Mais de dois mi­lhões de kwan­zas por um par­to

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

Ana pe­de pa­ra ser iden­ti­fi­ca­da pe­lo pri­mei­ro no­me, tal co­mo as du­as pri­mei­ras en­tre­vis­ta­das. Aos 32 anos, te­ve o pri­mei­ro par­to no Bra­sil, por ce­sa­ri­a­na. Um ano de­pois, vol­tou a es­tar grá­vi­da. Tra­ta­va-se de uma gra­vi­dez de ris­co. Com re­ceio de ter o par­to no país, de­vi­do às con­di­ções hos­pi­ta­la­res de­fi­ci­en­te e à fra­ca aten­ção, Ana e o es­po­so ha­vi­am, mais uma vez, cri­a­do con­di­ções pa­ra re­tor­nar ao Bra­sil. Mas vi­a­gem não acon­te­ceu.

“O meu ma­ri­do su­ge­riu, na al­tu­ra, que fos­se ter o par­to nu­ma ma­ter­ni­da­de pú­bli­ca, mas ne­guei, por­que sei dos ris­cos que po­de­ria cor­rer”, in­di­ca. A 14 de Ju­nho des­te ano, a mu­lher sen­tiu os pri­mei­ros si­nais do par­to, mas pro­cu­rou uma uni­da­de pri­va­da pa­ra dar à luz. Ini­ci­al­men­te, pa­gou 1.180.000 kwan­zas pe­la ce­sa­ri­a­na.

“É re­al­men­te ca­ro”, dis­se, su­bli­nhan­do que fi­cou in­ter­na­da du­ran­te cin­co di­as e os cus­tos au­men­ta­ram de for­ma as­sus­ta­do­ra. Ana con­ta que, no dia da al­ta mé­di­ca, o seu es­po­so foi ori­en­ta­do a di­ri­gir­se ao cai­xa (área de pa­ga­men­to) pa­ra fa­zer mais um de­pó­si­to de 600 mil kwan­zas.

“Ti­ve pe­na do meu ma­ri­do, por­que eram co­bran­ças que já não es­ta­vam no pro­gra­ma e, ape­sar das ex­pli­ca­ções, achei-as ex­ces­si­vas”. Lem­brou que, mes­mo com os pre­ços ele­va­dos, os ser­vi­ços fi­cam aquém dos pres­ta­dos em clí­ni­cas es­tran­gei­ras.

Porquê tão al­tos

Na clí­ni­ca Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, tam­bém co­nhe­ci­da por En­di­a­ma, o Jor­nal de An­go­la foi re­ce­bi­do pe­lo Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção (PCA), Rui Pin­to, acom­pa­nha­do dos seus vi­ce-pre­si­den­tes pa­ra Área Clí­ni­ca, Con­cei­ção Pi­tra, e pa­ra Eco­no­mia e Fi­nan­ças, João Mar­tins.

Rui Pin­to re­co­nhe­ceu se­rem al­tos os pre­ços pra­ti­ca­dos, se for guia o sa­lá­rio mí­ni­mo em An­go­la. Jus­ti­fi­cou que a si­tu­a­ção de­cor­re dos im­pos­tos, ex­ces­si­va bu­ro­cra­cia e de­mo­ra nas im­por­ta­ções de me­di­ca­men­tos, pre­ços dos equi­pa­men­tos mé­di­cos e a sua ma­nu­ten­ção e o pa­ga­men­to dos sa­lá­ri­os dos es­pe­ci­a­lis­tas en­vol­vi­dos no par­to.

“Não be­ne­fi­ci­a­mos do Or­ça­men­to Ge­ral de Es­ta­do, co­mo as ou­tras clí­ni­cas e não nos com­pa­ra­mos às ou­tras clí­ni­cas, que até têm ou­tras em­pre­sas por trás”, ad­mi­te. Afir­ma ain­da que al­guns par­tos são pa­gos dois anos de­pois, ou se­ja, são en­cai­xa­dos den­tro da dí­vi­da pú­bli­ca". Ao de­fen­der que a clí­ni­ca tam­bém faz in­ves­ti­men­to na for­ma­ção dos qua­dros, as­se­ve­rou que o va­lor do par­to não é fi­xo e mui­tas ve­zes bai­xa em fun­ção do tra­ta­men­to pres­ta­do.

Na con­ver­sa, o PCA che­gou a di­zer que o par­to, na uni­da­de que di­ri­ge, cus­ta 700 mil Kwan­zas e não 1.241.080 Kwan­zas, va­lor afi­xa­do na clí­ni­ca e ao qual o Jor­nal de An­go­la te­ve aces­so por uma có­pia. A nos­sa re­por­ta­gem pe­diu a Rui Pin­to a ta­be­la de 700 mil, mas es­te ne­gou-se a for­ne­cer, sem jus­ti­fi­car as ra­zões das parturient­es pa­ga­rem um va­lor e a di­rec­ção anun­ci­ar ou­tro.

