De­fen­di­da a ab­sol­vi­ção do ge­ne­ral Jo­sé Ma­ria

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ade­li­na Iná­cio

No pri­mei­ro dia de julgamento, Sér­gio Rai­mun­do, ad­vo­ga­do do ex-che­fe do Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e de Se­gu­ran­ça Mi­li­tar, ge­ne­ral An­tó­nio Jo­sé Ma­ria, acu­sa­do dos cri­mes de in­su­bor­di­na­ção e ex­tra­vio de do­cu­men­tos mi­li­ta­res, pe­diu a ab­sol­vi­ção do réu.

A de­fe­sa do de­pu­ta­do Hi­gi­no Car­nei­ro, acu­sa­do de ges­tão da­no­sa de bens pú­bli­cos pra­ti­ca­da en­quan­to go­ver­na­dor da pro­vín­cia de Lu­an­da, no pe­río­do en­tre 2016 e 2017, pe­diu ao Tri­bu­nal Su­pre­mo a aber­tu­ra de uma ins­tru­ção con­tra­di­tó­ria do pro­ces­so.

O de­pu­ta­do es­tá, tam­bém, a ser acu­sa­do pe­lo Ministério Pú­bli­co da prá­ti­ca dos cri­mes de pe­cu­la­to, vi­o­la­ção de nor­mas de exe­cu­ção do pla­no e or­ça­men­to, abu­so de po­der, as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa, cor­rup­ção pas­si­va e bran­que­a­men­to de ca­pi­tais.

O ad­vo­ga­do Jo­sé Car­los dis­se on­tem, à im­pren­sa, que exis­tem no pro­ces­so que en­vol­ve o de­pu­ta­do as­pec­tos que de­vem ser me­lhor cla­ri­fi­ca­dos. “De­pois que fo­mos no­ti­fi­ca­dos da acusação, en­ten­de­mos que ha­via as­pec­tos que de­vi­am ser me­lhor cla­ri­fi­ca­dos. Pa­ra es­te fac­to, re­que­re­mos a aber­tu­ra da in­tro­du­ção con­tra­di­tó­ria”, in­for­mou.

O cau­sí­di­co dis­se que o Ministério Pú­bli­co não pra­ti­cou to­dos os ac­tos que de­via ter pra­ti­ca­do em se­de de ins­tru­ção. Jo­sé Car­los afir­mou que es­tá a aguar­dar a no­ti­fi­ca­ção do des­pa­cho que ad­mi­te ou não a aber­tu­ra da ins­tru­ção con­tra­di­tó­ria.

Jo­sé Car­los dis­se que a de­fe­sa pe­de a ins­tru­ção con­tra­di­tó­ria pa­ra me­lhor es­cla­re­cer de­ter­mi­na­dos as­pec­tos e, se ca­lhar, “es­va­zi­ar par­te do con­teú­do da pró­pria acusação”. “O Ministério Pú­bli­co não con­cluiu a acusação. O pou­co que fez nem se­quer foi bem fei­to”, cri­ti­cou.

O ad­vo­ga­do do de­pu­ta­do do gru­po par­la­men­tar do MPLA con­si­de­rou que, se a acusação fos­se bem fei­ta, o pró­pi­ro Ministério Pú­bli­co não re­que­re­ria, tam­bém, a aber­tu­ra da ins­tru­ção con­tra­di­tó­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.