Du­as parturient­es, uma ca­ma

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

An­tes de ter o fi­lho, Vil­ma, 38 anos, já ou­via his­tó­ri­as de que as par­tei­ras em hospitais pú­bli­cos mal­tra­ta­vam as mu­lhe­res. Tam­bém ou­via di­zer que fal­ta­va ca­ri­nho e hu­ma­nis­mo. Em 2009, Vil­ma di­ri­giu-se a uma ma­ter­ni­da­de pú­bli­ca, pa­ra ter a sua pri­mo­gé­ni­ta.

Con­ta que, pe­la ma­nhã, sen­tiu as pri­mei­ras do­res, que a for­ça­ram a re­cor­rer à ma­ter­ni­da­de, mas, de­pois de uma rá­pi­da avaliação, a mé­di­ca in­for­mou que ain­da não era a ho­ra. “As do­res do par­to pro­lon­ga­vam-se, daí que su­ge­ri ao mé­di­co que fi­zes­se uma eco­gra­fia”.

Pe­di­do acei­te. Já na sa­la de eco­gra­fia de um es­ta­be­le­ci­men­to pri­va­do, o téc­ni­co ori­en­tou que vol­tas­se ime­di­a­ta­men­te à ma­ter­ni­da­de, por­que es­ta­va a per­der lí­qui­dos. De re­gres­so, a jo­vem fi­cou mais de du­as ho­ras na re­cep­ção, sem aten­di­men­to.

“Fa­lei com a par­tei­ra. Não me aten­deu. Re­cor­ri à mé­di­ca, que me aten­deu. Em se­gui­da, deu-me um com­pri­mi­do pa­ra pôr de­bai­xo da lín­gua”, ex­pli­ca. Po­rém, o re­ceio co­me­çou a apo­de­rar­se de­la, quan­do viu três parturient­es nu­ma ca­ma.

“Fui à ca­sa de ba­nho. Nem as em­pre­ga­das de lim­pe­za res­pei­ta­vam as pa­ci­en­tes”, sa­li­en­ta, acen­tu­an­do que as par­tei­ras não aju­dam. "O pi­or é que elas, por in­crí­vel que pa­re­ça, não acre­di­tam que aque­las mu­lhe­res es­tão com do­res e nem se­quer se mos­tram pre­o­cu­pa­das, por­que acham que es­ta­mos a exa­ge­rar”.

Vil­ma diz que, de­pois do par­to, pe­diu a uma mé­di­ca que a aju­das­se a des­ta­par li­gei­ra­men­te o ros­to do be­bé, dei­ta­da no ber­çá­rio. “A mé­di­ca per­gun­tou-me se eu era da con­fi­an­ça de­la”, re­cor­dou, an­gus­ti­a­da. “Fui su­tu­ra­da sem anes­te­sia… Foi um ter­ror, de­vi­do às do­res”, afir­ma. Tal co­mo a Edi­te, Vil­ma ad­mi­te ter saí­do trau­ma­ti­za­da do hos­pi­tal, de­pois da ob­ser­va­ção fei­ta an­tes da al­ta mé­di­ca.

“Elas fa­lam sem ma­nei­ra. E a en­fer­mei­ra dis­se-me: 'abre as per­nas, por­que na ho­ra de…”, con­ta, nu­ma voz tré­mu­la. Se­gun­do a mu­lher, a equi­pa mé­di­ca exi­ge que to­das as parturient­es an­dem de­pres­sa pa­ra che­gar à sa­la de ob­ser­va­ção.

“Fi­quei trau­ma­ti­za­da e dis­se, pa­ra mim mes­ma, que nun­ca vol­ta­ria a pôr os pés na­que­la ma­ter­ni­da­de”.

A mu­lher ava­lia que as par­tei­ras nem pa­re­cem hu­ma­nas. "Às ve­zes pa­re­cem se­res de um ou­tro pla­ne­ta. É di­fí­cil en­ten­der um pro­fis­si­o­nal sem hu­ma­nis­mo. Elas es­que­cem que aque­la pa­ci­en­te po­de­ria ser sua fi­lha ou ir­mã”.

Uma ho­ra de­pois de dar à luz, pros­se­gue Vil­ma, dei­xou a sa­la de par­to com os pró­pri­os pés. Com o be­bé ao co­lo, su­biu as es­ca­das até à Sa­la de In­ter­na­men­to. “Sem apoio, an­dei pe­las es­ca­das, com do­res da su­tu­ra”, su­bli­nhou, com os pu­nhos cer­ra­dos. Es­guia, de ca­be­lo cur­to, Vil­ma afir­ma que as ma­ter­ni­da­des tra­tam as pes­so­as co­mo se fos­sem se­res des­pre­zí­veis. Na­que­le dia, ela quis sair daí o mais rá­pi­do pos­sí­vel.

“Per­ce­bi as ra­zões que fa­zem com que mui­tas mu­lhe­res se ati­rem pa­ra bai­xo. Acre­di­to que se­ja de­vi­do aos maus-tra­tos, por­que a mi­nha von­ta­de era fu­gir da­que­le lu­gar”.

An­tes de dei­xar o hos­pi­tal, Vil­ma pen­sou que já ti­nha vis­to tu­do, mas não. “Vi uma mu­lher a ser tor­tu­ra­da psi­co­lo­gi­ca­men­te, por­que, quan­do che­gou, es­ta­va com imen­sas do­res e sem aten­di­men­to. Uma par­tei­ra dis­se­lhe: 'es­ta­vas aí a gri­tar mui­to, ago­ra es­tá ali, o teu be­bé mor­reu. Ago­ra, cho­ra mais…' A par­tu­ri­en­te fi­cou im­pá­vi­da e sem dei­tar uma lá­gri­ma se­quer, a so­frer por den­tro”. Vil­ma afir­ma que mui­ta gen­te não tem ideia do que se pas­sa den­tro das ma­ter­ni­da­des.

A mu­lher fez vin­car o de­se­jo de ja­mais vol­tar à ma­ter­ni­da­de pú­bli­ca. Pa­ra dar à luz o úl­ti­mo fi­lho, op­tou por jun­tar o sa­lá­rio e ir a uma clí­ni­ca, ape­sar dos pre­ços al­tos.

“Te­nho pe­na das ou­tras mu­lhe­res que não po­dem ir a uma clí­ni­ca”. Re­fe­re que se lhe fal­tar di­nhei­ro, vai pre­fe­rir ter o be­bé em ca­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.