Na clí­ni­ca Me­di­tex, a nos­sa re­por­ta­gem foi re­ce­bi­da pe­los di­rec­to­res ge­ral e clí­ni­co, que, sem se iden­ti­fi­ca­rem, re­cu­sa­ram-se a fa­lar so­bre o as­sun­to. Já as clí­ni­cas Mul­ti­per­fil e Gi­ras­sol não res­pon­de­ram às car­tas, há mais de um mês en­de­re­ça­das, às res­pec­ti­vas di­rec­ções, pa­ra que jus­ti­fi­cas­sem va­lo­res tão ele­va­dos.

Pre­ços li­vres

Uma fonte do Ministério das Fi­nan­ças dis­se que as re­gras pa­ra a atri­bui­ção de pre­ços es­tá no De­cre­to Exe­cu­ti­vo 77/16, de 25 de Fe­ve­rei­ro. O do­cu­men­to de­fi­ne as re­gras e pro­ce­di­men­tos pa­ra a fi­xa­ção e al­te­ra­ção dos pre­ços pra­ti­ca­dos nas di­fe­ren­tes ca­te­go­ri­as do exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca ou por ca­te­go­ria de pro­du­tos e ser­vi­ços, bem co­mo os me­ca­nis­mos pa­ra o de­sem­pe­nho da ac­ti­vi­da­de de fis­ca­li­za­ção e con­tro­lo dos pre­ços.

Avança a fonte que os pre­ços pra­ti­ca­dos pe­las clí­ni­cas es­tão en­qua­dra­dos no Regime de Pre­ços Li­vres, nos ter­mos do n.º 2 do ar­ti­go 12.º do De­cre­to Pre­si­den­ci­al 206/11, de 29 de Ju­lho. Na for­ma­ção dos pre­ços per­ten­cen­tes a es­te regime (co­mo o das clí­ni­cas), os agen­tes eco­nó­mi­cos de­vem le­var em con­ta os se­guin­tes cus­tos, con­for­me o ar­ti­go 6.º do De­cre­to Exe­cu­ti­vo 77/16: cus­tos de pro­du­ção, adu­a­nei­ros, por­tuá­ri­os, de trans­por­te, dos im­pos­tos, de ar­ma­zém e des­pe­sas ad­mi­nis­tra­ti­vas.

Se­gun­do o do­cu­men­to, não de­vem in­cluir na for­ma­ção dos pre­ços qual­quer despesa re­sul­tan­te de inob­ser­vân­cia de qual­quer re­gra do exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de, co­mo mul­tas, pe­na­li­za­ções e ou­tros en­car­gos.

“A mar­gem a apli­car, após a de­ter­mi­na­ção do cus­to uni­tá­rio do ser­vi­ço pres­ta­do, de­ve va­ri­ar em fun­ção da ofer­ta e pro­cu­ra de mer­ca­do”, afir­ma a fonte. Ao ad­mi­tir que ca­da clí­ni­ca po­de de­ter­mi­nar os pre­ços dos par­tos, a fonte su­bli­nhou que de­vem sem­pre obe­de­cer às re­gras de for­ma­ção do pre­ço an­te­ri­or­men­te men­ci­o­na­das.

Acres­cen­tou que os pre­ços pra­ti­ca­dos pe­las clí­ni­cas de­vem ser al­vos de vi­gi­lân­cia, ca­so se ve­ri­fi­que a ne­ces­si­da­de de se cor­ri­gir dis­tor­ções na for­ma­ção de pre­ços des­te ser­vi­ço, em con­sequên­cia de al­te­ra­ções de pre­ços não jus­ti­fi­ca­dos pe­las con­di­ções nor­mais do mer­ca­do.

“A exis­tên­cia de es­pe­cu­la­ção só po­de­rá ser con­fir­ma­da me­di­an­te uma in­ves­ti­ga­ção”, as­se­gu­ra a fonte.

INADEC e Ins­pec­ção

O res­pon­sá­vel pa­ra a área de apoio ao cli­en­te do INADEC (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Con­su­mi­dor) dis­se que os pre­ços a ní­vel das clí­ni­cas de­vi­am ser acom­pa­nha­dos pe­la Ins­pec­ção Ge­ral da Saú­de.

Was­sam­ba Ne­to de­fen­de a uni­for­mi­za­ção dos pre­ços dos par­tos ou o es­ta­be­le­ci­men­to de um equi­lí­brio. O téc­ni­co do INADEC ad­mi­tiu a exis­tên­cia de uma co­mis­são dos mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças e da Saú­de, que tra­ba­lha num ta­ri­fá­rio pa­ra es­ta­be­le­cer equi­lí­bri­os nos pre­ços, sal­va­guar­dan­do os in­te­res­ses dos con­su­mi­do­res.

Por ou­tro la­do, o Jor­nal de

An­go­la ten­tou, por du­as ve­zes, fa­lar, por te­le­fo­ne, com o Ins­pec­tor-Ge­ral da Saú­de, Oliveira Mi­guel, que, en­tre­tan­to, foi pe­din­do pa­ra ser con­tac­ta­do no dia se­guin­te. No fi­nal, dei­xou de aten­der o te­le­fo­ne e de res­pon­der às men­sa­gens.

Da ins­pec­ção de Saú­de, o Jor­nal de An­go­la pre­ten­dia sa­ber se a ins­ti­tui­ção faz vi­gi­lân­cia dos pre­ços pra­ti­ca­dos pe­las clí­ni­cas pri­va­das.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.