Se­men­tes de abó­bo­ra

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

Fi­ze­ram-me uma ob­ser­va­ção de sin­gu­lar fi­lo­so­fia. Hou­ve um des­lum­bra­men­to con­fir­ma­do com actos po­lí­ti­cos re­ais. Mas, tal­vez se ti­ves­se co­me­ça­do a cor­rer mui­to rá­pi­do qua­se sem re­pa­rar nos ca­mi­nhos es­bu­ra­ca­dos e nas pes­so­as que emer­gi­am pa­ra a mu­dan­ça, qu­an­tos e mui­tos de ca­das­tro si­len­ci­o­so. To­da a gen­te se con­cen­trou na lu­ta con­tra a cor­rup­ção, pa­la­vra que pas­sou a in­cluir to­das as ili­ci­tu­des, cor­rom­per, ser cor­rom­pi­do, la­var di­nhei­ro, co­lo­car di­vi­sas lá fo­ra em pa­raí­sos fis­cais… e ain­da uma eli­te cri­mi­no­sa res­tri­ta que nun­ca foi re­ve­la­da. Cer­to que o prin­cí­pio com­ba­ter o que es­tá mal e me­lho­rar o que es­tá bem, por si, não de­fi­ne mal e bem. En­ten­da-se que cor­rup­ção é universal. Há até um Ins­ti­tu­to In­ter­na­ci­o­nal que clas­si­fi­ca os paí­ses mais cor­rup­tos e os me­nos cor­rup­tos. Mas a ques­tão não é es­sa. Aqui, du­ran­te dé­ca­das, fo­ram per­mi­ti­dos to­dos os actos de rou­ba­lhei­ra de co­la­ri­nho bran­co. To­dos sa­bi­am. O po­der e o po­vo. E quan­do se fa­la­va em cor­rup­ção era a do pe­que­no di­rec­tor de es­co­la que co­bra­va ma­trí­cu­la. E che­gou­se ao pon­to de os fe­nó­me­nos de ili­ci­tu­de eco­nó­mi­ca pas­sa­rem a ser a re­gra. O er­ro con­sis­te em que a cor­rup­ção se com­ba­te com pro­fi­la­xia e não com “me­di­ca­men­tos.” Pri­mei­ro foi rou­bar e dei­xar rou­bar pa­ra ago­ra se an­dar à pro­cu­ra de um anel de ou­ro per­di­do na areia. E é pre­ci­so não es­que­cer que o pri­mei­ro ac­to con­tra a cor­rup­ção foi o de tra­zer o pro­ces­so do cor­rup­tor pa­ra cá o que, até ago­ra, não dei­xa de ser pa­ra­do­xal.

Ca­da vez mais se le­van­tam vo­zes con­tra as imu­ni­da­des usa­das pa­ra pro­te­ger cri­mi­no­sos ou dos cha­ma­dos fo­ros pri­vi­le­gi­a­dos de for­ma a que a pes­soa re­fe­ri­da, não obs­tan­te a qua­se evi­dên­cia da pro­va acu­sa­tó­ria não ser jul­ga­da en­quan­to es­ti­ver no po­der. Ain­da ago­ra, uma ex-pre­si­den­te da Ar­gen­ti­na, car­re­ga­da de acu­sa­ções de mi­lhões de dó­la­res, é de­pu­ta­da, es­tá a ser jul­ga­da mas can­di­da­tou-se à vi­ce-pre­si­dên­cia da Ar­gen­ti­na…

En­tre nós é pre­ci­so pen­sar no que é es­sen­ci­al: a es­co­la. É na es­co­la que se en­si­nam os va­lo­res. To­dos e não co­me­çar a de­sa­pren­der quan­do o pai se vê obri­ga­do a en­tre­gar o di­nhei­ro à cri­an­ça pa­ra dar ao di­rec­tor…cor­rup­to. É na es­co­la. Não é na po­lí­ti­ca nem nos par­ti­dos que co­man­dam o Es­ta­do. Foi des­sas áre­as que saí­ram os he­róis que nos de­ram Pá­tria, mal sa­ben­do que ha­ve­ria de ser des­sas áre­as que ha­vi­am de sair os do­nos dis­to tu­do. De ar­ra­nha-céus, fa­zen­das que nun­ca vi­si­ta­ram, ban­cos, su­per­mer­ca­dos caí­dos do céu, clí­ni­cas, far­má­ci­as, con­do­mí­ni­os.

