Nyu­si acu­sa a Re­na­mo de ame­a­çar a po­pu­la­ção

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

O Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no, Fi­li­pe Nyu­si, dis­se ter­ça-fei­ra que há ho­mens da Re­na­mo que es­tão a ame­a­çar a po­pu­la­ção nas pro­vín­ci­as de Te­te e Ma­ni­ca, cen­tro de Mo­çam­bi­que, o que a prin­ci­pal for­ça da opo­si­ção ne­gou, re­fe­riu on­tem a Lu­sa.

“Há ho­mens da Re­na­mo no ma­to a ame­a­çar as po­pu­la­ções. Te­mos es­te pro­ble­ma em Mo­a­ti­ze, pro­vín­cia de Te­te, e no dis­tri­to de Bà­rué, Ma­ni­ca”, dis­se Fi­li­pe Nyu­si.

O Che­fe de Es­ta­do mo­çam­bi­ca­no fa­la­va du­ran­te um co­mí­cio na pro­vín­cia de Te­te, no cen­tro de Mo­çam­bi­que.

De acor­do com Nyu­si, as alegadas ame­a­ças do bra­ço ar­ma­do da Re­na­mo nes­tas re­giões es­tão a atra­sar o de­sen­vol­vi­men­to lo­cal, na me­di­da em que as po­pu­la­ções têm me­do de cir­cu­lar em de­ter­mi­na­dos pon­tos.

“Num des­tes dis­tri­tos, fi­cá­mos du­ran­te mui­to tem­po com três a cin­co es­co­las fe­cha­das por­que as cri­an­ças es­ta­vam com me­do de ir à es­co­la. Não po­de ha­ver mo­çam­bi­ca­nos a se­rem proi­bi­dos de cir­cu­lar”, afir­mou Nyu­si, acres­cen­tan­do que ca­so a si­tu­a­ção con­ti­nue as au­to­ri­da­des se­rão ori­en­ta­das a agir.

Con­tac­ta­do pe­la Lu­sa, o se­cre­tá­rio-ge­ral da Re­na­mo, An­dré Ma­ji­bi­re, con­si­de­rou la­men­tá­veis as de­cla­ra­ções do Che­fe de Es­ta­do e afir­mou que a Re­na­mo não es­tá a ame­a­çar as po­pu­la­ções.

“A Re­na­mo é pe­la paz e os seus sol­da­dos são pe­la tré­gua. Não exis­te ne­nhum mi­li­tar da Re­na­mo que an­da aí a dis­pa­rar”, dis­se à Lu­sa o se­cre­tá­rio-ge­ral do par­ti­do, que acres­cen­ta que os pro­nun­ci­a­men­tos do Pre­si­den­te fa­zem par­te de uma pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca, quan­do fal­tam pou­cos me­ses pa­ra as elei­ções ge­rais.

“No âm­bi­to das ne­go­ci­a­ções, foi cri­a­da uma co­mis­são pa­ra fis­ca­li­zar as tré­guas e os acor­dos. Por­que é que o Pre­si­den­te não fa­lou com a co­mis­são pa­ra ave­ri­guar es­tas alegadas ame­a­ças?”, ques­ti­o­nou o se­cre­tá­rio-ge­ral da Re­na­mo.

O Go­ver­no mo­çam­bi­ca­no e a Re­na­mo con­ti­nu­am a ne­go­ci­ar uma paz de­fi­ni­ti­va em Mo­çam­bi­que, ten­do as par­tes pre­vis­to que até Agos­to, an­tes das elei­ções de 15 de Ou­tu­bro, se­ja as­si­na­do um acor­do de paz no país.

Um dos pon­tos mais com­ple­xos das ne­go­ci­a­ções tem si­do a ques­tão do de­sar­ma­men­to, des­mo­bi­li­za­ção e rein­te­gra­ção dos ho­mens ar­ma­dos da Re­na­mo.

O prin­ci­pal par­ti­do da opo­si­ção exi­ge a pre­sen­ça dos seus qua­dros no Ser­vi­ço de In­for­ma­ção e Se­gu­ran­ça do Es­ta­do (SISE) e nas aca­de­mi­as mi­li­ta­res, o que não tem ti­do res­pos­ta por par­te do Exe­cu­ti­vo mo­çam­bi­ca­no.

Além do de­sar­ma­men­to e da in­te­gra­ção dos ho­mens do bra­ço ar­ma­do do mai­or par­ti­do da opo­si­ção nas For­ças Ar­ma­das, a agen­da ne­go­ci­al en­tre as du­as par­tes en­vol­via a des­cen­tra­li­za­ção do po­der, pon­to que já foi ul­tra­pas­sa­do com a re­vi­são da Cons­ti­tui­ção, em Ju­lho do ano pas­sa­do.

DR

Fi­li­pe Nyu­si fa­la da si­tu­a­ção no cen­tro de Mo­çam­bi­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.