PAPE cria opor­tu­ni­da­des

Jornal de Angola - - ESPECIAL -

O Pla­no de Ac­ção de Pro­mo­ção à Em­pre­ga­bi­li­da­de (Pape) é um dos pro­jec­tos cri­a­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra di­mi­nuir o ín­di­ce de de­sem­pre­go no país, que ron­da os 28,8 por cen­to da po­pu­la­ção ac­ti­va, cer­ca de três mi­lhões de pes­so­as, se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE).

O Pla­no pre­vê a cri­a­ção de 250 mil em­pre­gos e se­rá im­ple­men­ta­do du­ran­te três anos, en­tre 2019 e 2021. Vai be­ne­fi­ci­ar um uni­ver­so de mais de 250 mil jo­vens, com a con­cep­ção de mi­cro-cré­di­tos, cur­sos de em­pre­en­de­do­ris­mo e de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal.

Apro­va­do re­cen­te­men­te pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, atra­vés do De­cre­to 113/19, de 16 Abril, o PAPE pre­vê a dis­po­ni­bi­li­za­ção de 21 mil mi­lhões de kwan­zas, cor­res­pon­den­tes a 65,6 mi­lhões de dó­la­res, pa­ra a pro­mo­ção do em­pre­go.

O PAPE pre­vê for­mar, em três anos, 12 mil jo­vens em em­pre­en­de­do­ris­mo, 15 mil em cur­sos de cur­ta du­ra­ção, a atri­bui­ção de dez mil mi­cro-cré­di­tos pa­ra apoio a ne­gó­ci­os, a dis­tri­bui­ção de 42 mil kits de vá­ri­as pro­fis­sões, com re­al­ce pa­ra pe­drei­ro, la­dri­lha­dor, car­pin­tei­ro, ca­na­li­za­dor, elec­tri­cis­ta, pin­tor, jar­di­nei­ro, sol­da­dor, ca­be­lei­rei­ro, bar­bei­ro, pe­di­cu­re, ma­ni­cu­re, en­tre ou­tros.

O mon­tan­te do cré­di­to a ser atri­buí­do pe­lo PAPE ron­da o equi­va­len­te em kwan­zas en­tre mil e cin­co mil dó­la­res, com uma ta­xa de ju­ro de um por cen­to e pe­río­do de ca­rên­cia de três me­ses, a ser ope­ra­ci­o­na­li­za­do ini­ci­al­men­te pe­lo Ban­co Sol.

O PAPE vai be­ne­fi­ci­ar, fun­da­men­tal­men­te, jo­vens à pro­cu­ra do pri­mei­ro em­pre­go, for­ma­dos com ne­ces­si­da­de de apoio ins­ti­tu­ci­o­nal de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e quem já de­sen­vol­ve al­gu­ma ac­ti­vi­da­de pro­fis­si­o­nal, mas ca­re­ce de in­cen­ti­vos fi­nan­cei­ros, pa­ra a con­cre­ti­za­ção dos seus ob­jec­ti­vos.

O Pro­gra­ma abran­ge tam­bém jo­vens com idei­as de ne­gó­cio, que pre­ten­dam im­ple­men­tá-los e aque­les que pre­ci­sam de me­lho­rar as con­di­ções de tra­ba­lho pa­ra au­men­tar a pro­du­ção.

O PAPE de­ve­rá pres­tar par­ti­cu­lar aten­ção à mu­lher, por en­ten­der que no seg­men­to dos de­sem­pre­ga­dos elas ocu­pam uma per­cen­ta­gem mai­or.

Cri­té­ri­os dos cen­tros

O Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal con­ta, nes­te mo­men­to, com 722 uni­da­des for­ma­ti­vas, das quais 544 são pri­va­das e 34 de ou­tros or­ga­nis­mos. Des­tes nú­me­ros, 144 cen­tros são pú­bli­cos, sob tu­te­la do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (INE­FOP).

No qua­dro da im­ple­men­ta­ção do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal 2018-2022, o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al tem du­as gran­des mis­sões, con­subs­tan­ci­a­das no re­for­ço da ca­pa­ci­da­de do sis­te­ma na­ci­o­nal de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e o da pro­mo­ção da em­pre­ga­bi­li­da­de.

Além da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, o Exe­cu­ti­vo tem vin­do a im­ple­men­tar po­lí­ti­cas ac­ti­vas de em­pre­go, on­de se des­ta­cam os pro­gra­mas de fo­men­to ao au­to-em­pre­go, mi­cro-cré­di­to e for­ma­li­za­ção das ac­ti­vi­da­des in­for­mais.

