CAR­TAS DOS LEI­TO­RES ESCREVA-NOS

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

De­sa­fi­os eco­nó­mi­cos

Es­cre­vo pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra fa­lar so­bre um dos as­sun­tos que tem pre­do­mi­na­do em mei­os aca­dé­mi­cos, con­ver­sas de bar e até nos mer­ca­dos: a eco­no­mia e as es­tra­té­gi­as que exis­tem ou não pa­ra fa­zer com que ela cres­ça e com a ge­ra­ção de ri­que­za le­var An­go­la a evo­luir po­si­ti­va­men­te pa­ra er­ra­di­car os in­di­ca­do­res so­ci­ais que nos ago­ni­zam a to­dos. Há sec­to­res que de­fen­dem que o Es­ta­do de­ve con­ti­nu­ar a in­ves­tir em pro­gra­mas de com­ba­te à po­bre­za, em que as co­mu­ni­da­des se­jam en­vol­vi­das. Ou­tros de­fen­dem que as po­lí­ti­cas pú­bli­cas de­vem in­ci­dir mais na vi­a­bi­li­za­ção da ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va em que os pri­va­dos te­nham o pa­pel que de­les se es­pe­ra co­mo en­ti­da­des ge­ra­do­ras de pos­tos de tra­ba­lho. Ho­je, te­mos um Es­ta­do que ac­tua sob aque­les dois sig­nos, o da as­sis­tên­cia aos po­bres e o do “em­power­ment” dos nos­sos em­pre­sá­ri­os. En­tre pro­mo­ver pro­gra­mas de com­ba­te à po­bre­za e vi­a­bi­li­zar mai­or es­pa­ço de ma­no­bra aos pri­va­dos, com fa­ci­li­da­de de li­vre aces­so aos fi­nan­ci­a­men­tos e in­cen­ti­vos fis­cais, não há dú­vi­das de que a se­gun­da op­ção é sem­pre a mais acon­se­lhá­vel. O as­sis­ten­ci­a­lis­mo nun­ca foi ge­ra­dor de de­sen­vol­vi­men­to, na me­di­da em que aca­ba por con­tri­buir pa­ra que as po­pu­la­ções, par­te de­la eco­no­mi­ca­men­te ac­ti­va, con­ti­nue na oci­o­si­da­de. As po­pu­la­ções de­vem ser in­cen­ti­va­das a fa­zer al­gu­ma coi­sa pa­ra a sua pró­pria sub­sis­tên­cia, em vez de es­pe­ra­rem por ini­ci­a­ti­vas dos ór­gãos do Es­ta­do, tra­du­zi­das em ofer­tas de bens, que re­me­dei­em a sua con­di­ção. As co­mu­ni­da­des de­vem, sem­pre que pos­sí­vel, exi­gir das en­ti­da­des pú­bli­cas, a en­tre­ga de an­zol em de­tri­men­to de pei­xe. AN­TÓ­NIO COMBOIO Mar­çal

De­pó­si­to do li­xo

A for­ma co­mo dis­po­mos do li­xo a par­tir de ca­sa e da co­mu­ni­da­de aca­ba por de­ter­mi­nar a ma­nei­ra co­mo os re­sí­du­os são dis­pos­tos em lo­cais apro­pri­a­dos ou pre­vis­tos. Mui­tas das queixas re­la­ci­o­na­das com o li­xo, tal co­mo as fa­mí­li­as dis­põem de­le a par­tir de ca­sa, co­mu­ni­da­de e jun­to ao con­ten­tor, con­ti­nu­am a ser de­sa­fi­a­do­ras. Em mui­tos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos, a pre­sen­ça de re­sí­du­os jun­to das re­si­dên­ci­as é uma re­a­li­da­de que pre­ci­sa de ser com­ba­ti­da com cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção, edu­ca­ção e vo­lun­ta­ris­mo. É pre­ci­so que as pes­so­as sai­bam e ga­nhem cons­ci­ên­cia de que só man­ten­do lim­pa­aá­re­a­em­que­no­sen­con­tra­mos po­de­re­mos go­zar de me­lhor saú­de. O li­xo sob to­das as for­mas em que se apre­sen­ta de­ve cons­ti­tuir sem­pre fon­te de pre­o­cu­pa­ção pa­ra as pes­so­as. Lem­bro-me que an­ti­ga­men­te as co­mu­ni­da­des ti­nham o cos­tu­me sau­dá­vel de fa­zer tra­ba­lho vo­lun­tá­rio, aos fins-de-se­ma­na, que ti­nham co­mo fo­co lim­par as ru­as dos bair­ros. Acho que se de­ve in­cen­ti­var a cri­a­ção de co­mis­sões de bair­ro, uma re­a­li­da­de que já exis­tia an­ti­ga­men­te e que ser­via pa­ra aju­dar a re­sol­ver nu­me­ro­sos pro­ble­mas que os bair­ros vi­vi­am. Não con­si­go en­ten­der co­mo é que, ho­je, as co­mu­ni­da­des es­tão a ser to­ma­das pe­lo há­bi­to do in­di­vi­du­a­lis­mo, do ca­da um por si e Deus por to­dos. A união faz a for­ça, tra­ta-se de um axi­o­ma an­ti­go que pre­ci­sa vol­tar e fa­zer par­te dos pres­su­pos­tos em que as­sen­tam a vi­da em co­mu­ni­da­de. Afi­nal de con­tas, o li­xo é um pro­ble­ma de to­dos e não de­ve ser re­sol­vi­do in­di­vi­du­al­men­te, so­bre­tu­do quan­do o im­pac­to afec­ta to­da a co­mu­ni­da­de. Pa­ra ter­mi­nar, es­pe­ro dei­xar pa­la­vras de in­cen­ti­vo pa­ra me­lhor tra­ta­men­to do li­xo que, co­mo se sa­be, mui­tas ve­zes co­me­ça com um sim­ples pa­pel no chão ou ar­re­mes­so de gar­ra­fa ou la­ta no chão. ALE­XAN­DRE LI­MA Di­mu­ka

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.