Fe­de­ra­ção de­ve an­te­ci­par pro­jec­ção do Pré-Olím­pi­co

Ex­pe­ri­ên­ci­as an­te­ri­o­res re­co­men­dam cau­te­las e pru­dên­cia na pre­pa­ra­ção do tor­neio qua­li­fi­ca­ti­vo pa­ra os Jo­gos Olím­pi­cos de 2020, mar­ca­dos pa­ra a ci­da­de de Tó­quio, no Ja­pão

Jornal de Angola - - DESPORTO - Ana­xi­man­dro Ma­ga­lhães | Bei­jing

Ter­mi­na­da a cam­pa­nha Mun­di­al Chi­na'2019, ur­ge a ne­ces­si­da­de de os di­ri­gen­tes da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Bas­que­te­bol (FAB) co­me­ça­rem , o quan­to an­tes, a pre­pa­rar as con­di­ções pa­ra a dis­pu­ta do pró­xi­mo com­pro­mis­so da Se­lec­ção Na­ci­o­nal, o Tor­neio Pré-Olím­pi­co.

Ain­da sem país de­sig­na­do pa­ra al­ber­gar a pro­va, que qua­li­fi­ca as qua­tro úl­ti­mas se­lec­ções pa­ra os Jo­gos Olím­pi­cos Tó­quio'2020, no Ja­pão, pon­to as­sen­te é que An­go­la es­tá obri­ga­da a mar­car pre­sen­ça. Não im­por­ta se com uma equi­pa de Es­pe­ran­ças ou Hon­ras.

Por­tan­to, de­fi­nir ob­jec­ti­vos, tra­çar um pla­no es­tra­té­gi­co de for­ma atem­pa­da é fun­da­men­tal, de mo­do a evi­ta­rem-se cons­tran­gi­men­tos se­me­lhan­tes aos re­gis­ta­dos aquan­do dos tra­ba­lhos, vi­san­do a 18ª edi­ção do Cam­pe­o­na­to do Mun­do, cu­ja fi­nal é dis­pu­ta­da do­min­go, na ci­da­de de Bei­jing, no Pa­vi­lhão Wu­ke­song Cen­ter.

Mes­mo sa­ben­do de an­te­mão ser di­fí­cil ma­te­ri­a­li­zar o ob­jec­ti­vo, por ter de de­fron­tar se­lec­ções mui­to mais for­tes, e ten­do co­mo exem­plo per­cal­ços an­te­ri­o­res, nos préo­lím­pi­cos de 2012 na Ve­ne­zu­e­la, e 2016,na Sér­via, a FAB tem de ze­lar pe­lo bom no­me do país e o pres­tí­gio gran­je­a­do du­ran­te anos, em­bo­ra be­lis­ca­dos no pre­sen­te Mun­di­al.

A FAB dis­põe de mais de seis me­ses pa­ra tra­ba­lhar, tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra evi­tar ar­ran­car tar­de e dar mais ho­ras à pre­pa­ra­ção. En­ce­tar con­tac­tos jun­to de pa­tro­ci­na­do­res pa­ra per­mi­tir a re­a­li­za­ção de es­tá­gi­os e jo­gos de con­tro­lo for­tes, acon­se­lha-se.

Com as saí­das anun­ci­a­das do ex­tre­mo-pos­te Reg­gie Mo­o­re, 2,00 me­tros, e do pos­te Edu­ar­do Min­gas, 1,98 me­tros, abrem-se du­as va­gas. As saí­das, em­bo­ra não tão fá­ceis de se­rem col­ma­ta­das, tam­bém não se pre­vêem gran­des di­fi­cul­da­des pa­ra o fa­zer, ten­do em con­ta so­bre­tu­do a pres­ta­ção de Mo­o­re, de 38 anos, nes­ta úl­ti­ma edi­ção da prin­ci­pal pro­va do ca­len­dá­rio de com­pe­ti­ções da FIBA, on­de fi­cou mui­to aquém do es­pe­ra­do. Reg­gie dis­pu­tou os cin­co jo­gos. Três no Gru­po D da fa­se pre­li­mi­nar e dois na Sé­rie N, das clas­si­fi­ca­ti­vas do 17º ao 32º lu­gar. Em 112 mi­nu­tos mar­cou ape­nas 27 pon­tos.

Já Min­gas, de 40 anos, o úni­co an­go­la­no com cin­co cam­pe­o­na­tos do mun­do no cur­rí­cu­lo, nos Es­ta­dos Uni­dos (2002), Ja­pão (2006), Tur­quia (2010, Es­pa­nha (2014) e Chi­na (2019), foi uti­li­za­do so­men­te em du­as par­ti­das, ten­do exi­bi­ções dis­cre­tas.

No pri­mei­ro tes­te fren­te à Sér­via me­re­ceu a con­fi­an­ça do se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal, Wil­li­am Bryant Voigt, por cin­co mi­nu­tos e 34 se­gun­dos, dos 40 re­ser­va­dos pa­ra o en­con­tro, e mar­cou dois pon­tos. Con­tra a Itá­lia fez 15 mi­nu­tos e 38 se­gun­dos, e vol­tou a mar­car o mes­mo nú­me­ro.

Com mais um ano de con­tra­to, mas fa­lha­do o pro­pó­si­to prin­ci­pal, re­gres­sar à al­ta roda do des­por­to mun­di­al, da qual es­tá afas­ta­da a du­as edi­ções, a si­tu­a­ção de Will Voigt tem de ser de­fi­ni­da o quan­to an­tes, as­sim co­mo ana­li­sa­das as in­ci­dên­ci­as em Foshan e Bei­jing.

FIBA

Má pres­ta­ção do “cin­co” na­ci­o­nal de­ve ser­vir de li­ção pa­ra os pró­xi­mos com­pro­mis­sos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.