Pa­gar pe­lo par­to ou su­por­tar a dor em hospitais pú­bli­cos

Um par­to nor­mal ul­tra­pas­sa um mi­lhão de Kwan­zas em al­gu­mas uni­da­des pri­va­das. Mu­lhe­res que já ti­ve­ram pas­sa­gem em ma­ter­ni­da­des pú­bli­cas pa­ra dar à luz fa­lam em "aten­di­men­to de­su­ma­no", ra­zão que as faz re­cor­rer a clí­ni­cas pri­va­das. Por cau­sa dos al­tos cust

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ro­dri­gues Cam­ba­la

Quan­do Edi­te de­sa­ta a fa­lar da noi­te de 6 de Abril de 2013, lo­go se per­ce­be, pe­lo seu tom me­lan­có­li­co, al­gum res­sen­ti­men­to. Não pe­lo nas­ci­men­to da pri­mo­gé­ni­ta, mas “pe­la for­ma bru­tal” co­mo foi aten­di­da nu­ma ma­ter­ni­da­de pú­bli­ca.

A mu­lher de 39 anos tem ain­da gra­va­do to­dos os ân­gu­los do que viu: uma mu­lher es­ta­va a ter o be­bé no cor­re­dor, sem aju­da; ou­tras gri­ta­vam amar­ga­men­te na re­cep­ção, al­gu­mas com san­gra­men­to e em pran­tos. Mes­mo as­sim, "a mai­o­ria re­ce­bia ber­ros da equi­pa mé­di­ca".

“Aque­las mu­lhe­res não es­ta­vam a ter as­sis­tên­cia mé­di­ca”, re­cor­da.

O que até ago­ra faz con­fu­são na ca­be­ça de Edi­te é a in­sen­si­bi­li­da­de de uma par­tei­ra di­an­te da si­tu­a­ção de ou­tra mu­lher em tra­ba­lho de par­to. Ela con­ta na pri­mei­ra pes­soa a sua pró­pria ex­pe­ri­ên­cia. Mal en­trou na sa­la de par­to, uma par­tei­ra per­gun­tou que ida­de ti­nha. “Res­pon­di que ti­nha 31 anos. A en­fer­mei­ra olhou pa­ra mim e, num tom sar­cás­ti­co, dis­se-me on­de es­ta­va du­ran­te to­do o tem­po pa­ra fa­zer fi­lho”, lem­brou.

Pros­se­gue o re­la­to, di­zen­do que, no mes­mo ins­tan­te, a en­fer­mei­ra sor­riu e acres­cen­tou, apon­tan­do pa­ra uma das ca­mas: “olha pa­ra aque­la cri­an­ça de 11 anos, já deu à luz e vo­cê até ago­ra ... na­da. Por is­so, é me­lhor se des­pa­char, se­não va­mos em­bo­ra e vais ter de es­pe­rar um ou­tro tur­no”. Uma mu­lher já adul­ta, que aca­ba­va de dar à luz, sus­sur­rou pa­ra Edi­te e trans­mi­tiu al­gu­ma ex­pe­ri­ên­cia: “mi­nha fi­lha, não gri­te mais, por­que quan­to mais gri­tar, o be­bé não sai”. “Foi gra­ças a es­ta mu­lher que, de­pois de al­guns mi­nu­tos, a mi­nha fi­lha nas­ceu”, ad­mi­te a mu­lher. As más re­cor­da­ções de Edi­te au­men­ta­ram tão lo­go a par­tei­ra gri­tou pa­ra que se apres­sas­se até à sa­la de par­to.

“En­quan­to ca­mi­nha­va, a ca­be­ça do be­bé já es­ta­va vi­sí­vel e, ain­da as­sim, não ti­ve apoio da en­fer­mei­ra”, afir­ma, pa­ra re­cor­dar as pa­la­vras da­que­la: “se o be­be cair, a cul­pa não vai ser mi­nha”.

Edi­te la­men­ta que lhe te­nha si­do fei­to um ras­gão, sem anes­te­sia, no ór­gão ge­ni­tal, pa­ra dar pas­sa­gem ao fi­lho. “Che­ga­se a uma al­tu­ra em que a dor pa­re­ce não exis­tir, de tan­to so­fri­men­to”, avança. De­pois do par­to, não foi pos­sí­vel re­ce­ber so­ro, por­que, de tan­to ner­vo­sis­mo, fru­to do que cha­ma maus-tra­tos, as en­fer­mei­ras não en­con­tra­vam a veia.

“Elas dei­xa­ram-me com pe­que­nos he­ma­to­mas. Na sa­la, es­ta­vam mu­lhe­res nu­as e ho­mens da lim­pe­za a pas­sar de um la­do pa­ra ou­tro”.

