Moxico quer re­lan­çar o cul­ti­vo de ar­roz

Go­ver­no Pro­vin­ci­al pro­mo­ve en­con­tro que vai de­fi­nir es­tra­té­gi­as pa­ra im­pul­si­o­nar o sec­tor agrí­co­la na re­gião

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Sa­mu­el An­tó­nio | Lu­e­na

O Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Moxico pro­mo­ve ama­nhã um en­con­tro que vai de­fi­nir es­tra­té­gi­as de im­ple­men­ta­ção de programas pa­ra re­lan­çar a cul­tu­ra do ar­roz.

O en­con­tro vi­sa tam­bém im­ple­men­tar programas pa­ra ala­van­car o sec­tor agrí­co­la, apro­vei­tan­do o po­ten­ci­al exis­ten­te em so­los ará­veis e re­cur­sos hí­dri­cos.

O di­rec­tor do Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al da Agricultur­a e Flo­res­tas, An­tó­nio da Sil­va, afir­mou que a pro­vín­cia dis­põe de so­los e con­di­ções cli­ma­té­ri­cas fa­vo­rá­veis pa­ra o cul­ti­vo de ar­roz e de­fen­deu a uti­li­za­ção de tec­no­lo­gi­as pa­ra au­men­tar a qua­li­da­de do pro­du­to.

An­tó­nio da Sil­va lem­brou que a pro­vín­cia do Moxico foi a mai­or pro­du­to­ra de ar­roz no país, com mais de 70 to­ne­la­das por ano, o que cor­res­pon­de a um ter­ço do que se pro­duz ac­tu­al­men­te em to­do o ter­ri­tó­rio an­go­la­no.

O en­con­tro vai co­lher opi­niões e mo­bi­li­zar es­for­ços pa­ra a cri­a­ção de con­di­ções pa­ra a ins­ta­la­ção­deu­ma­a­gro-in­dús­tria for­te, ca­paz de ser­vir de pla­ta­for­ma pa­ra ou­tras pro­vín­ci­as da re­gião e do país em ge­ral.

Os par­ti­ci­pan­tes vão de­fi­nir mé­to­dos so­bre a pro­du­ção pe­cuá­ria e api­cul­tu­ra, pa­ra que se pos­sa con­tar, nos pró­xi­mos anos, com um sec­tor bas­tan­te in­ter­ven­ti­vo, com ní­veis de cres­ci­men­to de pro­du­tos que aten­dam as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção.

“Nu­ma re­gião on­de o mai­or em­pre­ga­dor con­ti­nua a ser o Go­ver­no, a im­ple­men­ta­ção de programas de agricultur­a po­de con­cor­rer na cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho”, lê-se no do­cu­men­to do Go­ver­no Pro­vin­ci­al.

Cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel

A pro­vín­cia do Moxico mos­tra si­nais de pro­gres­so, mas tem mui­tos de­sa­fi­os pe­la fren­te, pa­ra­ga­ran­ti­ras­con­di­çõe­ses­sen­ci­ais bá­si­cas pa­ra a po­pu­la­ção.

Nu­ma re­gião frag­men­ta­da em ter­mos de in­fra-es­tru­tu­ras bá­si­cas, com des­ta­que pa­ra o mau es­ta­do das vi­as de aces­so, es­co­las, uni­da­des sa­ni­tá­ri­as e do for­ne­ci­men­to dé­bil de água e ener­gia, o Go­ver­no tem vin­do a re­do­brar es­for­ços no sen­ti­do de ver re­sol­vi­dos os pro­ble­mas que apo­quen­tam a mai­o­ria dos ha­bi­tan­tes.

Fo­ram cons­truí­das, nos úl­ti­mos anos, vá­ri­as in­fra­es­tru­tu­ras de im­pac­to so­ci­al, mas ain­da in­su­fi­ci­en­tes pa­ra as­se­gu­rar o aces­so da po­pu­la­ção aos prin­ci­pais ser­vi­ços so­ci­ais bá­si­cos.

Moxico ne­ces­si­ta de qua­se tu­do. As mar­cas da guer­ra que fra­gi­li­za­ram o seu desenvolvi­mento ain­da são no­tó­ri­as em mui­tas lo­ca­li­da­des.

A pro­vín­cia é ha­bi­ta­da por gen­te tra­ba­lha­do­ra, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vens.

Por fal­ta de fi­nan­ci­a­men­tos, mui­tas obras de es­tra­das en­con­tram-se em es­ta­do de aban­do­no, tor­nan­do im­pra­ti­cá­vel o in­ter­câm­bio en­tre as zo­nas de pro­du­ção agrí­co­la e os cen­tros co­mer­ci­ais.

A pro­vín­cia do Moxico foi a mai­or pro­du­to­ra de ar­roz no país, com mais de 70 to­ne­la­das por ano, o que cor­res­pon­de a um ter­ço do que se pro­duz ac­tu­al­men­te em to­do o ter­ri­tó­rio an­go­la­no

NICOLAU VAS­CO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pro­vín­cia do Moxico tem so­los e con­di­ções cli­ma­té­ri­cas pro­pí­ci­as pa­ra o cul­ti­vo de ar­roz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.