Mpam­bu­ki­di Nlun­fi­di ex­põe na Áfri­ca do Sul

Jornal de Angola - - CULTURA - Ale­xa So­nhi

O es­cul­tor Mpam­bu­ki­di Nlun­fi­di é um dos ar­tis­tas con­vi­da­dos pa­ra ex­por na Con­fe­rên­cia de Do­a­do­res Afri­ca­nos, que acon­te­ce no dia 26, na Ci­da­de do Ca­bo, Áfri­ca do Sul, on­de pre­ten­de mos­trar o me­lhor da cul­tu­ra e da iden­ti­da­de na­ci­o­nal.

O ar­tis­ta an­go­la­no in­for­mou on­tem, ao Jor­nal de

An­go­la, que o con­vi­te foi fei­to pe­lo Pre­si­den­te sul-afri­ca­no, Cy­ril Ra­mapho­sa, o que re­pre­sen­ta um ga­nho pa­ra a clas­se ar­tís­ti­ca na­ci­o­nal e o re­co­nhe­ci­men­to do tra­ba­lho fei­to por si ao lon­go de anos.

Pa­ra es­ta ex­po­si­ção, o es­cul­tor tem pre­pa­ra­das 15 es­cul­tu­ras no­vas, as­sen­tes fun­da­men­tal­men­te nas raí­zes e na tra­di­ção an­go­la­nas. O ar­tis­ta adi­an­tou ain­da que nes­te mo­men­to tem pa­ten­te, des­de o pas­sa­do dia 6, um total de 45 es­cul­tu­ras no Ho­tel de Con­ven­ções de Ta­la­to­na, em Lu­an­da.

A mos­tra, de­no­mi­na­da “Es­pí­ri­to de União”, fi­ca pa­ten­te ao pú­bli­co por três me­ses, e foi fei­ta com o ob­jec­ti­vo de aju­dar na re­cu­pe­ra­ção do sen­ti­men­to de união, que nor­te­a­va o po­vo an­go­la­no, e ho­je, aos pou­cos, se per­deu, em par­te, de­vi­do ao fe­nó­me­no da glo­ba­li­za­ção. Ape­sar de não ser a pri­mei­ra vez a ex­por no es­pa­ço, o ar­tis­ta dis­se es­tar sa­tis­fei­to, por­que além de ser um si­nal de re­co­nhe­ci­men­to, mos­tra tam­bém o in­te­res­se do pú­bli­co em co­nhe­cer mais so­bre a cul­tu­ra an­go­la­na.

“Em se­te di­as de ex­po­si­ção, o ho­tel não pá­ra de re­ce­ber vi­si­tan­tes e, in­clu­si­ve, já re­ce­bi mui­tas en­co­men­das, quer de ci­da­dãos nacionais quer de es­tran­gei­ros. É uma pro­va cla­ra de um re­nas­cer das ar­tes, que pre­ci­sa de ser me­lhor ex­plo­ra­da pe­los pro­du­to­res an­go­la­nos”, pe­diu.

Mpam­bu­ki­di Nlun­fi­di in­for­mou, igual­men­te, que a mai­o­ria das ex­po­si­ções a se­rem re­a­li­za­das por si, es­te ano, vão ter a de­no­mi­na­ção de “Es­pí­ri­to de União”, a mes­ma das an­te­ri­o­res, co­mo ma­nei­ra de con­ti­nu­ar a enal­te­cer a iden­ti­da­de e a cul­tu­ra an­go­la­na. O tem­po de ex­po­si­ção, se­lec­ci­o­na­do pe­la ges­tão do ho­tel, vai aju­dar, ten­do em con­ta as efe­mé­ri­des co­mo o 17 de Se­tem­bro, Dia do He­rói Na­ci­o­nal, ou o 27 de Se­tem­bro, Dia Mun­di­al do Tu­ris­mo, e o 11 de No­vem­bro, Dia da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Per­mi­te dar mais es­pa­ço pa­ra que o pú­bli­co co­nhe­ça, atra­vés dos tra­ços ca­rac­te­rís­ti­cos das es­cul­tu­ras, por­me­no­res im­por­tan­tes da cul­tu­ra na­ci­o­nal.

PAULINO DA­MIÃO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO | ARQUIVO

Ar­tis­ta tem pro­cu­ra­do re­pre­sen­tar a cul­tu­ra e a iden­ti­da­de na­ci­o­nal na mai­o­ria dos tra­ba­lhos re­a­li­za­dos nos úl­ti­mos anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.