An­go­la e a de­fe­sa da nos­sa Bi­o­di­ver­si­da­de

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ma­nu­el Rui

Pa­ra além dos “tro­pis­mos” de Trump, do ho­je vou ama­nhã ame­a­ço, ras­go es­te acor­do e mais o ou­tro, o mun­do tem si­do, re­cen­te­men­te, aba­na­do pe­la Ama­zó­nia, a mai­or flo­res­ta do pla­ne­ta, pa­tri­mó­nio da hu­ma­ni­da­de que Bol­so­na­ro, por lap­so, gri­tou que foi con­quis­ta­da pe­los seus an­te­pas­sa­dos dan­do um pon­ta­pé na his­tó­ria que cha­mou con­quis­ta à in­va­são e qua­se ex­ter­mí­nio mes­mo epis­ti­mi­ci­dio (des­trui­ção exis­ten­ci­al) dos ín­di­os, es­que­cen­do até o Pa­dre An­tó­nio Vi­ei­ra e seus ser­mões. E a te­le­no­ve­la che­gou ao pon­to de se com­pa­rar, as fi­gu­ras da pri­mei­ra-da­ma bra­si­lei­ra e a fran­ce­sa num mau gos­to de com­pa­rar um Fer­ra­ri a um ca­lhor­da…só fal­tou aque­la can­ti­ga do Ro­ber­to Car­los…

Ho­je, o ho­mem co­mum apren­de pe­la mé­dia, no­va se­mân­ti­ca com pa­la­vras li­ga­das às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas cau­sa­das pe­la cons­tan­te e cres­cen­te von­ta­de do ser hu­ma­no em do­mi­nar a na­tu­re­za de­sen­vol­ven­do al­te­ra­ções po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas, prin­ci­pal­men­te pe­la uti­li­za­ção da ener­gia pro­du­zi­da por fós­seis co­mo o pe­tró­leo e o car­vão mi­ne­ral com as quais che­gou aos au­to­mó­veis, aos aviões ou bar­cos do ta­ma­nho do Ti­tâ­ni­ca. Pa­la­vras co­mo bi­o­di­ver­si­da­de e ecos­sis­te­mas es­tão na ber­ra. Bi­o­di­ver­si­da­de é “a va­ri­a­bi­li­da­de en­tre os se­res vi­vos de to­das as ori­gens, a ter­res­tre, a ma­ri­nha e ou­tros ecos­sis­te­mas aquá­ti­cos e os com­ple­xos eco­ló­gi­cos dos quais fa­zem par­te.” Já ago­ra, ecos­sis­te­ma sig­ni­fi­ca o sis­te­ma on­de se vi­ve, o con­jun­to de ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas, quí­mi­cas e bi­o­ló­gi­cas que in­flu­en­ci­am a exis­tên­cia de uma es­pé­cie ani­mal ou ve­ge­tal.

A im­por­tân­cia prin­ci­pal da Ama­zó­nia pa­ra a hu­ma­ni­da­de é a do equi­lí­brio eco­ló­gi­co pa­ra além de to­da uma in­fi­ni­da­de de es­pé­ci­es ani­mais e ve­ge­tais. A Ama­zó­nia não es­ca­pou à in­ten­ção hu­ma­na de des­truir pa­ra fa­zer, daí que a sua des­ma­ta­ção, opon­do ru­ra­lis­tas (do agro ou ga­rim­po) e os am­bi­en­ta­lis­tas que de­fen­dem a flo­res­ta te­nha cres­ci­do de for­ma sur­da mas as­sus­ta­do­ra, ten­do le­va­do paí­ses do­a­do­res pa­ra a con­ser­va­ção da flo­res­ta a ame­a­ça­rem sus­pen­der as do­a­ções. Não es­que­cer que a Ama­zó­nia tem se­te mi­lhões de km2, abran­ge se­te es­ta­dos bra­si­lei­ros e no­ve paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, 30 mil es­pé­ci­es de plan­tas, trin­ta mi­lhões de es­pé­ci­es de ani­mais, in­clui 20% dos re­cur­sos hí­dri­cos de to­do o pla­ne­ta, con­tri­buin­do, di­rec­ta­men­te, pa­ra o equi­lí­brio cli­má­ti­co da ter­ra.

Mas é tem­po de pen­sar­mos em nós, An­go­la, que ain­da va­mos sen­do um pa­raí­so de bi­o­di­ver­si­da­de com a van­ta­gem de ser­mos pou­cos pa­ra tan­ta ter­ra. E é tem­po por­que po­de­rá che­gar um dia em que os que saí­ram do oci­den­te pa­ra in­va­dir a Áfri­ca, a Amé­ri­ca ou a Ásia, nos vol­tem a in­va­dir pa­ra ti­rar a água.

