ONU exorta o Go­ver­no a cum­prir da­ta da votação

O CS das Na­ções Uni­das de­cla­rou que as elei­ções na Gui­néBis­sau de­ve­rão mar­car o fim de um ci­clo po­lí­ti­co ins­tá­vel

Jornal de Angola - - ÁFRICA -

A se­cre­tá­ria-ge­ral as­sis­ten­te pa­ra Áfri­ca do De­par­ta­men­to de Ope­ra­ções de Paz das Na­ções Uni­das, Bin­tou Keita, dis­se, du­ran­te a reu­nião do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça do or­ga­nis­mo, que ter­mi­nou à ma­dru­ga­da de on­tem, que o país tem de cum­prir a da­ta es­ta­be­le­ci­da pa­ra o ac­to elei­to­ral e de­ve apri­mo­rar me­di­das de trans­pa­rên­cia e o desenvolvi­mento de uma es­tra­té­gia pa­ra as elei­ções, no sen­ti­do de res­pon­der à "des­con­fi­an­ça ge­ne­ra­li­za­da" na po­lí­ti­ca gui­ne­en­se.

Bin­tou Keita con­si­de­rou que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal de­ve dar apoio fi­nan­cei­ro e “con­tri­bui­ção ins­tru­men­tal” pa­ra a re­a­li­za­ção das elei­ções presidenci­ais de 24 de No­vem­bro e, se ne­ces­sá­rio, pa­ra a se­gun­da ron­da, em 29 de De­zem­bro, pa­ra pôr fim ao “ci­clo po­lí­ti­co de ins­ta­bi­li­da­de” que du­ra des­de 2015.

A se­cre­tá­ria-ge­ral as­sis­ten­te pa­ra Áfri­ca do De­par­ta­men­to de Ope­ra­ções de Paz das Na­ções Uni­das su­bli­nhou que o pro­ces­so elei­to­ral tem de­sa­fi­os, en­tre os quais o re­gis­to dos elei­to­res que não ti­ve­ram opor­tu­ni­da­de de vo­tar nas elei­ções le­gis­la­ti­vas, re­a­li­za­das em Mar­ço, que ron­dou os 25 mil.

O re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te da Guiné-Bissau jun­to da ONU, Fer­nan­do Del­fim da Sil­va, de­cla­rou que o Go­ver­no es­tá com­pro­me­ti­do com a re­a­li­za­ção de elei­ções cre­dí­veis e trans­pa­ren­tes, e lem­brou que o ce­ná­rio po­lí­ti­co ac­tu­al es­tá afec­ta­do pe­la mai­or apre­en­são de dro­ga da his­tó­ria do país, em 2 de Se­tem­bro, de 1,8 to­ne­la­das de co­caí­na. Se­gun­do o di­plo­ma­ta, as elei­ções presidenci­ais se­rão uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o po­vo gui­ne­en­se “re­no­var a le­gi­ti­mi­da­de” das ins­ti­tui­ções do país.

A quan­ti­da­de de dro­ga apre­en­di­da no iní­cio do mês de­mons­tra a di­men­são de co­mo o país é “atrac­ti­vo” pa­ra os tra­fi­can­tes, de­vi­do à fra­gi­li­da­de das ins­ti­tui­ções e “vul­ne­ra­bi­li­da­de ge­o­grá­fi­ca”, afir­mou Fer­nan­do Del­fim da Sil­va, con­si­de­ran­do que os vi­zi­nhos afri­ca­nos li­dam com os mes­mos pro­ble­mas do cri­me or­ga­ni­za­do e trá­fi­co de dro­ga.

O re­pre­sen­tan­te ple­ni­po­ten­ciá­rio jun­to da ONU ma­ni­fes­tou a ne­ces­si­da­de de re­for­ço da co­o­pe­ra­ção com as Na­ções Uni­das no com­ba­te ao trá­fi­co de dro­ga, um dos mai­o­res pro­ble­mas do país, com uma par­ce­ria en­tre Go­ver­no e o Ga­bi­ne­te das Na­ções Uni­das so­bre Dro­gas e Cri­me.

Fer­nan­do Del­fim da Sil­va pe­diu ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça que se en­con­trem for­mas de au­men­tar a ca­pa­ci­da­de das ins­ti­tui­ções nacionais, que ope­ram em con­di­ções “ex­tre­ma­men­te pre­cá­ri­as”.

O Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das de­cla­rou que as elei­ções presidenci­ais na Gui­néBis­sau de­ve­rão ser o fim de um ci­clo po­lí­ti­co ins­tá­vel e de­vem ga­ran­tir se­gu­ran­ça e in­clu­são.

Se­gun­do a Lusa, os mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça des­ta­ca­ram tam­bém que a Guiné-Bissau é o pri­mei­ro Go­ver­no “in­clu­si­vo” e “equi­li­bra­do” da Áfri­ca Oci­den­tal, de­vi­do às oi­to mi­nis­tras e três se­cre­tá­ri­as de Es­ta­do que fa­zem 35 por cen­to dos mem­bros do Exe­cu­ti­vo. A ONU in­di­cou tam­bém que as elei­ções presidenci­ais, em No­vem­bro, são mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra de­mons­trar uma “li­de­ran­ça in­clu­si­va”.

Pe­río­do pós-elei­ções

O Con­se­lho de Se­gu­ran­ça ad­ver­tiu que a di­fi­cul­da­de se­rá ge­rir o pe­río­do pós-elei­to­ral, quan­do se­rão ne­ces­sá­ri­as re­for­mas cons­ti­tu­ci­o­nais, e ape­lou pa­ra que as “ten­dên­ci­as” dos ac­to­res po­lí­ti­cos de pôr em cau­sa o re­sul­ta­do das elei­ções se­jam dis­si­pa­das.

Os Es­ta­dos-mem­bros com as­sen­to no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça ex­pres­sa­ram pro­fun­da pre­o­cu­pa­ção pe­lo ele­va­do nú­me­ro e grau de gra­vi­da­de de cri­mes re­la­ci­o­na­dos com as dro­gas, as­sim co­mo pe­la pos­si­bi­li­da­de de es­tas ac­ti­vi­da­des cri­mi­no­sas se­rem uti­li­za­das pa­ra fi­nan­ci­a­men­to de ac­ti­vi­da­des ter­ro­ris­tas

Por fim, a ONU des­ta­cou a de­ter­mi­na­ção da Po­lí­cia gui­ne­en­se e das for­ças de se­gu­ran­ça em neu­tra­li­zar o pro­ble­ma das dro­gas, e dis­se que o con­tro­lo da se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de de­ve ser as­se­gu­ra­do tam­bém pe­lo Gru­po P5, ONU, Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP), União Afri­ca­na, União Eu­ro­peia e Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (CEDEAO).

O Ga­bi­ne­te In­te­gra­do das Na­ções Uni­das pa­ra a Con­so­li­da­ção da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS) pro­me­te ter um pa­pel im­por­tan­te na re­a­li­za­ção das elei­ções presidenci­ais.

O ac­tu­al man­da­to da UNIOGBIS vai até 28 de Fe­ve­rei­ro do pró­xi­mo ano, mas re­quer­se uma di­mi­nui­ção gra­du­al das ac­ti­vi­da­des até ao en­cer­ra­men­to, pre­vis­to pa­ra 31 de De­zem­bro de 2020.

DR

As elei­ções presidenci­ais na Guiné-Bissau de­vem ocor­rer no dia 24 de No­vem­bro no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.