Re­cu­pe­ra­ção de va­lo­res e a in­dús­tria ar­te­sa­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Lu­ci­a­no Ro­cha

Mui­tas ár­vo­res de­sa­pa­re­ce­ram, tam­bém elas, por uma di­ver­si­da­de de fac­to­res, en­tre eles, a ig­no­rân­cia, ca­rac­te­rís­ti­ca do no­vo-ri­quis­mo que, co­mo do­en­ça pe­ga­nhen­ta, in­va­diu a so­ci­e­da­de an­go­la­na, des­ca­rac­te­ri­zou-a, der­ru­bou ár­vo­res, al­gu­mas se­cu­la­res, des­truiu pe­que­nas la­vras, que abas­te­ci­am, di­a­ri­a­men­te, ci­da­des com pro­du­tos fres­cos.

A pe­que­na in­dús­tria ar­te­sa­nal, que já foi ganha-pão de tan­tos an­go­la­nos, caiu em de­su­so por vá­ri­as cir­cuns­tân­ci­as, uma das quais, não a úni­ca, o sur­gi­men­to do plás­ti­co, que to­mou con­ta das nos­sas vi­das.

Nu­ma al­tu­ra em que tan­to se apre­goa a ur­gên­cia da re­cu­pe­ra­ção de cos­tu­mes e va­lo­res, mui­tas ve­zes sem que quem o faz sai­ba o que diz, quan­to mais con­tri­buir pa­ra a ma­te­ri­a­li­za­ção da in­ten­ção fa­la­da da bo­ca pa­ra fo­ra e que se co­nhe­cem, co­mo nun­ca, os ma­le­fí­ci­os do plás­ti­co, a par da im­por­tân­cia de di­ver­si­fi­car­mos a eco­no­mia pa­ra nos tor­nar­mos me­nos de­pen­den­tes do es­tran­gei­ro, es­tra­nha-se que não se ten­te in­cre­men­tar o fa­bri­co ar­te­sa­nal de uma sé­rie de uten­sí­li­os de uso diá­rio, apro­vei­tan­do a ma­té­ri­a­pri­ma na­ci­o­nal.

A in­dús­tria ar­te­sa­nal não re­quer gran­des in­ves­ti­men­tos, dis­pen­sa im­por­ta­ções de ma­té­ri­as-pri­mas e for­ma­do­res con­tra­ta­dos, com os cus­tos e re­sul­ta­dos que to­dos co­nhe­ce­mos, não ra­ro “mu­las” de di­vi­sas, de­ten­to­res de di­plo­mas e currículos va­zi­os de ver­da­de, pre­en­chi­dos à pas­sa­gem do equa­dor.

Há por aí, ain­da, ve­lhos mes­tres ar­te­sãos e ar­te­sãs, ca­pa­zes de en­si­nar jo­vens sem pro­fis­são, de­sem­pre­ga­dos de lon­go tem­po, a fa­zer, por exem­plo, cor­das pa­ra vá­ri­os fins, ba­lai­os, vas­sou­ras, aba­nos, por­ta-mo­e­das, car­tei­ras de mão pa­ra se­nho­ras, cor­ti­nas, te­lha­dos, pe­que­nas me­sas, có­mo­dos, ca­dei­rões de ma­te­ba, a fo­lha da ma­te­bei­ra, pau que ha­via em pro­fu­são em mui­tas das ac­tu­ais pro­vín­ci­as, da qual se apro­vei­ta­va, igual­men­te, a sei­va pa­ra fa­zer ma­lu­vo.

En­tre as ma­té­ri­as-pri­mas que já fo­ram uti­li­za­das - e po­dem vol­tar a ser - em fa­bri­cos ar­te­sa­nais sem ne­ces­si­da­de de saí­da de di­vi­sas, que tan­ta fal­ta nos fa­zem, nem de im­por­tar “es­pe­ci­a­lis­tas”, há ou­tra va­ri­e­da­de enor­me de ár­vo­res, co­mo a ma­fu­mei­ra, de que se fa­zi­am os don­gos.

Mui­tas des­tas ár­vo­res de­sa­pa­re­ce­ram, tam­bém elas, por uma di­ver­si­da­de de fac­to­res, en­tre os quais a ig­no­rân­cia, ca­rac­te­rís­ti­ca do no­vo-ri­quis­mo, que, co­mo do­en­ça pe­ga­nhen­ta, in­va­diu a so­ci­e­da­de an­go­la­na, des­ca­rac­te­ri­zou-a, der­ru­bou ár­vo­res, al­gu­mas se­cu­la­res, des­truiu pe­que­nas la­vras, que abas­te­ci­am, di­a­ri­a­men­te, as ci­da­des com pro­du­tos fres­cos. E pas­sa­mos a ter de im­por­tar o que já tí­nha­mos ti­do. O que deu um jei­to enor­me a uma cor­ja que se pro­mo­veu a eli­te au­to-ava­li­a­da pe­la for­tu­na de que dis­pu­nha, sa­be­mos to­dos co­mo.

O que vi­nha de fo­ra che­ga­va e so­bra­va-lhe pa­ra o que ti­nha à me­sa e per­mi­tia-lhe, en­tre ou­tras be­nes­ses, co­mis­sões de im­por­ta­ção. Ja­mais, os que com­pu­nham - com­põem es­ta sú­cia de “co­la­ri­nho bran­co”, ima­gi­na­ram que um dia lhes fos­sem pe­di­das con­tas, mas co­me­ça­ram já a ser “cha­ma­dos à pe­dra”. Mes­mo que ha­ja os que con­si­gam es­ca­pu­lir-se, usan­do os mais va­ri­a­dos es­tra­ta­ge­mas, nem to­dos o con­se­gui­rão.

O mal que fi­ze­ram - fa­zem ain­da - a es­te país, a es­te po­vo, é enor­me. So­men­te da­qui a mui­to tem­po se há-de po­der ava­li­ar o ta­ma­nho re­al. O que sa­be­mos ago­ra é que não é tem­po de “cho­rar so­bre o leite der­ra­ma­do”, mas de “ar­re­ga­çar as man­gas” e ten­tar que as ge­ra­ções vin­dou­ras te­nham uma An­go­la com me­nos de­si­gual­da­des, mais so­li­dá­ria, me­lhor pa­ra vi­ver, o que, de to­do, não é di­fí­cil.

Pa­ra is­so, po­rém, é in­dis­pen­sá­vel que dei­xe de ser um país de tan­tas in­ten­ções anun­ci­a­das, mas de mais tra­ba­lho, ac­ções con­cre­tas. Tam­bém sem um úni­co plás­ti­co que nos ma­ta di­a­ri­a­men­te, ins­tan­te a ins­tan­te, nem tan­to ci­men­to ar­ma­do. Pe­lo con­trá­rio, com mais la­vras e po­ma­res a ro­de­a­rem ci­da­des e vi­las, pe­que­nos ne­gó­ci­os es­tru­tu­ra­dos, ar­te­sões que o es­cul­pam nas obras que fa­zem. No fun­do, uma Na­ção com al­ma. E a an­go­la­na é enor­me, com ho­ri­zon­tes, mas sem li­mi­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.