Ad­vo­ga­do ne­ga as acu­sa­ções con­tra o ge­ne­ral “Zé” Ma­ria

Ex-che­fe do Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e Se­gu­ran­ça Mi­li­tar é acu­sa­do dos cri­mes de in­su­bor­di­na­ção e ex­tra­vio de do­cu­men­tos que con­têm in­for­ma­ções de ca­rác­ter mi­li­tar

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Ade­li­na Iná­cio e Mi­guel Go­mes

O ad­vo­ga­do do ge­ne­ral An­tó­nio Jo­sé Ma­ria, Sér­gio Rai­mun­do, ne­gou as acu­sa­ções que pe­sam so­bre o seu cons­ti­tuin­te, de­sig­na­da­men­te de ex­tra­vio de do­cu­men­tos que con­têm in­for­ma­ções de ca­rác­ter mi­li­tar e de in­su­bor­di­na­ção por não ter aca­ta­do su­pos­tas or­dens de um su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­co.

No pri­mei­ro dia do julgamento do ex-che­fe do Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e Se­gu­ran­ça Mi­li­tar (SISM), Sér­gio Rai­mun­do res­pon­deu à acusação com di­ver­sos ar­gu­men­tos. Pa­ra o cau­sí­di­co, o mi­li­tar “não per­deu, nem ex­tra­vi­ou do­cu­men­tos” so­bre os com­ba­tes no Cui­to Cu­a­na­va­le e não se co­lo­ca a ques­tão de se sa­ber se aque­le ma­te­ri­al “con­tém ou não in­for­ma­ções de ca­rác­ter mi­li­tar que se cons­ti­tu­em se­gre­do mi­li­tar”, dis­se Sér­gio Rai­mun­do.

Se­gun­do o ad­vo­ga­do, que se tor­nou fa­mo­so por de­fen­der fi­gu­ras me­diá­ti­cas a con­tas com a Jus­ti­ça, a pró­pria “acusação re­co­nhe­ce que os do­cu­men­tos não se per­de­ram e nem se­quer fo­ram ex­tra­vi­a­dos, já que só se­ri­am as­sim con­si­de­ra­dos se o ar­gui­do não pu­des­se apre­sen­tá-los”.

Sér­gio Rai­mun­do re­fe­riu tam­bém que o ar­gui­do ape­nas usou os do­cu­men­tos pa­ra efei­to de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e não pa­ra ex­tra­vi­ar ou qual­quer ou­tro fim ilí­ci­to. O réu tem uti­li­za­do a in­for­ma­ção pa­ra a pu­bli­ca­ção de ar­ti­gos de in­ves­ti­ga­ção mi­li­tar, ini­ci­al­men­te no Jor­nal de An­go­la e mais tar­de no se­ma­ná­rio No­vo Jor­nal.

O ad­vo­ga­do dis­se que par­te do ma­te­ri­al lhe foi en­tre­gue pe­lo en­tão Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e Co­man­dan­te em Che­fe das FAA, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, que tam­bém es­tá ar­ro­la­do co­mo de­cla­ran­te, mas não es­te­ve pre­sen­te na pri­mei­ra ses­são do julgamento.

Quan­to ao cri­me de in­su­bor­di­na­ção, a Lei dos Cri­mes Mi­li­ta­res es­ta­be­le­ce que o mi­li­tar que se ne­gar a cum­prir uma or­dem de um su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­co po­de ser pu­ni­do en­tre dois e oi­to anos de pri­são.

Sér­gio Rai­mun­do adi­an­tou que a or­dem não foi da­da di­rec­ta­men­te pe­lo Co­man­dan­te em Che­fe das FAA, João Lou­ren­ço, mas sim atra­vés do ge­ne­ral Fer­nan­do Mi­a­la, che­fe dos Ser­vi­ços de In­te­li­gên­cia e Se­gu­ran­ça do Es­ta­do.

O ad­vo­ga­do dis­se que não exis­tin­do en­tre o ge­ne­ral Fer­nan­do Gar­cia Mi­a­la e o ge­ne­ral Zé Ma­ria qual­quer re­la­ção de su­bor­di­na­ção, te­ria que ser exi­bi­da “uma or­dem es­cri­ta ou no mí­ni­mo exi­bir um man­da­to de de­le­ga­ção de po­de­res". Sem es­tes ele­men­tos, o ar­gui­do “tem o di­rei­to de não aca­tar tal ori­en­ta­ção”, de­fen­deu Sér­gio Rai­mun­do.

As lei­tu­ras da acusação, da pro­nún­cia e a con­tes­ta­ção mar­ca­ram, on­tem, o pri­mei­ro dia do julgamento do ge­ne­ral ex-che­fe do Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e Se­gu­ran­ça Mi­li­tar.

O julgamento de­cor­re nas ins­ta­la­ções do Co­man­do do Exér­ci­to. On­tem, a sa­la es­ta­va com­ple­ta­men­te cheia, en­tre de­ze­nas de mi­li­ta­res, jor­na­lis­tas e fa­mi­li­a­res dos en­vol­vi­dos. Ao con­trá­rio do que se­ria de es­pe­rar, fo­ram au­dí­veis as re­ac­ções de acor­do ou de­sa­cor­do do au­di­tó­rio ao lon­go dos pro­ce­di­men­tos. O am­bi­en­te es­ta­va agi­ta­do com a cons­tan­te en­tra­da e saí­da de mi­li­ta­res e jor­na­lis­tas da sa­la on­de de­cor­reu a au­di­ên­cia.

As pró­xi­mas ses­sões es­tão mar­ca­das pa­ra ho­je, ama­nhã (13) e pa­ra o dia 23.

JOÃO GO­MES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Ge­ne­ral co­me­çou a res­pon­der no Su­pre­mo Tri­bu­nal Mi­li­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.