Des­de aque­la da­ta, Edi­te ju­rou nun­ca mais vol­tar a uma ma­ter­ni­da­de pú­bli­ca pa­ra dar à luz. Ela quei­xa­se da fal­ta de con­di­ções hu­ma­nas e ma­te­ri­ais: “par­ti­lha da ca­ma com ou­tras parturient­es e col­chão cas­ta­nho de tan­to san­gue se­co”, apon­ta co­mo exem­plos.

“Não to­mei ba­nho”

No mo­men­to da su­tu­ra, Edi­te lem­bra que fi­cou cho­ca­da com a ati­tu­de de uma en­fer­mei­ra, que aban­do­nou pa­ci­en­tes por es­ta­rem a ge­mer de do­res. En­quan­to es­ta­va a ser su­tu­ra­da, diz que foi in­ti­mi­da­da pe­la en­fer­mei­ra, que não mos­tra­va qual­quer si­nal de hu­ma­nis­mo. “Ela dis­se­me, em tom abu­si­vo, que era me­lhor ca­lar a bo­ca, por­que, se me co­ses­se mal, o meu ma­ri­do ia fu­gir-me”.

Na­que­la noi­te, Edi­te e a par­tu­ri­en­te com quem par­ti­lhou a ca­ma não pre­ga­ram no so­no, por­que o col­chão era exí­guo e só ca­bi­am os re­cém­nas­ci­dos. Am­bas dei­ta­ram­se so­bre as ex­tre­mi­da­des da ca­ma, com o ris­co de a he­mor­ra­gia au­men­tar.

Já de ma­nhã, ex­pli­ca, de­sis­tiu do ba­nho, por­que o ra­lo do ba­nhei­ro pa­re­cia obs­truí­do. A água es­tag­na­da es­ta­va en­san­guen­ta­da. “Es­ta­vam seis ou se­te mu­lhe­res a to­mar ba­nho, ao mes­mo tem­po. O chão es­ta­va com san­gue e era ar­ris­ca­do. Ha­via o pe­ri­go de con­trair do­en­ça, por­que a água que sal­ta­va de uma ia pa­ra a ou­tra par­tu­ri­en­te”.

An­tes da al­ta mé­di­ca, to­das as parturient­es são sub­me­ti­das a uma ob­ser­va­ção. Uma par­tei­ra ava­lia o es­ta­do de ca­da. “Com as do­res, ten­tei gri­tar e a en­fer­mei­ra aban­do­nou-me. Ela des­tra­tou-me e se ne­gou a ob­ser­var-me, por­que pe­di que es­pe­ras­se um pou­co por cau­sa das do­res. Em se­gui­da, pe­di vá­ri­as des­cul­pas, mas, ain­da as­sim, foi-se em­bo­ra”, acen­tu­ou, pa­ra lem­brar que, sem a ob­ser­va­ção, a par­tu­ri­en­te não re­ce­be al­ta.

Edi­te e ou­tras mães su­pli­ca­ram pa­ra uma ou­tra en­fer­mei­ra, que as ob­ser­vou sem res­mun­gar. Con­ta que a ca­ma de ob­ser­va­ção es­ta­va en­san­guen­ta­da e que re­ti­rou guar­da­na­pos da pas­ta pa­ra lim­par o san­gue de uma ou­tra mu­lher.

“Man­dam-te dei­tar nu­ma ca­ma com san­gue”, dis­se, lem­bran­do que, lo­go que en­trou ao hos­pi­tal, per­ce­beu que o aten­di­men­to era de­fi­ci­en­te. "Ti­ve me­do de tu­do… de tu­do mes­mo. Nun­ca mais vol­to a uma ma­ter­ni­da­de pú­bli­ca, mes­mo que te­nha de me en­di­vi­dar pa­ra ir a uma clí­ni­ca pri­va­da”.

Por is­so, em 2016, Edi­te jun­tou 600 mil kwan­zas, pa­ra dar à luz nu­ma clí­ni­ca. O mes­mo pro­ce­di­men­to re­pe­tiu no ano pas­sa­do. “Não vol­to nun­ca. Re­cu­so-me a vol­tar àque­la ma­ter­ni­da­de, pa­ra o meu bem e dos meus fi­lhos”, sus­ten­ta.

Na­que­la noi­te, Edi­te e a par­tu­ri­en­te com quem par­ti­lhou a ca­ma não pre­ga­ram no so­no, por­que o col­chão era exí­guo e só ca­bi­am os re­cém-nas­ci­dos. Am­bas dei­ta­ram-se so­bre as ex­tre­mi­da­des da ca­ma, com o ris­co de a he­mor­ra­gia au­men­tar

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.