Vi­o­lên­cia em Hong-Kong ul­tra­pas­sa fron­tei­ra das ma­ni­fes­ta­çõs pa­cí­fi­cas

Embaixador da Chi­na em An­go­la, Gong Tao, em re­ac­ção aos acon­te­ci­men­tos que ocor­rem nos úl­ti­mos me­ses na re­gião au­tó­no­ma de Hong Kong, acre­di­ta que for­ças es­tra­nhas, pa­tro­ci­na­das por paí­ses es­tran­gei­ros es­tão por de­trás des­tes ac­tos

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Faus­ti­no Henrique

O embaixador chi­nês con­si­de­rou em con­fe­rên­cia de im­pren­sa re­a­li­za­da na ter­ça­fei­ra, em Lu­an­da, que os ac­tos vi­o­len­tos que ocor­rem em Hong-Kong, com ata­ques às for­ças po­li­ci­ais, à as­sem­bleia le­gis­la­ti­va lo­cal, à re­pre­sen­ta­ção do Go­ver­no Cen­tral, pro­fa­na­ção da ban­dei­ra na­ci­o­nal chi­ne­sa, ul­tra­pas­sam a fron­tei­ra das ma­ni­fes­ta­ções pa­cí­fi­cas.

Gong Tao, dis­se que du­ran­te os úl­ti­mos 20 anos, a Chi­na tem res­pei­ta­do os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos com a Grã-Bre­ta­nha, des­de que no dia um de Ju­lho de 1997, Hong-Kong pas­sou pa­ra a so­be­ra­nia chi­ne­sa ba­se­a­da no prin­cí­pio "um país, dois sis­te­mas".

Gong Tao, que re­a­gia aos acon­te­ci­men­tos em HongKong, dis­se que na re­gião au­tó­no­ma não ocor­rem ma­ni­fes­ta­ções, mas ac­tos que aten­tam gra­ve­men­te con­tra a se­gu­ran­ça das pes­so­as, que vi­o­lam o es­pí­ri­to do men­ci­o­na­do prin­cí­pio de "um país, dois sis­te­mas" e que ame­a­çam a so­be­ra­nia do Go­ver­no Cen­tral so­bre Hong-Kong.

As ma­ni­fes­ta­ções pa­cí­fi­cas de Ju­lho úl­ti­mo trans­for­ma­ram em ac­tos de ata­ques di­rec­tos às ins­ti­tui­ções po­li­ci­ais, ata­que con­tra os sím­bo­los chi­ne­ses, no­me­a­da­men­te a van­da­li­za­ção da ban­dei­ra, vi­o­la­ção da pro­pri­e­da­de pri­va­da, en­tre ou­tros ac­tos. Pa­ra Gong Tao, o mais im­por­tan­te nes­ta fa­se é as­se­gu­rar a or­dem e tran­qui­li­da­de na re­gião au­tó­no­ma de HongKong. Pa­ra o di­plo­ma­ta chi­nês, "os as­sun­tos da re­gião au­tó­no­ma de Hong Kong di­zem res­pei­to ape­nas à Chi­na e que ne­nhum ou­tro país ou ins­ti­tui­ção es­tran­gei­ra de­ve in­ter­vir. O re­pre­sen­tan­te da Chi­na em An­go­la dis­se que o seu país tem pro­va de in­ter­fe­rên­ci­as ex­ter­nas, ten­do apon­ta­do o de­do a paí­ses oci­den­tais sem ci­tar no­mes.

Não se­ria a pri­mei­ra vez que a re­gião au­tó­no­ma de Hong- Kong iria im­ple­men­tar acor­do de ex­tra­di­ção. Des­de que re­tor­nou à so­be­ra­nia chi­ne­sa as­si­nou acor­dos com 20 paí­ses so­bre a trans­fe­rên­cia de fu­gi­ti­vos

