CAR­TAS DOS LEITORES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FER­NAN­DO RI­BEI­RO Sam­ba ESCREVA-NOS Car­tas re­ce­bi­das na Rua Rai­nha Gin­ga, 12-26 Cai­xa Pos­tal 1312 - Lu­an­da ou por e-mail: es­cre­va­con­nos­[email protected] PE­DRO MAN­TA Hu­am­bo

As nos­sas em­pre­sas

Mui­to já se fa­lou so­bre os pro­jec­tos em­pre­sa­ri­ais que não so­bre­vi­ve­ram aos es­for­ços pa­ra a sua ma­nu­ten­ção. Há nu­me­ro­sos pro­jec­tos em­pre­sa­ri­ais, pú­bli­cos e pri­va­dos, que mor­re­ram pou­co de­pois de te­rem nas­ci­do, fac­to que de­via le­var a mui­tas re­fle­xões. Jul­go que se­ria bom que se pon­de­ras­se a cri­a­ção de uma agên­cia ou co­mis­são de acom­pa­nha­men­to dos pro­jec­tos pa­ra os mais va­ri­a­dos fins. Mais do que cri­ar no­vos pro­jec­tos, pre­ci­sa­mos de ava­li­ar cor­rec­ta­men­te as cau­sas de de­sa­pa­re­ci­men­to dos que sur­gem, co­mo se aguen­tam e por­que é que "mor­rem" em con­di­ções em que po­de­ri­am ter con­ti­nui­da­de. O acom­pa­nha­men­to ser­vi­ria co­mo uma es­pé­cie de ba­se de da­dos in­clu­si­ve pa­ra re­o­ri­en­tar to­dos quan­tos quei­ram en­trar pa­ra a vi­da em­pre­sa­ri­al, no sen­ti­do de apren­de­rem as me­lho­res li­ções.

Ven­da na rua

Há di­as gos­tei da po­si­ção as­su­mi­da pe­lo no­vo go­ver­na­dor de Lu­an­da, que de­fen­deu a ven­da na "zun­ga", de­sig­na­ção que pas­sou a ser­vir pa­ra a ven­da am­bu­lan­te. Con­tra­ri­an­do vo­zes que de­fen­di­am me­di­das re­pres­si­vas con­tra to­dos os que "zun­gam", o edil de Lu­an­da de­fen­deu a in­te­gra­ção e re­o­ri­en­ta­ção. Acho que es­se de­ve ser o pa­ra­dig­ma da go­ver­na­ção, ins­truir e ori­en­tar mais do que re­pri­mir ou eli­mi­nar o comércio in­for­mal. Ter­mi­no es­sa mi­nha mo­des­ta car­ta, fe­li­ci­tan­do o go­ver­na­dor e to­da a sua equi­pa. DEOLINDA BAS­TOS Mar­çal

Es­ti­mu­lan­tes se­xu­ais

Es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra fa­lar so­bre es­ti­mu­lan­tes se­xu­ais, apa­ren­te­men­te uma con­ver­sa ta­bu, mas que cu­ja de­man­da nas far­má­ci­as au­men­ta a ca­da dia que pas­sa. Co­mo en­fer­mei­ro e fun­ci­o­ná­rio de uma ins­ti­tui­ção hos­pi­ta­lar de pe­que­na di­men­são, no­to e oi­ço fa­lar com mui­ta frequên­cia de ca­sos que en­vol­vem o re­cur­so de es­ti­mu­lan­tes se­xu­ais por par­te dos jo­vens. E, na ver­da­de, cor­rem mui­tas in­for­ma­ções, al­gu­mas nem sem­pre ve­rí­di­cas, so­bre a pro­cu­ra des­tes es­ti­mu­lan­tes. Bas­ta ver que o nú­me­ro de se­nho­ras que pu­lu­lam pe­la ci­da­de a ven­der po­ma­da, pós, pe­da­ços de pau e lí­qui­dos de to­da a es­pé­cie au­men­tou em mui­tas ar­té­ri­as da ci­da­de de Lu­an­da.

E se­gun­do um le­van­ta­men­to fei­to por um gru­po de es­tu­dan­tes, nu­me­ro­sas far­má­ci­as de Lu­an­da têm co­nhe­ci­do uma pro­cu­ra cres­cen­te de es­ti­mu­lan­tes se­xu­ais e cu­ri­o­sa­men­te de­sa­com­pa­nha­das de re­cei­tas mé­di­cas. Co­mo re­co­men­dam to­dos os es­pe­ci­a­lis­tas, os es­ti­mu­lan­tes se­xu­ais de­vem ser usa­dos so­men­te sob ori­en­ta­ção ou pres­cri­ção mé­di­ca, fac­to que mui­tos não fa­zem, aca­ban­do por exa­ge­rar na do­se. E co­mo se não bas­tas­se a pro­cu­ra exa­ge­ra­da por es­ti­mu­lan­tes se­xu­ais nas far­má­ci­as, se­gun­do o re­fe­ri­do es­tu­do, pu­bli­ca­do no iní­cio des­te ano nas re­des so­ci­ais, o mais pre­o­cu­pan­te é que a pro­cu­ra pe­los es­ti­mu­lan­tes é do­mi­na­da por jo­vens. Os jo­vens, na sua mai­o­ria en­tre os 25 a 45 anos, são os que mais pro­cu­ram os es­ti­mu­lan­tes se­xu­ais, gran­de par­te de­les sem ne­ces­si­da­de dos mes­mos. Fa­zem-no ape­nas por ne­ces­si­da­de de, ale­ga­da­men­te, "au­men­tar a pres­são", fac­to que mui­tas ve­zes aca­ba por ser fa­tal. Va­le a pe­na ir ao mé­di­co pa­ra evi­tar si­tu­a­ções ad­ver­sas evi­tá­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.