Aci­den­tes de tra­ba­lho já ma­ta­ram 13 pes­so­as

Com­pa­ra­ti­va­men­te ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, es­te ano hou­ve me­nos dois ca­sos de aci­den­tes de tra­ba­lho, dos quais 664 le­ves, 87 gra­ves e 13 mor­tos

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Edi­val­do Cris­tó­vão

Tre­ze tra­ba­lha­do­res mor­re­ram em aci­den­tes la­bo­rais no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, anun­ci­ou, on­tem, a Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho (IGT). Ao to­do, fo­ram 764 aci­den­tes de tra­ba­lho, dos quais 664 le­ves, 87 gra­ves e 13 mor­tais. Hou­ve uma re­du­ção de dois aci­den­tes em re­la­ção a igual pe­río­do do ano pas­sa­do, em que fo­ram re­gis­ta­dos 766 ca­sos. A ins­pec­to­ra-ge­ral, Nzin­ga do Céu, apon­tou os trans­por­tes, pres­ta­ção de ser­vi­ços e cons­tru­ção ci­vil co­mo os sec­to­res com mais aci­den­tes de tra­ba­lho.

Pe­lo me­nos 13 pes­so­as mor­re­ram em aci­den­tes de tra­ba­lhos, du­ran­te o pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano no país, nu­ma al­tu­ra em que fo­ram re­gis­ta­dos 764 aci­den­tes, re­ve­lou on­tem, em Lu­an­da, fonte da Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho (IGT).

Do nú­me­ro de ca­sos re­gis­ta­dos, cons­tam 664 aci­den­tes le­ves e 87 gra­ves, dis­se a ins­pec­to­ra ge­ral, Nzi­na do Céu, re­fe­rin­do que hou­ve uma di­mi­nui­ção de dois ca­sos, com­pa­ra­ti­va­men­te a igual pe­río­do do ano pas­sa­do em que fo­ram con­ta­bi­li­za­dos um total de 766 aci­den­tes.

Com ba­se nis­so, as em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das es­tão a ser sen­si­bi­li­za­das pe­la Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho (IGT), no sen­ti­do de ga­ran­ti­rem me­lho­res con­di­ções de se­gu­ran­ça aos tra­ba­lha­do­res, vi­san­do atin­gir a “me­ta ze­ro” em ter­mo de aci­den­tes la­bo­rais.

Os da­dos fo­ram avan­ça­dos, du­ran­te o pri­mei­ro en­con­tro so­bre saú­de e bem-es­tar no tra­ba­lho, re­a­li­za­do on­tem, em Lu­an­da, pe­lo Cen­tro de Se­gu­ran­ça e Saú­de no Tra­ba­lho (CSST), que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de 40 em­pre­sas.

Nzin­ga do Céu dis­se na oca­sião, que as ques­tões re­la­ci­o­na­das com a se­gu­ran­ça, saú­de e hi­gi­e­ne nos lo­cais de tra­ba­lho, de­vem ser en­ca­ra­das com mui­ta im­por­tân­cia e res­pon­sa­bi­li­da­de, ra­zão pe­la qual a ins­ti­tui­ção vai con­ti­nu­ar a iden­ti­fi­car os sec­to­res que mais in­cum­prem com as exi­gên­ci­as pre­co­ni­za­das.

Com o ob­jec­ti­vo de al­can­çar a “me­ta ze­ro em aci­den­tes de tra­ba­lho”, a ins­pec­to­ra­ge­ral re­fe­riu que só se­rá pos­sí­vel atin­gir tal de­si­de­ra­to, quan­do a IGT, em par­ce­ria com as em­pre­sas, efec­tu­ar a má­xi­ma di­vul­ga­ção dos programas que pre­vi­nem ques­tões li­ga­das à se­gu­ran­ça e hi­gi­e­ne nos lo­cais de tra­ba­lho.

“To­dos os di­as sur­gem em­pre­sas no país e mui­tas de­las não es­tão ain­da sen­si­bi­li­za­das pa­ra es­tas ques­tões, mas o nos­so tra­ba­lho tem si­do di­vul­ga­do, atra­vés de se­mi­ná­ri­os, pa­les­tras e for­ma­ções. Acre­di­ta­mos que com o in­gres­so de no­vos ins­pec­to­res, va­mos al­can­çar es­te ob­jec­ti­vo”, afir­mou.

Nzin­ga do Céu dis­se que os nú­me­ros de aci­den­tes de tra­ba­lho po­dem ser mui­to mais ele­va­dos, por­que mui­tas em­pre­sas não têm re­por­ta­do a in­ci­dên­cia à IGT.

Trans­por­tes, pres­ta­ção de ser­vi­ços e cons­tru­ção ci­vil, são os sec­to­res que mais aci­den­tes de tra­ba­lho re­gis­ta­ram du­ran­te o pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano a ní­vel do país.

Saú­de no Tra­ba­lho

A di­rec­to­ra do Cen­tro de Se­gu­ran­ça e Saú­de no Tra­ba­lho (CSST), Isa­bel Car­do­so, con­si­de­ra que a saú­de e bem-es­tar es­tão en­glo­ba­dos na se­gu­ran­ça do tra­ba­lha­dor a ní­vel da sua ac­ti­vi­da­de la­bo­ral.

“É pre­ci­so que o tra­ba­lha­dor es­te­ja bem. O em­pre­ga­dor de­ve cri­ar es­tra­té­gi­as que o con­for­tem no lo­cal de tra­ba­lho, pa­ra que a sua pro­du­ção se­ja mais e me­lhor, por­que se ele não es­ti­ver bem, não pro­duz o su­fi­ci­en­te”, con­si­de­rou.

A for­ma­do­ra pa­ra áre­as com­por­ta­men­tais pe­diu às em­pre­sas pa­ra es­ta­rem mais pre­o­cu­pa­das com a saú­de dos co­la­bo­ra­do­res, por es­tar di­rec­ta­men­te li­ga­da à pro­du­ti­vi­da­de.

“É im­por­tan­te que os tra­ba­lha­do­res re­ser­vam de du­as em du­as ho­ras al­guns mi­nu­tos pa­ra apa­nhar sol. Es­te exer­cí­cio faz com que o or­ga­nis­mo fi­que re­a­bas­te­ci­do, dan­do mai­or oxi­gé­nio ao cé­re­bro e mo­vi­men­ta os mús­cu­los”, acon­se­lhou Ale­xan­dra Sou­sa, es­pe­ci­a­lis­ta em Re­cur­sos Hu­ma­nos.

DA­NI­EL BENJAMIM | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

DR

Ope­rá­ri­os da cons­tru­ção ci­vil têm si­do as prin­ci­pais ví­ti­mas de aci­den­tes de tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.