“Pro­jec­to de lei” O embaixador da Chi­na lem­brou que o Go­ver­no de HongKong propôs emen­das à lei so­bre os fu­gi­ti­vos em con­fli­to com a lei e so­bre As­sis­tên­cia Ju­rí­di­ca Mú­tua em Ma­té­ria Pe­nal pa­ra li­dar com pro­ces­sos pe­nais co­muns que ocor­rem fo­ra da re­gião au­tó­no­ma e cu­jos im­pli­ca­dos fu­jam pa­ra Hong-Kong. Um ca­so pa­ra­dig­má­ti­co, se­gun­do re­pre­sen­tan­te do Go­ver­no chi­nês em An­go­la, acon­te­ceu em Fe­ve­rei­ro de 2018, quan­do Chen Tong­jia, um re­si­den­te de Hong-Kong, foi sus­pei­to de as­sas­si­nar a sua na­mo­ra­da grá­vi­da em Taiwan an­tes de fu­gir pa­ra HongKong. Hong-Kong não ti­nha ju­ris­di­ção so­bre es­te ca­so. Pa­ra trans­fe­rir Chen Tong­jia pa­ra Taiwan pa­ra julgamento, o go­ver­no lo­cal propôs as emen­das de­cre­tos que re­gu­lam ca­sos se­me­lhan­tes. Até o mo­men­to, Hong-Kong não as­si­nou ne­nhum acor­do com a Chi­na con­ti­nen­tal, Ma­cau ou Taiwan so­bre a trans­fe­rên­cia de fu­gi­ti­vos e as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca mú­tua em ques­tões cri­mi­nais.

Ao al­te­rar as leis, o go­ver­no da re­gião au­tó­no­ma es­pe­ra­va co­o­pe­rar com a Chi­na con­ti­nen­tal, Ma­cau e Taiwan na trans­fe­rên­cia de sus­pei­tos de cri­mes e fu­gi­ti­vos por meio de acor­dos es­pe­ci­ais, o que aju­da­ria li­dar com ca­sos in­di­vi­du­ais e a pre­en­cher as bre­chas no sis­te­ma le­gal, per­mi­tin­do que HongKong tra­ba­lhe me­lhor com ou­tras par­tes da Chi­na pa­ra com­ba­ter con­jun­ta­men­te cri­mes e de­fen­der o es­ta­do de di­rei­to e a jus­ti­ça.

Não se­ria a pri­mei­ra vez que a re­gião au­tó­no­ma de Hong-Kong iria im­ple­men­tar acor­do de ex­tra­di­ção na me­di­da em que des­de que re­tor­nou à so­be­ra­nia chi­ne­sa, no dia um de Ju­lho de 1997, Hong-Kong as­si­nou acor­dos com 20 paí­ses so­bre a trans­fe­rên­cia de fu­gi­ti­vos e tra­ta­dos com 32 paí­ses so­bre as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca mú­tua em ma­té­ria pe­nal. Se há me­ca­nis­mos de co­o­pe­ra­ção se­me­lhan­tes im­ple­men­ta­dos en­tre Hong-Kong e paí­ses es­tran­gei­ros, apa­ren­te­men­te não fa­zia sen­ti­do que ocor­res­sem opo­si­ção quan­to a even­tu­al pas­so nes­te sen­ti­do com a Chi­na con­ti­nen­tal. Re­ac­ções po­pu­la­res Tao Gong dis­se que "um gran­de nú­me­ro de ci­da­dãos de Hong-Kong não tem mui­ta com­pre­en­são do con­ti­nen­te, jun­ta­men­te com seu sis­te­ma le­gal e ins­ti­tui­ção ju­di­ci­al".

"Apro­vei­tan­do-se dis­so", adi­an­tou o di­plo­ma­ta, "al­gu­mas pes­so­as e mei­os de co­mu­ni­ca­ção com in­ten­ções ma­li­ci­o­sas ini­ci­a­ram cam­pa­nhas de com­ba­te ao me­do pa­ra ali­men­tar o pâ­ni­co e blo­que­ar a apro­va­ção do pro­jec­to de lei no Con­se­lho Le­gis­la­ti­vo".

Des­de Ju­nho co­me­ça­ram as ma­ni­fes­ta­ções, ini­ci­al­men­te pa­cí­fi­cas, que se trans­for­ma­ram em ac­tos vi­o­len­tos pro­ta­go­ni­za­dos por in­di­ví­du­os aos quais o embaixador chi­nês cha­mou de "ra­di­cais e mar­gi­nais".

Se­gun­do o embaixador, co­mo ges­to de boa von­ta­de, no dia 15 de Ju­nho o Go­ver­no lo­cal de­ci­diu sus­pen­der o tra­ba­lho no pro­jec­to de lei de emen­das. Tao Gong acre­di­ta que for­ças es­tra­nhas, pa­tro­ci­na­das por paí­ses es­tran­gei­ros, sem men­ci­o­nar os no­mes, es­te­jam por de­trás dos ac­tu­ais ac­tos.

AL­BER­TO PE­DRO| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.