Uma ci­da­dã mo­çam­bi­ca­na, de fi­lho nas cos­tas, fa­lou pa­ra um en­tre­vis­ta­dor eu­ro­peu: “to­dos os di­as pas­sam gran­des ca­miões com os nos­sos tron­cos gros­sos de ár­vo­res, ma­dei­ra pa­ra ir pa­ra o es­tran­gei­ro… e nós não te­mos car­tei­ras de ma­dei­ra pa­ra as nos­sas cri­an­ças.” De­fi­niu o que ain­da per­sis­te na re­la­ção nor­te-sul. Ou­tro dia, li­guei a eu­ro­news e vi e ou­vi a nos­sa mi­nis­tra do Am­bi­en­te que eu ad­mi­ro co­mo ci­en­tis­ta e de­fen­so­ra da nos­sa bi­o­di­ver­si­da­de, fa­lan­do sim­ples e dan­do uma au­la. Se­ria bom que ou­tros go­ver­nan­tes sou­bes­sem co­mo ela da­qui­lo que go­ver­nam. Te­mos da­dos pas­sos em fren­te mes­mo aqui per­to na Qui­ça­ma. Não de­ve­mos es­que­cer que fa­ze­mos par­te da ba­cia do Con­go on­de es­tá a 2ª ma­jes­ta­de ver­de do mun­do, o Mai­om­be, tam­bém pa­tri­mó­nio da hu­ma­ni­da­de, abran­gen­do se­te paí­ses en­tre os quais An­go­la. Tem uma gran­de bi­o­di­ver­si­da­de com go­ri­las, le­o­par­dos, gi­ra­fas, ele­fan­tes, leões e mais de 400 ou­tras es­pé­ci­es e ain­da mais de dez mil es­pé­ci­es de plan­tas.

Ago­ra, nu­ma cor­ri­da con­tra o tem­po, a lu­ta pe­la des­car­bo­ni­za­ção que pres­su­põe a subs­ti­tui­ção das ener­gi­as fós­seis, cha­ma­das su­jas, pe­las lim­pas co­mo as ob­ti­das pe­lo ven­to e pe­lo sol, sur­gem os car­ros eléc­tri­cos e mes­mo o pe­que­no Por­tu­gal já en­trou no prin­cí­pio da subs­ti­tui­ção. No en­tan­to, não se­rá tão ce­do que a hu­ma­ni­da­de se des­car­bo­ni­ze. Po­rém, quan­to mais os paí­ses de­sen­vol­vi­dos di­mi­nuí­rem as emis­sões de car­bo­no mais em­pre­sas vi­rão pa­ra Áfri­ca trans­fe­rir fá­bri­cas de veí­cu­los a ga­so­li­na, ga­só­leo ou me­ta­nol pa­ra Áfri­ca. Se­ria bom que nos con­tra­tos fi­gu­ras­se a re­con­ver­são pa­ra ener­gi­as lim­pas, de for­ma fa­se­a­da e com for­ma­ção de pes­so­al lo­cal.

Co­mo dis­se o fi­ló­so­fo Aris­tó­te­les, o ho­mem é um ani­mal po­lí­ti­co. E nes­tas coi­sas de cli­ma man­da a po­lí­ti­ca que vi­sa o lu­cro ime­di­a­to, ocul­ta da po­lui­ção a fór­mu­la 1, o li­xo es­pa­ci­al de que pou­cas ve­zes se fa­la e a ca­deia ali­men­tar pois as fe­zes do ga­do das gran­des fa­zen­das, pa­ra além dos com­bus­tí­veis pa­ra as má­qui­nas, são uma fá­bri­ca de car­bo­no pe­las fe­zes dos ani­mais. Daí que al­guns am­bi­en­ta­lis­tas, pa­ra dar o exem­plo, aban­do­na­ram a car­ne da sua di­e­ta ali­men­tar. Quer di­zer, adeus chur­ras­cos, se­rá? Uma coi­sa é cer­ta, não se­rá pos­sí­vel vol­tar ao an­tes de. Fo­ram mi­lhões de anos até o nos­so cór­tex ce­re­bral che­gar a es­te es­ta­do de in­ven­tar in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, ven­do­se ao es­pe­lho, sem sa­ber o la­do de lá do es­pe­lho que é o de­pois da vi­da que quan­do aca­bar não po­de­rá ser con­ta­da por já não ha­ver his­tó­ria. O ho­mem pa­ra in­ven­tar foi ata­can­do a mãe de to­dos nós que é a na­tu­re­za e pa­re­ce que nun­ca con­se­gui­rá in­ven­tar ou­tra. O Blo­co de Es­quer­da, par­ti­do po­lí­ti­co por­tu­guês tem uma pa­la­vra de or­dem in­te­res­san­te no que con­cer­ne ao cli­ma: “não há pla­ne­ta B.”

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.