O di­rec­tor do Cenfoc, Ma­nu­el Pi­men­tel ,dis­se que os cri­té­ri­os pa­ra en­tra­da no Cenfoc são sim­ples, rá­pi­dos e sem bu­ro­cra­cia. Um dos cri­té­ri­os exi­gi­dos é ter 16 anos.

O cen­tro tem du­as áre­as es­pe­cí­fi­cas de for­ma­ção e qua­li­fi­ca­ção, que são as de Cons­tru­ção Ci­vil e Me­ta­lo­me­câ­ni­ca, que in­clu­em as es­pe­ci­a­li­da­des de pe­drei­ro, la­dri­lha­dor, pin­tor, ca­na­li­za­dor, es­tu­ca­dor, téc­ni­co de frio, car­pin­tei­ro de for­ma, as­sis­ten­te de ti­po­gra­fia, aná­li­ses e tes­tes, ma­te­ri­ais de cons­tru­ção e mon­ta­do­res de es­tru­tu­ras me­tá­li­cas.

Se­gun­do o di­rec­tor, o cen­tro foi cons­ti­tuí­do pa­ra for­mar qua­dros ope­rá­ri­os mé­di­os e téc­ni­cos su­pe­ri­o­res, in­clui tam­bém cur­sos com­ple­men­ta­res e per­so­na­li­za­dos, di­rec­ci­o­na­dos a um pú­bli­co mais avan­ça­do, des­de es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os a en­ge­nhei­ros.

O Cenfoc tem for­ma­ções di­rec­ci­o­na­das às em­pre­sas por so­li­ci­ta­ções pa­ra po­de­rem qua­li­fi­car o seu pes­so­al, sen­do que es­te ano já for­ma­ram qua­dros de qua­tro ins­ti­tui­ções.

“Anu­al­men­te re­ce­be­mos cer­ca de 12 alu­nos uni­ver­si­tá­ri­os, en­tre os quais seis mu­lhe­res. O nú­me­ro tem es­ta­do a su­bir, prin­ci­pal­men­te pa­ra os cur­sos de qua­li­fi­ca­ção, co­mo ener­gi­as re­no­vá­veis, ca­na­li­za­ção, ti­po­gra­fia e mon­ta­do­res de es­tru­tu­ras me­tá­li­cas”, dis­se.

Re­fe­riu que pa­ra os cur­sos de qua­li­fi­ca­ção, os for­man­dos não pa­gam na­da, o pa­ga­men­to só é exi­gi­do àque­las es­pe­ci­a­li­da­des em que os for­ma­do­res são co­la­bo­ra­do­res, tais co­mo as for­ma­ções de Con­ta­bi­li­da­de e Fi­nan­ças In­for­ma­ti­za­da, Ges­tão de Re­cur­sos Hu­ma­nos, Se­cre­ta­ri­a­do Exe­cu­ti­vo, De­co­ra­ção e De­se­nho de In­te­ri­o­res, Ex­cel Avan­ça­do, en­tre ou­tros.

Os for­ma­do­res des­sas es­pe­ci­a­li­da­des são re­mu­ne­ra­dos com a com­par­ti­ci­pa­ção dos for­man­dos, que in­de­pen­den­te­men­te do cur­so pa­gam em mé­dia três mil kwan­zas, num cur­so que po­de ter du­ra­ção de três se­ma­nas, em­bo­ra al­guns ci­clos de­mo­rem mais tem­po, em fun­ção da sua com­ple­xi­da­de, e po­dem pa­gar no má­xi­mo até 30 mil kwan­zas.

A mo­da­li­da­de de pa­ga­men­to é em fun­ção do va­lor, os mais ca­ros po­dem pa­gar a pres­ta­ções. Os cur­sos que não se pa­gam são os de es­pe­ci­a­li­za­ção.

O Cenfoc dis­põe de um la­bo­ra­tó­rio cen­tral, lo­ca­li­za­do na Vi­la Chi­ne­sa, to­tal­men­te equi­pa­do pa­ra a re­a­li­za­ção de en­sai­os em so­los, agre­ga­dos e ro­chas, be­tões hi­dráu­li­cos e mis­tu­ras be­tu­mi­no­sas. Re­a­li­za ain­da con­tro­lo de qua­li­da­de em obras.

Di­rec­tor Ma­nu­el Pi­men­tel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.