A si­tu­a­ção na Áfri­ca do Sul

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A si­tu­a­ção de­li­ca­da por que pas­sa a Áfri­ca do Sul, re­la­ci­o­na­da com os ata­ques que al­gu­mas co­mu­ni­da­des es­tran­gei­ras so­fre­ram, além de ser um mau pre­ce­den­te, de­ve ser evi­ta­da a to­do o cus­to pe­las au­to­ri­da­des da­que­le país. As mor­tes são sem­pre la­men­tá­veis, nu­ma al­tu­ra em que pro­va­vel­men­te, com al­gu­ma an­te­ci­pa­ção e pre­ven­ção, as for­ças de se­gu­ran­ça lo­cais po­di­am ter evi­ta­do. Os paí­ses afri­ca­nos em ge­ral e da SADC em par­ti­cu­lar acom­pa­nham os de­sen­vol­vi­men­tos que le­va­ram a per­das de vi­das hu­ma­nas, a des­trui­ção de bens pú­bli­cos e pri­va­dos. E va­le re­al­çar a ini­ci­a­ti­va do Go­ver­no do Pre­si­den­te Cy­ril Ra­mapho­sa em en­vi­ar emis­sá­ri­os a al­guns paí­ses, tal co­mo An­go­la, pa­ra, no qua­dro das consultas per­ma­nen­tes, aju­dar as au­to­ri­da­des an­go­la­nas a com­pre­en­der o que re­al­men­te lá se pas­sa. Na ter­ça-fei­ra, ao fim do dia, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca con­ce­deu uma au­di­ên­cia ao as­sis­ten­te pa­ra as Re­la­ções Internacio­nais do Pre­si­den­te da Áfri­ca do Sul, Cy­ril Ra­mapho­sa, que se des­lo­cou a An­go­la pa­ra consultas e es­cla­re­ci­men­tos.

Ao fa­lar pa­ra a im­pren­sa, o re­pre­sen­tan­te do Che­fe de Es­ta­do da "na­ção ar­coí­ris" deu a en­ten­der que, in­de­pen­den­te­men­te de al­guns ex­ces­sos por par­te das po­pu­la­ções, na ver­da­de, fal­tou al­gu­ma an­te­ci­pa­ção, pre­ven­ção e even­tu­al­men­te ac­tos re­pres­si­vos con­tra to­dos quan­tos se ati­ra­ram con­tra os es­tran­gei­ros. “A ima­gem que se tem é que são ata­ques di­ri­gi­dos ape­nas a ci­da­dãos es­tran­gei­ros. Mas a ques­tão cru­ci­al é que as for­ças de se­gu­ran­ça não fo­ram to­tal­men­te ca­pa­zes de li­dar com as cau­sas ba­si­la­res e as mo­ti­va­ções das pes­so­as, le­van­do o país à si­tu­a­ção em que es­tá”, dis­se o as­ses­sor de Cy­ril Ra­mapho­sa.

Mais do que con­de­nar ou pon­de­rar-se san­ções con­tra a Áfri­ca do Sul, tal co­mo che­ga­ram a ad­vo­gar al­guns sec­to­res, é re­co­men­dá­vel o en­ga­ja­men­to com as au­to­ri­da­des sul-afri­ca­nas pa­ra a bus­ca das me­lho­res so­lu­ções.

Em­bo­ra se tra­te de um pro­ble­ma in­ter­no, mas à me­di­da que os seus efei­tos trans­cen­dem a Áfri­ca do Sul, afec­ta os es­tran­gei­ros e as re­la­ções com os ou­tros paí­ses, não há dú­vi­das de que faz to­do o sen­ti­do que as aten­ções es­te­jam vi­ra­das na ne­ces­si­da­de de aju­da e bus­ca de so­lu­ções afri­ca­nas.

An­go­la, pe­la voz do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, a jul­gar pe­las de­cla­ra­ções fei­tas pe­lo en­vi­a­do do Pre­si­den­te sul-afri­ca­no, es­tá ao la­do das au­to­ri­da­des sul-afri­ca­nas, pre­dis­pon­do-se a apoi­ar. O en­ga­ja­men­to cons­tru­ti­vo com as au­to­ri­da­des sul-afri­ca­nas de­ve ser o ca­mi­nho a se­guir, nu­ma al­tu­ra em que as for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça de­vem tu­do fa­zer pa­ra que a se­gu­ran­ça, or­dem e tran­qui­li­da­de nas co­mu­ni­da­des ha­bi­ta­das por es­tran­gei­ros per­mi­ta o re­gres­so à nor­ma­li­da­de. Na ver­da­de, a vi­o­lên­cia con­tra os es­tran­gei­ros não vai con­tri­buir pa­ra au­men­tar os pos­tos de emprego, cu­jo dé­fi­ce po­de ser su­pe­ra­do exac­ta­men­te e tam­bém com a pre­sen­ça de es­tran­gei­ros no país. Afi­nal, gran­de par­te dos em­pre­gos que a Áfri­ca do Sul pre­ci­sa pa­ra pro­por­ci­o­nar à lar­ga mai­o­ria da po­pu­la­ção es­sen­ci­al­men­te jo­vem de­sem­pre­ga­da pas­sa pe­lo in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, as­se­gu­ra­do por nu­me­ro­sas co­mu­ni­da­des afri­ca­nas. Acre­di­ta­mos que dis­to as au­to­ri­da­des sul-afri­ca­nas, a co­me­çar pe­lo Pre­si­den­te da Áfri­ca do Sul, têm ple­na cons­ci­ên­cia, ra­zão pe­la qual ape­lou aos seus com­pa­tri­o­tas no sen­ti­do de se pre­dis­po­rem a dis­cu­tir os pro­ble­mas que têm sem re­cur­so à vi­o­lên­cia. Es­pe­re­mos que as au­to­ri­da­des se­jam ca­pa­zes de evi­tar que os pre­ce­den­tes re­sul­tan­tes de ata­ques cí­cli­cos con­tra es­tran­gei­ros se­jam uma pá­gi­na do pas­sa­do, que as fa­mí­li­as das ví­ti­mas se­jam res­sar­ci­das, que os da­nos ma­te­ri­ais se­jam com­pen­sa­dos e que se man­te­nham as bo­as re­la­ções en­tre to­dos os paí­ses afri­ca­nos, afec­ta­dos ou não pe­los re­cen­tes ata­ques.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.