O exer­cí­cio de di­rei­to de res­pos­ta e rec­ti­fi­ca­ção

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

em Lu­an­da, em ses­são ple­ná­ria or­di­ná­ria, o Con­se­lho Di­rec­ti­vo da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al An­go­la­na (ERCA), cha­mou a aten­ção pa­ra a im­por­tân­cia do exer­cí­cio do Di­rei­to de Res­pos­ta e de Rec­ti­fi­ca­ção.

A ERCA diz que qual­quer pes­soa sin­gu­lar ou co­lec­ti­va, or­ga­ni­za­ção, ser­vi­ço ou or­ga­nis­mo pú­bli­co ou pri­va­do po­de re­a­gir ime­di­a­ta­men­te a al­gum tra­ta­men­to me­nos cor­rec­to na im­pren­sa, que em seu en­ten­der vi­o­le os seus di­rei­tos de per­so­na­li­da­de, co­mo o bom no­me, a re­pu­ta­ção e ou­tros.

Além de des­ta­car a re­cen­te po­lé­mi­ca que en­vol­veu o de­pu­ta­do Mi­guel Nzau Pu­na e o Jor­nal de An­go­la pa­ra pro­mo­ver o re­cur­so a es­te di­rei­to, a ERCA re­co­men­da às par­tes en­vol­vi­das pa­ra que te­nham sem­pre em de­vi­da con­ta o es­tri­to res­pei­to pe­las nor­mas mais es­pe­cí­fi­cas que ba­li­zam es­te exer­cí­cio, o que, no ca­so em con­cre­to, não se ve­ri­fi­cou ple­na­men­te pe­las du­as par­tes.

Na sua de­li­be­ra­ção, a En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al ma­ni­fes­ta gran­de pre­o­cu­pa­ção pe­la ten­dên­cia, que não é no­va, dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e al­guns dos seus prin­ci­pais ros­tos se que­re­rem subs­ti­tuir aos ór­gãos com­pe­ten­tes de jus­ti­ça, fa­zen­do mui­tas ve­zes tá­bua ra­sa do di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal à pre­sun­ção de ino­cên­cia que as­sis­te a qual­quer ci­da­dão an­tes do seu pro­ces­so ter tran­si­ta­do em jul­ga­do.

A ERCA con­si­de­ra que, no ca­so an­go­la­no, a cha­ma­da “ju­di­ci­a­li­za­ção da im­pren­sa” tem-se ca­rac­te­ri­za­do, no­me­a­da­men­te, pe­la au­sên­cia do con­tra­di­tó­rio em ma­té­ri­as gra­ve­men­te le­si­vas dos di­rei­tos da par­te acu­sa­da, o que fe­re pro­fun­da­men­te os fun­da­men­tos do pró­prio jor­na­lis­mo de re­fe­rên­cia.

Pa­ra o efei­to, a ERCA re­co­men­dou que o tra­ta­men­to jor­na­lís­ti­co de ca­sos que en­vol­vam acu­sa­ções ou de­nún­ci­as cri­mi­nais se­ja fei­to com o mai­or es­pí­ri­to de res­pon­sa­bi­li­da­de e equi­dis­tân­cia, por mais evi­den­tes que às ve­zes os fac­tos em pre­sen­ça se apre­sen­tem aos nos­sos olhos.

Reu­ni­do on­tem,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.