An­go­la pre­ci­sa de an­dar pa­ra a fren­te com to­dos. Mes­mo com os que rou­ba­ram e con­tra os quais não se fez pro­va. É pre­ci­so ter cau­te­la pa­ra não vi­o­lar prin­cí­pi­os: quem acu­sa é que tem de pro­var que al­guém ob­te­ve en­ri­que­ci­men­to sem cau­sa le­gí­ti­ma… não é o acu­sa­do que tem que pro­var que não fez mal. Por­tan­to va­mos pa­ra a fren­te com to­dos. Com os gran­des que dão em­pre­gos. Ima­gi­ne-se a iro­nia de o Es­ta­do na­ci­o­na­li­zar ou con­fis­car um gran­de su­per­mer­ca­do. Sen­do cer­to que não é mis­são do Es­ta­do ge­rir es­tru­tu­ras des­se ti­po, te­ria de a li­ci­tar por con­cur­so. E quem iria com­prar? Gen­te ri­ca, qui­çá da tur­ma. Por is­so, é pre­ci­so o con­tro­lo dos ser­vi­ços pú­bli­cos, do en­si­no par­ti­cu­lar sem qua­li­da­de co­mo as uni­ver­si­da­des que ven­dem cur­sos, o con­tro­lo das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, e o apoio aos pe­que­nos e mé­di­os agri­cul­to­res pa­ra se di­mi­nuí­rem as im­por­ta­ções. Tam­bém se im­põe a fis­ca­li­za­ção de obras pa­ra não an­dar­mos a fa­zer es­tra­das de dois em dois anos, dei­xar de cor­tar as ár­vo­res pa­ra de­pois apa­re­ce­rem as ra­vi­nas. No an­ti­ga­men­te, os co­lo­nos se­gui­am os ca­mi­nhos de nos­sos an­ces­trais que aca­ba­ram em es­tra­das de ter­ra ba­ti­da e mais tar­de com as­fal­to. Pu­nham bri­ta. Pas­sa­va o ci­lin­dro, de­pois o as­fal­to, as va­las pa­ra es­cor­rer as águas da chu­va. E ha­via a ca­sa do can­to­nei­ro, o ho­mem e aju­dan­tes que tra­ta­vam da ma­nu­ten­ção da via. Não cor­ta­vam ár­vo­res à bei­ra da es­tra­da. Por is­so não ha­via ra­vi­nas a gra­nel.

Ou­tro dia al­guém me te­le­fo­nou: “tio Rui, tem mon­ta­nhas de fru­ta de pe­que­nos cam­po­ne­ses que an­ti­ga­men­te vi­nham ven­der à bei­ra da es­tra­da on­de pas­sa­vam os ca­mi­o­nis­tas. Ago­ra tem es­tra­das on­de não se pas­sa e pa­ra Benguela já não vão os au­to­car­ros bo­ni­tos com te­le­vi­são e ca­sa de ba­nho. Por­que é que não man­dam he­li­cóp­te­ros da po­lí­cia e ou­tros aviões bus­car a fru­ta pa­ra as es­co­las se há uma da­ta de cam­pos de avi­a­ção de ter­ra ba­ti­da? Pi­or é que an­dam a im­por­tar fru­ta pa­ra ven­der nos su­per­mer­ca­dos.”

Ain­da lhe dis­se que es­sa dos he­li­cóp­te­ros é um exa­ge­ro, mas dei­xar apo­dre­cer a fru­ta ou a ba­ta­ta ou o mi­lho ou a man­di­o­ca é cri­me. É um cri­me co­lec­ti­vo, nos­so. Dis­se-lhe ain­da que já pas­sa mui­ta fru­ta na­ci­o­nal, prin­ci­pal­men­te nas qui­tan­dei­ras. Ain­da me lem­brei de Bel­gra­do, do tem­po da an­ti­ga Ju­gos­lá­via, com os car­ri­nhos de mão a as­sar ma­ça­ro­cas que eu co­mia com a avi­dez da mi­nha in­fân­cia. Ou as cas­ta­nhas, “quen­tes e bo­as” em Lis­boa. Ou os car­ri­nhos com fru­ta na rua do Le­me no Rio de Ja­nei­ro. Ou as ten­das com água de co­co no Mé­xi­co…

E fui ao su­per­mer­ca­do com tan­ge­ri­na im­por­ta­da, ce­re­jas, ta­ma­rin­do e, de es­pan­to, se­men­tes de abó­bo­ra tor­ra­das, im­por­ta­das de Por­tu­gal, as se­men­tes, ba­ra­tas, que nós co­mía­mos no po­bre ci­ne­ma dos bom­bei­ros em Coim­bra. Se­men­tes de abó­bo­ra! Co­mo é que se con­se­gue im­por­tar is­so se não há nas far­má­ci­as fár­ma­cos pa­ra di­a­bé­ti­cos?

Por­que é que não man­dam he­li­cóp­te­ros da po­lí­cia e ou­tros aviões bus­car a fru­ta pa­ra as es­co­las se há uma da­ta de cam­pos de avi­a­ção de ter­ra ba­ti­da? Pi­or é que an­dam a im­por­tar fru­ta pa­ra ven­der nos su­per­mer­ca­dos

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Ma­nu­el Rui

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.