri­da­des, as ques­tões da con­ces­são e ac­tu­a­li­za­ção de re­si­dên­cia mi­gra­tó­ria, na au­sên­cia da qu­al fi­cam in­vi­a­bi­li­za­dos to­dos os ou­tros pro­ces­sos, in­cluin­do a pos­si­bi­li­da­de de tra­ba­lhar.

De tão pre­o­cu­pan­te, a si­tu­a­ção le­va a que, com al­gu­ma frequên­cia, a as­so­ci­a­ção se reú­na com as co­mu­ni­da­des, pa­ra en­con­trar um con­sen­so que le­ve à so­lu­ção das ques­tões da le­ga­li­za­ção mi­gra­tó­ria e da for­ma­li­za­ção dos ne­gó­ci­os.

A ofer­ta da ADJAE, já apre­sen­ta­da à Po­lí­cia Na­ci­o­nal, con­sis­te no re­for­ço da apro­xi­ma­ção com os as­so­ci­a­dos, ob­ten­do mai­or ca­pa­ci­da­de na pre­ven­ção dos cri­mes pra­ti­ca­dos con­tra os es­tran­gei­ros re­si­den­tes, co­mo as­sal­tos a cantinas e re­si­dên­ci­as, bem co­mo prá­ti­cas des­tes que vi­o­lem as leis an­go­la­nas e fi­ram a ima­gem das co­mu­ni­da­des, no que se in­clui o de­sen­co­ra­ja­men­to das en­tra­das ile­gais e o in­cen­ti­vo à le­ga­li­za­ção.

“Co­mo man­te­mos con­tac­to com os re­pre­sen­tan­tes das co­mu­ni­da­des, se­rá mais fá­cil in­te­ra­gir­mos e re­for­çar a co­o­pe­ra­ção com o SME”, fri­sou.

Uma pri­mei­ra ac­ção des­se con­sen­so é a cons­ti­tui­ção de um ca­das­tro que a ADJAE pre­ten­de con­du­zir em to­do o país e que já con­se­guiu de­ter­mi­nar, em Lu­an­da, mil cantinas ge­ri­das por afri­ca­nos. A amos­tra le­vou a in­fe­rir a es­ta­tís­ti­ca mais ge­ral de que 95 por cen­to dos re­si­den­tes da Áfri­ca Oci­den­tal e Ori­en­tal em An­go­la tra­ba­lha no co­mér­cio a re­ta­lho.

Tres­pas­se de al­va­rás

Toun­ka­ra Sai­dou de­cla­rou que as con­sequên­ci­as da au­sên­cia de pro­ces­sos de le­ga­li­za­ção são pre­ju­di­ci­ais pa­ra es­tes co­mer­ci­an­tes, que “con­tor­nam” es­sa di­fi­cul­da­de uti­li­zan­do al­va­rás co­mer­ci­ais de an­go­la­nos que se dis­põem a ne­go­ciá-los, tres­pas­san­do­os a es­tran­gei­ros.

Es­ta re­ve­la­ção do pre­si­den­te da ADJAE ex­pli­ca, par­ci­al­men­te, co­mo es­tes co­mer­ci­an­tes con­se­guem au­to­ri­za­ções pa­ra abrir e a man­ter ne­gó­ci­os, po­den­do le­var à conclusão de que re­sul­ta mais do trá­fi­co do al­va­rá, do que da sua emis­são in­de­vi­da.

De acor­do com Toun­ka­ra Sai­dou, a ma­nu­ten­ção de ne­gó­ci­os com al­va­rás tres­pas­sa­dos ge­ra uma ex­po­si­ção a cus­tos adi­ci­o­nais, so­bre­tu­do quan­do, co­mo é fre­quen­te, na al­tu­ra da li­qui­da­ção dos im­pos­tos, os ti­tu­la­res dos al­va­rás re­ce­be­rem os va­lo­res dos co­mer­ci­an­tes afri­ca­nos (re­ce­o­sos de fre­quen­tar ser­vi­ços pú­bli­cos pa­ra não de­nun­ci­a­rem a per­ma­nên­cia ile­gal no país), mas não pa­ga­rem à Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria.

Es­sa prá­ti­ca, la­men­tou, le­va a que as cantinas ge­ri­das por co­mer­ci­an­tes afri­ca­nos se­jam per­ma­nen­te­men­te “as­se­di­a­das”, de for­ma le­gí­ti­ma ou não, por re­pre­sen­tan­tes da Po­lí­cia Eco­nó­mi- ca e ou­tros ór­gãos en­car­re­gues da con­for­mi­da­de le­gal nos ne­gó­ci­os, ge­ran­do mul­tas, al­ter­ca­ções e ou­tras in­dis­po­si­ções.

Su­ce­dâ­ne­os são mais ba­ra­tos

A im­plan­ta­ção bem su­ce­di­da das cantinas no mer­ca­do es­tá li­ga­da à pro­xi­mi­da­de das áre­as re­si­den­ci­ais, mas tam­bém aos pre­ços mais aces­sí­veis da ofer­ta nes­ses es­ta­be­le­ci­men­tos, se­gun­do o pre­si­den­te da ADJAE.

A es­tra­té­gia, dis­se, re­si­de em es­ta­be­le­cer uma ofer­ta ba­se­a­da em su­ce­dâ­ne­os ou bens que pro­du­zem os mes­mos ní­veis de sa­tis­fa­ção en­tre os con­su­mi­do­res, mas de mar­cas me­nos re­pu­ta­das que as dis­po­ní­veis nos su­per­mer­ca­dos e su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais de to­po.

A ofer­ta das cantinas, re­co­nhe­ceu Toun­ka­ra Sai­dou, en­vol­ve pro­du­tos de mar­cas em pro­ces­so de afir­ma­ção e fi­de­li­za­ção, pa­ra o que os for­ne­ce­do­res es­ta­be­le­cem pre­ços in­fe­ri­o­res aos dos mes­mos bens de mar­cas que já con­quis­ta­ram o mer­ca­do.

Ao in­vés da Áfri­ca do Sul, Bra­sil, Por­tu­gal, Es­pa­nha ou Rei­no Uni­do, on­de a pro­du­ção obe­de­ce a pa­drões mais ri­go­ro­sos, os bens pe­los quais op­tam os do­nos das cantinas po­dem ter ori­gem na Gui­né-Co­na­cri, Gha­na, Chi­na ou In­do­né­sia, sen­do mui­tas ve­zes pro­du­zi­dos com me­nos cri­té­ri­os, sain­do tam­bém mais ba­ra­tos.

DR

AL­BER­TO PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Toun­ka­ra Sai­dou pre­si­den­te da ADJAE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.